10 estudos científicos que estragam a nossa alegria

Natasha Ramanzoti, no HypeSciense

Ah, a ciência. Essa coisa maravilhosa que salva vidas, inventa as coisas mais incríveis, facilita nosso dia-a-dia e… estraga toda nossa diversão ao repetidamente declarar que não podemos comer hambúrguer todos os dias.

Confira dez estudos científicos “estraga-prazeres”:

1 – COMPARTILHAR A CAMA COM O SEU CÃO OU GATO É UMA PÉSSIMA IDÉIA

Segundo um estudo da Universidade da Califórnia em Davis (EUA) em parceria com departamento de saúde pública da Califórnia publicado em fevereiro de 2011 na revista Emerging Infectious Diseases, dormir com animais de estimação é uma boa maneira de pegar doenças como meningite, ancilostomíase, lombriga ou outra infecção bacteriana. Donos de bichinhos podem contrair doenças quando eles lambem sua boca ou uma ferida aberta, por exemplo.

Nós já sabíamos disso, mas que é um estraga-prazer, é. Toda vez que você quiser agarrar o seu cãozinho num ímpeto de fofurice vai lembrar do homem do estudo cujo cão dormia debaixo das cobertas com ele, lambeu sua ferida no quadril e lhe deu meningite. Ou do menino de 9 anos cujas gato infestado com pulgas lhe passou a praga.

Se você é daqueles que não vai deixar de ter seu animal de estimação por perto, mantê-lo saudável com visitas regulares ao médico veterinário é recomendado.

2 – EXERCÍCIO NEM SEMPRE LHE AJUDA A PERDER PESO

Comeu um pedaço de bolo a mais? É só fazer exercício físico como um desesperado no dia seguinte, certo? Errado. Dois estudos recentes lançaram dúvidas sobre a teoria de que o exercício nos ajuda a perder peso. A taxa metabólica basal de uma pessoa, que determina quantas calorias se queima diariamente, cai conforme você perde peso, mesmo com exercício físico diário. Conclusão: comer menos leva à maior perda de peso de forma mais rápida do que aumentar a carga de exercício físico. Ainda assim, exercício regular é importante para a saúde em geral.

3 – TUDO DESLIGADO À NOITE

Exposição crônica à luz durante a noite foi associada a um risco aumentado de câncer de mama, obesidade e depressão, o que significa que temos que manter a televisão, o computador e o telefone desligado à noite. Aham. Se eu tivesse que adivinhar, diria que 99,9% das pessoas utilizam esses aparelhos antes de dormir.

A exposição à luz artificial antes de dormir também perturba os ritmos naturais do corpo, e suprime o hormônio melatonina, que promove o sono, de acordo com a Associação Médica Americana. Vários grupos médicos já adotaram uma política de reconhecer os efeitos adversos da exposição à luz excessiva durante a noite, incluindo o uso prolongado de vários meios eletrônicos.

4 – BRONZEAMENTO ARTIFICIAL É VICIANTE

Horas e horas no sol usando protetor solar ou bronzeamento artificial? Quem não escolheria a alternativa mais rápida e prática se pudesse? Acontece que, como todos os outros “caminhos fáceis” da vida, pode se tornar um vício. As pessoas que usam câmaras de bronzeamento mostram mudanças cerebrais nos centros de recompensa do cérebro que imitam os padrões de dependência de drogas.

Spray de bronzeamento pode não ser tão seguro também, já que possui produtos químicos que causaram mutações genéticas em células de laboratório. Estudos em humanos ainda têm de validar esses resultados.

5 – NÃO ASSISTA DESENHOS ANIMADOS EUFÓRICOS

Se você quer um filho calmo ou que possa ser controlado, garanta que ele assista programas e desenhos mais “lentos”. Para crianças de 4 anos de idade, observar apenas nove minutos do desenho animado “Bob Esponja Calça Quadrada” comprometeu sua capacidade de aprender e de se comportar com autocontrole. As crianças que assistiram desenhos mais calmos ou que se entretiveram desenhando não mostraram o mesmo efeito. O estudo da Universidade de Virginia (EUA) mostra que desenhos animados agitados podem ser prejudiciais ao comportamento infantil. Ele foi detalhado na edição de 12 de setembro de 2012 da revista Pediatrics.

6 – REFRIGERANTE LITERALMENTE ENGORDA

Está finalmente confirmado: bebidas açucaradas lhe dão gordura. Seja limonada, refrigerante ou suco de fruta, crianças, adolescentes e adultos que ingerem até mesmo quantidades modestas de bebidas açucaradas ganham excesso de peso, de acordo com três estudos publicados na edição de 21 de setembro de 2012 do New England Journal of Medicine.
A novidade é a constatação de que, se os seus genes o colocam em um risco acrescido de obesidade, você é mais propenso do que outros a engordar (e mais) a partir de bebidas açucaradas. Descobertas como essas podem fazer com que mais cidades do mundo imitem o comportamento de Nova York, que recentemente proibiu a venda de bebidas açucaradas no tamanho “grande” (aqueles copos “imensos”).

7 – VITAMINAS AUMENTAM O RISCO DE MORRER

Esses resultados vêm da soma de estudos com mais de 200.000 pessoas: não só suplementos vitamínicos não fazem nada para prolongar a vida, como também parecemativamente aumentar o risco de morte, ainda que indiretamente. A conclusão dessa revisão da The Cochrane Collaboration de 2010 foi tão surpreendente que outros pesquisadores resolveram confirmá-la com mais tempo de estudo. E confirmaram: vitaminas criam “invulnerabilidade ilusória”, segundo o estudo publicado em agosto de 2011 na revista Psychological Science. Por exemplo, pessoas que tomam vitaminas comem mais e pior e se exercitam menos.

8 – NÃO BEBA MUITO CAFÉ

Deixando de lado o efeito ácido em seu estômago, beber muito café é arriscado para a saúde. Quanto café é café demais? Estudos dizem que sete xícaras por dia pode causar ansiedade, irritabilidade, insônia e até alucinações. Beber 10 ou 11 xícaras diárias ligeiramente aumenta o risco de insuficiência cardíaca.

No entanto, algumas pessoas carregam mutações genéticas que aumentam o metabolismo da cafeína. Outros têm uma peculiaridade genética que permite a decomposição da droga. Assim, quão rapidamente você metaboliza o café é que vai determinar o risco da bebida para a sua saúde.

Dito tudo isso, vale lembrar que o café é assunto bem polêmico no meio científico, com diversos estudos falando bem ou mal do coitado.

9 – CAMAS ELÁSTICAS NÃO SÃO SEGURAS

Se você está pronto para pular como um condenado em uma cama elástica, pense bem antes de fazer isso. Um estudo feito pela Academia Americana de Pediatria revelou que esses “brinquedos” não são seguros, especialmente para crianças com menos de seis anos. Segundo levantamentos feitos pelo estudo, cerca de 32 a cada 100.000 pessoas se ferem gravemente em camas elásticas.

As lesões mais comuns são entorses, distensões, contusões, fraturas e lesões de tecidos moles. Embora menos comuns, ferimentos na cabeça e no pescoço foram os mais graves, responsáveis por mais de 10% de todas as lesões relacionadas à cama elástica.

Embora existam especialistas que digam que o brinquedo é seguro, outros garantem que a cama elástica não deveria sequer ser considerada um brinquedo, e desencorajaram fortemente seu uso, principalmente por parte de crianças.

10 – FLAVORIZANTE DE MANTEIGA EM PIPOCA PODE CAUSAR ALZHEIMER

Ah não! Não me diga que teremos que parar de comer pipoca? Não por enquanto. Mas cientistas realmente têm uma péssima notícia: o flavorizante que dá o saber amanteigado à pipoca e outros alimentos e bebidas pode causar doença de Alzheimer.

O aromatizante químico, diacetil, é comum também em margarinas e óleos comerciais. Ele já era conhecido por danos causados ao pulmão de pessoas que trabalham em fábricas de pipocas para micro-ondas, até que um novo estudo da Universidade de Minnesota (EUA) mostrou que também pode ser altamente prejudicial aos consumidores.

O composto estimula o acúmulo de proteínas beto-amiloides, que ajudam a desenvolver Alzheimer. Além disso, o diacetil impede uma proteína-chave, o glioxalase, de chegar ao cérebro, o que diminui a proteção das células nervosas e pode aumentar o risco de desenvolvimento da doença.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for 10 estudos científicos que estragam a nossa alegria

Deixe o seu comentário