Exodus Internacional anuncia ter desistido da ‘cura’ de gay

Paulo Roberto Lopes, no blog Paulopes

Alan Chambers (foto), presidente do Exodus Internacional, anunciou na semana passada que o grupo deixou de oferecer “terapia reparativa” por intermédio de aconselhamento e orações àqueles que têm atração por pessoas do mesmo sexo.

Trata-se de uma reviravolta. O Exodus é um influente grupo de cristão com sede nos Estados Unidos e ramificações em vários países, incluindo o Brasil. Ele era tido como homofóbico por oferecer, além de terapia, cursos e apoio às igrejas sobre os procedimentos para a “cura” da homossexualidade. O grupo tem forte atuação na América Latina. Em 2010, para citar um exemplo noticiado na época por este site, ele deu no México um curso para líderes religiosos abordando, entre outros, os tópicos “Raízes do homossexualismo e lesbianismo”, “o processo de cura”, “desmascarando o lado sombrio da vida gay”, e “como se prevenir da homossexualidade”.

Na 37ª Conferência Anual do Exodus, Chambers disse que a “terapia reparativa” foi posta de lado primeiro porque não há comprovação de sua eficácia e, segundo, ela não faz parte da “mensagem bíblica”.

Ele explicou que quem acredita que pode ajudar as pessoas com a tal terapia poderá aplicá-la, mas sem qualquer apoio oficial da organização.

Chambers afirmou que, daqui por diante, o Exodus, em vez de incentivar as igrejas a formarem grupos desse tipo de terapia, vai propor que tentem atrair os homossexuais para seus cultos e demais atividades. Argumentou que essa nova abordagem “é mais centrada em Cristo”.

Agora, o grupo precisa convencer as suas representações, porque o Exodus América Latina, por exemplo, continua dizendo em seu site que se trata de uma “organização cristã dedicada a fornecer ferramentas para a libertação da homossexualidade através do poder transformador de Jesus Cristo”.

Com informação do Christian Post.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Exodus Internacional anuncia ter desistido da ‘cura’ de gay

2 Comentários

  1. Jorge Luiz disse:

    Essa notícia merece de nós uma profunda reflexão, sem ufanismo, falsas curas, mas com profundo entendimento do evangelho.

Deixe o seu comentário