Bruno: “Confesso, pelo sangue de Cristo Jesus, que nunca ordenei o desaparecimento de Eliza Samudio”

Goleiro Bruno durante audiência em Minas Gerais
O goleiro Bruno Fernandes de Souza chora durante audiência na Justiça em Minas Gerais

Natália Cancian, na Folha de S.Paulo

O goleiro Bruno, suspeito do desaparecimento de Eliza Samudio, escreveu nesta quinta-feira uma carta a um programa de TV local em que nega participação no crime. Segundo o advogado do goleiro, Rui Pimenta, esta é a primeira vez em que ele fala com a imprensa desde que foi preso, há dois anos.

“Te confesso, pelo sangue de Cristo Jesus, que nunca desejei, ordenei ou determinei, a quem quer que seja, o desaparecimento de Eliza Samudio”, diz a mensagem, dirigida a um programa da TV Alterosa, de Minas Gerais.

A carta foi entregue na manhã desta quinta-feira, durante visita de Pimenta ao goleiro.

Bruno também fala sobre o filho com Eliza, hoje sob a guarda da avó. “O Bruninho tem sim um pai. Aliás, sempre teve. E vou honrar esse compromisso”, diz.

A mensagem cita várias referências a Deus. Segundo o advogado do goleiro, ele tem frequentado encontros evangélicos na penitenciária de Contagem, onde está preso.

“Sei que estou pagando já dois anos de prisão por um possível crime que não cometi nem ordenei. Deus é minha testemunha e saberá cobrar quem merece”, afirma. “Talvez o único erro da minha vida foi ter confiado em algumas pessoas”, diz, ao final da mensagem.

Ainda de acordo com Pimenta, o trecho final se refere aos desentendimentos com Luiz Henrique Romão, o Macarrão, ex-secretário do goleiro e também suspeito pelo crime.

Pimenta atribui a mensagem ao estado emocional de Bruno. “Ele já está no astral da saída”, disse, referindo-se a um pedido de habeas corpus previsto para ser julgado no início de agosto.

PLANO B

No sábado, a revista “Veja” divulgou uma carta que teria sido escrita pelo goleiro a Macarrão, dentro da penitenciária.

Na carta, Bruno pede perdão ao amigo e cita um possível “plano B”. Segundo a revista, a ideia era que Macarrão assumisse a culpa pelo desaparecimento de Eliza Samudio.

A defesa de Macarrão disse que ele não irá assumir o crime. Ainda segundo a defesa, os dois romperam a amizade em janeiro.

foto: Alex de Jesus/O Tempo/Folhapress

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Bruno: “Confesso, pelo sangue de Cristo Jesus, que nunca ordenei o desaparecimento de Eliza Samudio”

Deixe o seu comentário