Mãe de Pai Bruno revela que ele era evangélico e cantava no coral da Igreja Batista


Pai Bruno na época em que frequentava a igreja e cantava no coral
Foto: Roberto Moreyra / EXTRA

Pai Bruno em anúncio de jornal
Foto: Divulgação

Carolina Heringer, no Extra

Para resolver as causas impossíveis e urgentes de seus clientes, Pai Bruno de Pombagira evocava o demônio. “Vou te provar que o diabo existe”, prometia, num de seus anúncios. Assim Edmar Santos de Araújo, de 23 anos, apresentou-se para o mundo nos últimos 18 meses. Nos 21 anos anteriores, porém, ele encarnou para a família — e, principalmente, para a mãe — um garoto evangélico que chegou a integrar o coral da Igreja Batista de Miguel Couto, em Nova Iguaçu.

— Deus me deu como filho Edmar, que era um doce de menino, e não Pai Bruno — emociona-se Dona Jussiara, de 53 anos.

Arrasada com a prisão do filho, no último dia 13, por ter extorquido dinheiro de um cliente, diz que é tudo obra do diabo — palavra com a qual seu filho ganhava a vida, mas que a evangélica se recusa a pronunciar. O “inimigo”, ela explica, se apossou de Edmar em 2010, quando ele, incentivado por amigos, passou a frequentar “centros de macumba”.

Os próprios parentes têm dificuldade para explicar como um jovem que sempre leu a Bíblia, e cresceu frequentando a Igreja, incorporou um adorador do diabo. Adepto da nova religião, acabou se afastando da mãe e dos irmãos, Jucimar e Luvimar, de 32 e 30 anos.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Mãe de Pai Bruno revela que ele era evangélico e cantava no coral da Igreja Batista

Deixe o seu comentário