Em Belém, “Puta Dei” luta pelos direitos das prostitutas do Pará

Altino Machado, no Blog da Amazônia

A Associação de Prostitutas do Estado do Pará (Gempac) realiza  neste sábado (2), em Belém, uma extensa programação com debate em rede sobre a legalização da profissão e manifestações artísticas e culturais para comemorar o Dia Internacional da Prostituta.

No dia 2 de junho de 1975, 150 prostitutas ocuparam a igreja de Saint-Nizier, na França, para protestar contra o cerco a liberdade que sofriam.

Segundo os organizadores do evento, de lá para cá, o movimento se fortaleceu, teve avanços e conquistas, mas ainda sofre com os preconceitos e a falta de informação.

Após 37 anos do protesto que marcou a trajetória da classe trabalhista, mulheres de todo o mundo comemoram o Dia Internacional da Prostituta, uma data para reforçar o combate aos estigmas que estas profissionais sofrem diariamente.

Preliminares

As atividades do Puta Dei começam às 9 da manhã e se estendem até a noite percorrendo o trajeto do “Quadrilátero do Amor” – área do tradicional bairro da Campina, que marcou tempos áureos da capital paraense formando o quadrado compreendido entre as ruas Padre Prudêncio, 1º de Março, Riachuelo e General Gurjão.

Cada ação da programação visa fortalecer o debate sobre a profissão e, principalmente, quebrar tabus que impedem e distorcem um tratamento real sobre as questões da classe.

Blog das Esquinas

Logo pela manhã, no Corredor Polonês, após um exercício corporal de apresentação, um workshop de comunicação apresenta o processo de construção do “Blog das Esquinas”.

Resultado de uma bolsa do edital Fundo Brasil, do governo federal, a página virtual pretende ser um canal entre a classe e veículo de comunicação com a sociedade, propondo uma nova forma de tratar sobre o assunto, além dos estereótipos reforçados pela grande mídia.

Ato Puta Dei

Pela parte da tarde, o Ato Puta Dei, realizado na sede da Gempac, vai reunir articuladores locais e nacionais da Rede de Prostitutas do Brasil em uma mesa que discutirá a legalização da profissão.

Do encontro, que será transmitido em rede e contará com a participação virtual de convidados, deve sair uma ata a ser apresentada em audiência pública na Assembléia Legislativa do Pará.

Antes do Puta Dei, o Cine Gempac, cineclube que atua na sede física da entidade, vai apresentar uma sessão de pornochanchada para esquentar a programação.

Oficina de Orgasmos e Corrida das Calcincas

No fim da tarde, a Corrida de Calcinhas, atividade já tradicional do movimento nacional de prostitutas(inspirado na corrida realizada pelo movimento de prostitutas da Paraíba), toma as ruas da Campina, com saída da frente do Teatro Cuíra.

Ali também será realizada uma oficina inusitada sobre orgasmo, fruto de uma preocupação latente da prostituta Cinderela, cujos anos de atuação no mercado mostrou como poucos gozam da plenitude do sexo.

No início da noite, intervenções teatrais com os grupos Madalenas e Perifeéricos tomam a rua, numa movimentação de cortejo até a Gempac, onde a programação se encerra com a Noite de Gala, que conta com a participação dos músicos Allan Carvalho e Luiz Girard e djs.

Zona de Direitos

Propor novas formas de refletir sobre o trabalho das prostitutas e compreender, principalmente, que a legalização da profissão pode por fim a uma série de incertezas e inseguranças que assolam estas trabalhadoras.

Para Leila Barreto, secretária da Gempac, a programação arrojada é o verdadeiro e mais íntimo reflexo do cotidiano destas profissionais.

– Estamos cansados da institucionalização de nossos sonhos, uma volta à identidade das esquinas e dos espaços que nos legitimem. Nossa programação quer instigar a reflexão, discutir a realidade e trazer para este universo algo lúdico, que é o que nos envolve no dia-a-dia mesmo.

Segundo Leila Barreto, as atividades que foram propostas no projeto aprovado pelo Fundo Brasil, como o lançamento do blog, assim como a mostra sonora Zona de Direitos, resultado de uma curadoria sobre as notícias relacionadas a prostituição ao longo destes 20 anos de atuação da entidade, e que será lançada no Puta Dei, são tentativas de trazer novo olhar sobre as prostitutas.

– Agora é só deixar os pudores em casa e tomar as ruas do Quadrilátero do Amor, pois sábado vai ser um puta dia – acrescenta Leila Barreto.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Em Belém, “Puta Dei” luta pelos direitos das prostitutas do Pará

1 Comentário

  1. edmar disse:

    Não podemos esquecer que a diferença entre uma moça de família hoje em dia e uma puta e que a PUTA esta no bordel e moça de familia esta nos bares esperando um cara que ganha bem ficar bem bebado para ele abre as pernas e depois ela vai ver de pensão desse fruto da noitada.

Deixe o seu comentário