A maldade está em cada ser humano, diz guru brasileiro

Cynthia Greiner, na Folha.com

Psicólogo que virou guru, o brasileiro Prem Baba está radicado na Índia desde 2002. Mas viaja pelo mundo todo, para participar de encontros que combinam meditação e ensinamentos a seus mais de 5.000 seguidores. Neste mês, está no Brasil.

Prem Baba em evento comemorativo pelo dia do guru, em Nazaré Paulista, interior de São Paulo

Prem Baba, que segue a tradição sachcha (“caminho do coração”) do hinduísmo, cunhou o conceito de “matrizes do eu inferior” para explicar a maldade humana, os impulsos inconscientes e o autoconhecimento.

Em entrevista à Folha, o guru falou sobre o lado sombrio e as fraquezas de todo o ser humano.

Folha – Não sabemos lidar com nossa própria maldade?

Prem Baba – Somos levados a acreditar que a violência só acontece no coração dos criminosos, dos terroristas, mas a maldade está em cada ser humano, dentro de casa, na estupidez ou no desrespeito com o companheiro, com os filhos.

Mas o desrespeito parece bem diferente da maldade. Qual a conexão entre os dois pontos?

O que une é o preconceito. São impulsos de ódio. E, mesmo que não se manifeste na intensidade dos casos que lemos nos jornais, existe uma conexão. Todos temos o que chamo de “matrizes do eu inferior”: gula, preguiça, avareza, inveja, ira, orgulho, luxúria, medo e mentira. São pontos escuros que fazem parte da estrutura psíquica. São como entidades que agem à revelia da vontade consciente. Alguns carregam essas partículas de energia de forma mais intensa, mas o ódio de alguém que bate no outro não é diferente do ódio que sinto do meu filho quando ele faz algo que não quero. É a mesma necessidade de controle.

O que diferencia uma pessoa controlada de uma que perde o controle?

A formação, a moralidade, as crenças que cada um desenvolve. Algumas pessoas não têm o filtro que regula a manifestação da violência. Quanto maior a inconsciência a respeito dos pontos escuros da estrutura psíquica, menos domínio temos sobre a atuação deles. A consciência se expande gradativamente, é um desenvolvimento.

Qual o risco de se deixar levar?

Criar situações negativas para si mesmo e não conseguir mudar de direção. Por exemplo: a vontade de equilibrar a vida financeira. Muita gente tenta de tudo, mas, inevitavelmente, gasta mais do que recebe. A única possibilidade de interromper o círculo vicioso é o autoconhecimento: ter disposição de olhar para si mesmo e perceber que a responsabilidade está dentro de nós, e não fora. As sombras precisam ser focalizadas e transformadas, porque sabotam a realização do que queremos conscientemente.

Não há um lado positivo na sombra?

É um mecanismo de defesa. Protege o ser humano das dificuldades. Humilhação, abandono e exclusão criam feridas profundas. Para sobreviver é preciso usar esses mecanismos sombrios.

Como jogar luz na sombra?

Primeiro passo: identificando. O que faz um diabético comer açúcar? Ele tem que identificar que existe dentro dele uma vontade de adoecer por algum motivo. Meu trabalho é ajudar a identificar essa voz contrária. A primeira coisa a fazer é um inventário de problemas.

Isso não é nada fácil…

Não é, porque você vai entrar em contato com dores profundas e difíceis de encarar. Por isso, é mais fácil ficar amortecido nesse círculo vicioso. É preciso ter coragem de admitir as imperfeições humanas, sem querer estar acima delas.

A transformação leva à espiritualidade?

A espiritualidade é uma realidade. Mas a realidade é aquilo que sobra depois que você se liberta de todos os conceitos, de todos as ideias pré-concebidas e de todas as verdades emprestadas. É o que eu costumo chamar de verdade irrefutável.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for A maldade está em cada ser humano, diz guru brasileiro

Deixe o seu comentário