Caio Blat fala de cinema e detona a Globo: “enojado, horrorizado”

Caio Blat fala de cinema e detona a Globo: “enojado, horrorizado” - Image 1

Ana Carolina Rodrigues, no Star Lounge

Um dos atores mais importantes do cinema nacional atualmente, Caio Blatparticipou de um evento promovido pela prefeitura de Suzano e, durante bate-papo com o público, acabou criticando a Globo. O encontro ocorreu em maio, mas um vídeo com as declarações do artista na ocasião só foi publicado neste mês.

Falando sobre a divulgação do cinema nacional, o ator afirmou: “Ia ao ‘Vídeo Show’, ao programa do Serginho Groisman para falar do filme. Achava que era um trabalho natural de divulgação, foi quando descobri que essas coisas são pagas. Quando vou ao ‘Programa do Jô’ fazer uma entrevista, isso é considerado uma ação de merchandising, não é jornalismo”.

Ainda durante o encontro, Blat disse que “se você não fechar com a Globo Filmes, seu filme morreu. Não vai aparecer na TV Globo, não vai aparecer nas revistas (da editora Globo), seu filme vai ficar alienado”. O artista foi além e disse que, ao descobrir, como produtor, como funciona o processo de distribuição, ficou “enojado, horrorizado”.

Ao detalhar o contrato de distribuição dos longas nacionais, ele contou que o primeiro dinheiro a entrar na bilheteria fica com a Globo Filmes. “É um adiantamento que estamos fazendo. Olha o que eles dizem! Adiantamento fez quem realizou o filme, investiu muito antes”, afirmou ele, antes de questionar: “O que a Globo faz? Quanto ela gastou para fazer esse ‘investimento’? Nada. O programa deles tem que acontecer todos os dias, eles precisam de gente para ser entrevistada. (A Globo) Não gastou nenhum centavo. Aí ela vai na bilheteria do filme, seu filme conseguiu fazer R$ 1 milhão, você está devendo R$ 4 (milhões). O produtor nunca vê um centavo”. Procurada pelo Starlounge, a Globo Filmes não se manifestou ainda sobre as declarações do ator.

Blat tem em seu currículo filmes como “Xingu”, “Bróder” e “Carandiru”, entre outros. Na televisão, o ator atuou, entre outras, nas novelas “Ciranda de Pedra”, “Morde & Assopra” e “Sinhá Moça”, todas da Globo.

Quer ver o vídeo da conversa? Play aqui!

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Caio Blat fala de cinema e detona a Globo: “enojado, horrorizado”

5 Comentários

  1. Artur Lima disse:

    Até que enfim alguém que não fica babando o ovo da vênus platinada…

  2. DJ PITCH disse:

    VALEU, CAIO. AGORA, SEGURA A TENDA, PORQUE A GLOBO VAI TE F*. SE TÁ TÃO INSATISFEITO, SE MUDA PRA RECORD. OU SBT. TRABALHA NA GLOBO HÁ UM TEMPÃO E SÓ AGORA “DESCOBRIU” QUEM É ELA? ACHA MESMO QUE ALGUÉM DÁ ALGO DE GRAÇA HOJE EM DIA? QUERO QUE A GLOBO SE DANE, MAS VC TÁ CUSPINDO NO PRATO QUE COMEU. AÍ, TOMA UM PÉ NA BUNDA E DEPOIS VAI PRO RATINHO RECLAMAR. DEIXA DE SER TROUXA, E DANCE A MÚSICA. OU SAIA DO SALÃO. TEM UMA PÁ DE ATORES MAIS TALENTOSOS DO QUE VC QUERENDO SER “USADOS” PELA GLOBO. “O SEU FUTURO É DUVIDOSO. NÃO VEJO GRANA, MAS VEJO DOR”. SE O CINEMA NÃO FUNFA, VAI FAZER TEATRO, VÉIO. FIKADIKA.

  3. Marcos Lopes disse:

    Nada de mercado, sabemos com a globo é.
    Por tras rola muita coisa, o mopolio sempre vai existir.

  4. suzanne vegas disse:

    kibochta

  5. Sergio Luiz disse:

    “as pessoas vão estranhar esse tratamento de “Negocio” que é comum em outros mercados.”(postado por: Renato Bento Clementi)… Imagino que seja um engano dizer uma coisa dessas de modo genérico a todos os países como se tudo fosse a mão capitalista norte americana de mercado é que é um modelo, e não perceber as realidades locais de outros países, que em sua maioria, inclusive países desenvolvidos na europa (que agora estão na “pindaíba” por causa da crise), tem o cinema como uma atividade cara e que é subsidiada principalmente pelos governos locais. Os EUA realmente tem uma industria de cinema poderosa e que tem poder de fogo que é incomum a qualquer outro país de modo até esmagar as produções locais. E também por causa do esquema montado pela estratégia empresarial local de salas de cinema em acordo com as distribuidoras americanas de cinema fazem a farra em aproximadamente 95% destas, não deixando muito espaço para as produções nacionais que perde em muitos outros aspectos e por isso fica esta luta desigual.

Deixe o seu comentário