Uma oração por Marco Feliciano


Pastor e deputado Marco Feliciano, um homem que precisa mudar também por dentro.

Tom Fernandes, no Pequenos Dramas

“Não é que nem negro que nasce negro e não tem como mudar. ‘Homossexualismo’ pode ser mudado”, disse o pastor Marco Feliciano.

Diante de mais essa declaração, é óbvio compreender que, se pudesse, o digno pastor e deputado, mudaria os negros para compleições mais, digamos, aceitáveis.

Não sou psicólogo, mas essa declaração pública dada pelo deputado/pastor, somada às anteriores dadas por ele sobre os negros biblicamente amaldiçoados, se contextualizada com a progressiva “higienização” de sua aparência (em pouco mais de um par de anos foi de mulato bronzeado, cabelo pixaim e feições másculas para um ser andrógino, esbranquiçado de cremes, cabelo alisado e tingido, sobrancelhas desenhadas, lentes de contato azuis etc.), isso tudo mostra que há, no mínimo, um sério problema de autoestima corroendo o nobre deputado.

Sei que várias lutas que travamos contra os demônios exteriores são apenas reverberações das lutas que travamos (e perdemos) contra nossas incongruências mais íntimas. Não sei se há apenas esse problema a afligir a alma do cidadão Marco Feliciano. Não sei se há mais em suas lutas contra grupos e segmentos da sociedade. Sinto pena dele, não do estapafúrdio personagem vilanesco que criou, sinto pena do homem grande preso em cadeias de alma pequeninas.Desejo, e oro até, para que o ser humano Marco Feliciano se encontre um dia em paz consigo mesmo, aceite o que vê no espelho da alma, largue tanta violência contra gays, negros e professantes de outras crenças e passe, então, finalmente a militar para que tantos outros tenham paz e vida e vida em abundância.

p.s.: Não sou de escrever sobre pessoas aqui, mas a angústia existencial desse homem me deixou por demais perplexo. Deus tenha piedade de sua alma.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Uma oração por Marco Feliciano

2 Comentários

  1. Sei que não devia,mas já perdi a paciência com esses caras que fizeram seminário ou não, mas se denominam pastor. Pastor de que? Pobre homem. Não sabe ou esqueceu ou o que é pior, resolveu deixar de viver para “Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo”. Homem assim não é um imitador de Cristo. Não é bom pastor. O bom pastor dá a vida por suas ovelhas. Aí dos incautos,pois tem a palavra de Deus em suas mãos, mas não leem, não meditam e ainda votam num homem assim.

  2. O Corneteiro disse:

    O “preconceito (racismo e homofobia) internalizado” em Marcos Feliciano é evidente nas palavras, ele consegue “matar” dois coelhos com uma cajadada só, os negros e os homossexuais… e o mais triste é que muitos ouvem este de tipo infelicidade e aceitam como se as coisas fossem normais… alguém disse que “o preconceito caminha com a ignorancia” e isto é verdadeiro em relação a sociedade que internaliza certos conceitos e se acirram em certos grupos dentro desta, e alguns muitos “evangélicos” estão bem afinados nestes termos em muitos procedimentos e condutas com o outro (não igual) que não querem enxergar ou com a visão tacanha de mundo a que se submetem (através de doutrinas estranhas e certos tipo liderança) e que escolheram pra si.

Deixe o seu comentário