Em Manaus, alunos evangélicos se recusam a ler obras como “Macunaíma” e “Casa Grande Senzala”, dizendo que os livros falam sobre “homossexualismo”

Polêmica na escola motivou ida de representantes de Fórum,OAB e MPE
Polêmica na escola motivou ida de representantes de Fórum,OAB e MPE

título original: Alunos evangélicos se recusam a fazer trabalho sobre a cultura afro-brasileira

Maria Derzi, no A Crítica

O protesto de um grupo de 13 alunos evangélicos do ensino médio da escola estadual Senador João Bosco Ramos de Lima – na avenida Noel Nutels, Cidade Nova, Zona Norte -, que se recusaram a fazer um trabalho sobre a cultura afro-brasileira – gerou polêmica entre os grupos representativos étnicos culturais do Amazonas.

Os estudantes se negaram a defender o projeto interdisciplinar sobre a ‘Preservação da Identidade Étnico-Cultural brasileira’ por entenderem que o trabalho faz apologia ao “satanismo e ao homossexualismo”, proposta que contraria as crenças deles.

Por conta própria e orientados pelos pastores e pais, eles fizeram um projeto sobre as missões evangélicas na África, o que não foi aceito pela escola. Por conta disso, os alunos acamparam na frente da escola, protestando contra o trabalho sobre cultura afro-brasileira, atitude que foi considerada um ato de intolerância étnica e religiosa. “Eles também se recusaram a ler obras como O Guarany, Macunaíma, Casa Grande Senzala, dizendo que os livros falavam sobre homossexualismo”, disse o professor Raimundo Cardoso.

Para os alunos, a questão deve ser encarada pelo lado religioso. “O que tem de errado no projeto são as outras religiões, principalmente o Candomblé e o Espiritismo, e o homossexualismo, que está nas obras literárias. Nós fizemos um projeto baseado na Bíblia”, alegou uma das alunas.

Intolerância gera debate na escola

A polêmica entre os alunos evangélicos e a escola provou a ida de representantes do Fórum Especial de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros do Amazonas, da Ordem dos Advogados do Brasil, secção do Amazonas, e do Ministério Público do Estado.

Para a representante do movimento de entidades de direitos humanos e do Fórum Especial de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros do Amazonas, Rosaly Pinheiro, a problemática ocorrida na escola reflete uma realidade de racismo e intolência à diversidade. “Nós temos dados de que 39% dos gestores e alunos das escolas são homofóbicos. Essa não pode ser encarada como uma oportunidade para se destacar um fato ruim, mas sim uma oportunidade de se discutir, de uma forma mais ampla essas questões com os alunos”,disse.

Para a representante do Ministério Público, Carmem Arruda,a situação também deve ser encarada como uma oportunidade de esclarecer a comunidade.“É uma chance de discutir a diversidade e uma oportunidade de contruirmos uma conscientização junto não apenas aos alunos, mas sim às famílias que serão fazem refletidas junto a comunidade”.

Representante do Fórum pela Diversidade da OAB/AM, Carla Santiago, ressaltou que o episódio não era para ser encarado como um ato que fere os direitos de negros, homossexuais, mas sim um momento de conscientizar os alunos sobre a etnodiversidade. A conversa entre os diversos segmentos envolvidos prometia uma nova rodada, mas até o fechamento desta edição estava mantida a posição da escola de cobrar o trabalho original passado aos alunos pelo professor de História.

foto: Odair Leal

dica do Max Walter

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Em Manaus, alunos evangélicos se recusam a ler obras como “Macunaíma” e “Casa Grande Senzala”, dizendo que os livros falam sobre “homossexualismo”

90 Comentários

  1. Creuza disse:

    Ignorância pouca é bobagem!

  2. João Tertuliano. disse:

    Porque que os ativistas governamentais que representa essas etnias culturais querem impor-se tão radicalmente aos costumes familiar, e religioso, querem uma mudança na base do vai ou racha, e não querem que aja nem uma resistência?
    Afinal, estamos em uma democracia ou não? Esses alunos esperam da educação algo que lhes possa trazer conhecimentos, e não mudanças de costumes que venham ferir as bases familiar!!

    • No meu entender é exatamente o contrario. Os evangélicos querem, de qualquer maneira, impor sua crença ao resto do mundo. Aproveitam a simples leitura de livros pedagógicos para radicalizar na imposição de sua crença.

      • tamy disse:

        Negativo. A crença religiosa já existe muito tempo antes de até mesmo jesus nascer. As diferenças de gênero começou depois que o homem começou a querer fazer tudo aquilo que Deus não permite, ou seja, ante natural.

      • Ramiro disse:

        Concordo com seu pensamento. Eles ( os ditos evangélicos), se posicionam de forma radical e embasados em nada, além de se sentirem especiais e melhores que os outros.
        Na minha opinião, não fez o trabalho escolar….reprova!!!

        • Wesley disse:

          Ninguém é obrigado a fazer trabalhos escolares que de algum modo ou meio venha a interferir com os ensinamentos da palavra de Deus.

          • Sandra disse:

            Então, basta o aluno dizer que é Cristão e não precisa fazer qualquer trabalho que contenha qualquer fato que seja contrário aos ensinamentos evangélicos…
            Absurdo!

          • Matheus disse:

            Claro que é! A escola é laica, livre de religiões. Sua religião não é a única que existe.

    • Andrio Ricardo disse:

      O trabalho em questão, até onde entendi, não forçava ninguém a mudar de religião ou algo do tipo, simplesmente mostra uma parte importante da história brasileira, que ao meu ver, todos devem conhecer, e deve ser por isso que está na grade de ensino.

    • João, ler Macunaíma e Casa Grande e Senzala ou fazer um trabalho sobre cultura afro- brasileira não muda os costumes ou fere a base familiar de ninguém. Muito pelo contrário, conhecimento só agrega, torna uma pessoa mais crítica sobre a sociedade em que vive e especialmente a literatura torna as pessoas mais empáticas. Ter feito o trabalho sobre cultura afro-brasileira não fere a crença religiosa de ninguém, só abriria a mente dos alunos para outras crenças que são diferentes da sua. O mundo é que grande demais para que haja uma só verdade religiosa. E aliás democracia não é deixar de fazer um trabalho que aparentemente vai contra sua religião. E fazer um trabalho por conta própria sobre as missões evangélicas na África? Muitos lugares desse continente sofreram uma lavagem cerebral de missões religiosas que demonizaram as crenças que essas tinham, em troco de que? Aceitar Deus!. Basta ler O mundo se despedaça de Chinua Achebe e Hibisco roxo da Chimamanda Ngozi Adichie para saber do que euestou falando.

    • Thais Pio disse:

      Uma obra literária como Macunaíma não é um repositório de moral, João Tertualiano. É uma obra de arte, um instrumento de perfeição estética, que dialoga com a sociedade, que a representa. É de uma estupidez incomensurável assumir que a leitura de Macunaíma promova uma mudança nos “costumes familiares”. É um racismo e um etnocentrismo encobertos por um discurso pretensamente religioso que emburrece as pessoas, que as restringe a uma única visão de mundo. A escola não pode endossar essas exigências sob o argumento da “pluralidade de visões de mundo” porque isso é tudo, menos pluralidade. Não inverta as coisas, rapaz! Não chame de democrática a atitude de alguém que deliberadamente se recusa a aceitar a existência e importância da cultura de mais da metade dos brasileiros.

    • sandra narezzi disse:

      Concordo plenamente com vc! Os evangélicos é que querem impor seus dogmas, pensamentos, e atitudes, sempre discriminando os seres humanos que não são como eles e tem outra opção, sao uns doentes e autoritários! Tenho nojo desse tipo de evangélico! Me faz lembrar Hitler qdo wueria a raça pura e começou a matar todos que não se enquadram no perfil que eles escolheram! Noooojoooo!

      • Paula disse:

        Os evangélicos não, alguns, não se pode generalizar, fanatismo tem em toda denominação. Não vamos esquecer na última parada gay o desrespeito com Deus, problema que assim como alguns fanáticos querem empurrar literalmente o que eles seguem, os grupos de outras denominações religiosas e de opção sexual tb querem fazer isso, logo que alguns. Basta ligar a televisão que toda novela tem algo assim, querendo mostrar que tal coisa é normal. O que está faltando é cada um seguir o que quer e respeitar o outro.

      • Gustavo braga disse:

        Sem falar que eles próprios são depravados debaixo dos panos e quando um deles é exposto como um amigo apredejam sem piedade.

        • Osiel disse:

          Comentario tendencioso, discriminatório. É esta a visão dos que querem impingir valores ideologizados e agem com raiva irracional, contra quem não aceita a imposição antidemocrática. Acusa um segmento de 50 milhões de brasileiros sem nexo racional extravasando ódio e cristofobia. Chama a todos de depravados, “a boca fala daquilo que o coração está cheio”.

    • Maria Júlia Vieira Corrêa disse:

      João Tertuliano se a ” base da sua família, da sua sexualidade, da sua religiosidade” for realmente estruturada, forte e principalmente verdadeira, nada, muito menos uma obra literária vai abala-la. Certo???!!! Ou você tem alguma dúvida???!!!

    • Antônio Marcos Conceição disse:

      Porque os fundamentalistas religiosos exigem o respeito à diversidade, liberdade e democracia ao mesmo tempo que não aceitam os que pensam de outra forma e praticam outras religiões?

    • Fabio disse:

      Ferir bases familiar? Como vem sendo feridas as famílias que tem homossexuais como irmãos (ãs), filhos(as), … Como vem sendo feridos por alguns religiosos fanáticos (não são poucos) os homossexuais que tem amor, tem condições para criar filhos e seus direitos são ultrajados? … Heterossexuais que traem, enganam, mentem nas relações, muitos destes frequentadores de igrejas, templos e centros. Oras, a base familiar deve ser o respeito. Isso as pessoas tem com ou sem religião, lendo livros ou a Bíblia, pouco importa. Se as criaturas aí não querem fazer um trabalho , dá um zero pra elas e bota para patinar na repetência. Ficar com dogmas, crendices, balela contra a ciência e contra quem não quer evoluir para melhor numa sociedade é o que não dá. Chega de falso moralismo.

    • Viviane Rosana disse:

      Entender que existem outras formas de pensar o mundo também tem a ver com conhecimento. Conhecer e respeitar outras culturas têm a ver com conhecimento. Impedir esses alunos de conhecerem algo que vai contra o que prega suas religiões só mostra como seus conceitos são arcaicos e muito fáceis de serem contraditos. Impedir essas crianças de conhecerem o mundo e suas diferentes culturas – não, eu não acredito que essa decisão não tenha influência dos adultos que os “orientam” – só mostra que vocês é que não entendem nada de democracia. Pensadores não são bem vindos nesses nichos, por isso precisam e valorizam tanto seus pastores.

    • Anti crentelhos disse:

      Na verdade vcs evangélicos que querem mudar o ensino e ridicularizar culturas diferentes, e se VC estudou, o que duvido, era a mesma ideologia do ku kux Klan, Hitler e estado islâmico, ou seja, crentes e islamicos são separados apenas por alguns anos de fanatismo.

    • José Luís disse:

      Concordo com vc!

    • Karina disse:

      Desde quando ser negro,homossexuais ou ter outra religião feri a base familiar, acho isso muita IGNORÂNCIA da parte de pessoas evangélicas que se acha acima de tudo não se esqueça quando você morrer vai feder do mesmo jeito e se acha que vai para o reino do céu está muito enganado vai para o inferno porque segundo os mandamentos de Deus temos que amar o próximo como a nós mesmo por este motivo não vejo Deus aceitando este ato racial

    • Carlos disse:

      “Haja” é do verbo “haver”. Portanto, começa com “h”.

    • Magali Novo disse:

      Democracia tem por princípio respeitar as diferenças e conviver com elas. O q os alunos fizeram foi exatamente o contrário. Recusar-se a fazer um trabalho como este é admitir o preconceito e perpetuar a intolerância religiosa, de achar q somente a sua religião é a correta. Que tenhamos sabedoria para discutir esta questão.

    • Julia Pastore disse:

      Kkkk!

    • LeonardoNome disse:

      Você não acha que assuntos da religião deveriam ser tratados e decididos exclusivamente dentro das igrejas, e assuntos escolares deveriam ser tratados e decididos exclusivamente dentro das escolas? Por que qual é o direito do professor de decidir a forma como o seu pastor te orienta, bem como qual é o direito do pastor de decidir a forma como o seu professor te orienta? Não misture as coisas, até porque se essas “bases familiares” podem se abaladas pela simples leitura de um livro, é porque na verdade não podem nem ser chamadas de base! Menos fanatismo e mais educação!

  3. Guido disse:

    Uma idiotice dessas não é digna nem de discussão. Se fosse na Ditadura, ou eles faziam o trabalho interdisciplinar ou sairiam da escola. Intolerância gerando intolerância. Na chibata. Naquela época estudávamos OSPB (Organização Social e Política Brasileira, seria?) e EMC (Educação Moral e Cívica, seria?), mas tínhamos que estudar. Do jeito que eles nos passavam e todos ficamos caladinhos. Mas tambem li O Guarani, Iracema e muitos outros clássicos. Sei não, Democracia… Será que estamos preparados, com um pessoal desses, que só olha para seus próprios umbigos, chutam imagens de santos católicos e dizem que quem não está com eles está com o diabo?

    • Osiel disse:

      Chibata, e agressividade da sua manifestação mostra exatamente quem é intolerante. E mais, li todos estes clássicos, e gostei, mas têm interiorizado, racismo, fobias, não sou eu quem disse. Além disso, sugiro ler o qual a proposta da BNCC (já postei resposta detalhes). Vai ver que a posição dos alunos vai além de radicalismo religioso, é defesa do direito do contraditório, que algumas escolas já estão impedindo a seus alunos e mm professores. Não dá para escrever mais. Menos ódio, mais democracia.

  4. vandeirsantos disse:

    Eu acho assim que esxistem pessoas que nao gostam dessa grupo.eu nao sei a razão e o porque,essa foto postada eu tenho certeza que nao foram nenhum deles que postarão,ta na cara que isso é uma montagem,porque isso acontece com varias pessoas,entretanto com esse grupo que sonhou um dia com essa concretização de grupo entao,aguns pastores são tão ingenus com o que pensam e se deiam elevar,agora noa tem nenhum cabimento esse grupo crescer tanto que cresceu e depois terminar assim se rebaixando no ponto de denigrirem suas proprias imagens mas a pessoa que fez isso vai prestar conta com Deus
    esse grupo sempre e será um grupo referencial de Deus.

    • Mota disse:

      ?????direitos??????com essa opinião eles desrespeitam a tudo e a todos, temtam impor algo plantado pelos pais e pastores em um claro desrespeito as outras religiões, raças etc e vc vem nos falar de direitos………

  5. Manuel Lima Junior disse:

    Deviam ser menos ignorantes estes evangélicos! ! A cultura faz parte da bistoria de um povo. Que povo é esse. Ridículo eata atitude. Issl nao é de Deus e sim do capeta

  6. Ana Naiara Malavolta Saupe disse:

    Estudei em uma universidade católica e, apesar de ateia tive ensino religioso como disciplina obrigatória. Não vejo como a ideia de conhecer a perspectiva do outro, mesmo que seja contrária a minha, possa ser prejudicial quando se trata de cultura. Fundamentalistas tendem a ter uma visão restritiva de direitos. Ok, isso pode valer para as suas vidas, se assim desejam. Mas a recusa de leituras ou de entrega de trabalhos não se justifica, fere, inclusive, a ordem da própria escola. Condenável seria a escola retirar livros do currículo porque contrários a qualquer doutrina religiosa, porque isso seria, considerando o número de religiões existentes, inconciliável. Vivam ardentemente suas religiões! Contestem, com argumentos, os trabalhos, mas não queiram restringir nossa cultura as suas crenças, porque pode chegar um momento – que deus nos livre, usando uma expressão idiomática – em que uma religião maus forte pode querer se impor sobre a tua crença! Aí estaríamos perdidos!

  7. felipe disse:

    Dá nota 6,66 pelo trabalho pronto e acaba o problema. Intolerância gera “….”

  8. Chico Lobo disse:

    Quando se confunde historia e cultura com religião algo está acontecendo de errado.

    O que a escola propôs foi o estudo de uma cultura… isso não significa pregar uma religião… mas a ignorância de certos “crentes” é tanta que chegam a não admitir a existência de outra história ou outra cultura.

    Sim, certos “crentes” são estúpidos demais para entender a diversidade cultural e a história alheia.

  9. Maycon Lucio disse:

    Isso que as igrejas evangélicas ensinam intolerancia, precomceito e só ajudan no emburecimento cultural do povo isso é um absurdo ver jovens mostrando claramente que sua bagagem cultural e muito pequena, igrejas evangélicas hoje em dias tornam a mente de seus seguidores cadê vez menor nenhuma outra religião impede o conhecimento ou proibe penas a evangélica faz isso em nome da ignorancia e interesse próprio não em nome de deus ou do amor

  10. Jaqueline disse:

    Que belos racistas são os evangélicos… Pregam o que acham que sabem… e criticam o restante… São pessoas ignorantes de conhecimento…

  11. Luna Elizabeth Matos disse:

    Essa bomba de efeito religioso radical, nem Jesus Cristo esperava! Intolerância,preconceito e ódio sob a capa de um livro sagrado por quem crê, mas nem por isso o único a ser lido! O mundo precisa da nossa leitura cotidiana da realidade e do entorno dos sujeitos histórico que “todos” somos

  12. Eliana Vieira Butel disse:

    Estes jovens, nada mas são do que reflexo doa de pais são os pais deles que devem aer punidos, o projeto deles apresentado a escola com certeza e do pastor.

  13. Leonardo disse:

    Devem ser reprovados no ano letivo e pronto. Fim de papo. Quando você pergunta a alguém: Qual é seu grau de instrução? E a resposta é: O que é instrução? O papo acabou. Pessoas ignorantes, que querem se manter ignorantes tem que ser mantidas as margens da sociedade, em sub empregos e em lugares que tenham somente o mínimo de desenvolvimento, até morrerem para dar lugar a outras que tenham vontade de saber mais e conhecer mais. Não devemos gastar recursos com esse tipo de gente a não ser o mínimo possível para que eles existam com o mínimo de dignidade.

  14. Beatriz disse:

    A primeira questão a ser levantada é que costumes familiares se aprende em família, religião se aprende na igreja, e educação geral se aprende na escola. Nunca acreditei em Deus e nem por isso fui isenta das aulas de religião, porque elas faziam parte do currículo escolar. Quando me recusava a qualquer atividade tirava Zero e assumia as consequências da minha decisão. Não tenho dúvidas de que a interação escola-alunos-pais só contribui para uma escola melhor, mas não se mudam as regras no meio do jogo.

  15. […] Em Manaus, alunos evangélicos se recusam a ler obras como “Macunaíma” e “Casa Grande Senzala… […]

  16. Maria Júlia Vieira Corrêa disse:

    Impressionante a lavagem cerebral que essa religião causou nesses universitários.
    E se dizem evangélicos (aquele que segue o evangelho).
    Quanta ignorância Senhor!!!

  17. Jeovane disse:

    Conheceis a verdade e ela vos libertará. ..Não conhecem nem a palavra cristã.

  18. Geraldo Moreira Prado PhD disse:

    A mediocridade tomou conta deste pais. Sou historiador e antropologo, estudo religioes, moralismo e esses pessoas que ficam dizendo isto e aquilo da homosexualida devem ter desvios dexuai alem de serem praticantes da matrubaçao. Essas pesseoas sao extremamente incompetentes para falar zobre quaquer aszunto cientifico, et melhor ficarem calados do que usando gratuitamente as redes socias para falarem asneiras.

  19. Eric disse:

    Os alunos estão certos!
    A Escola deve ensinar disciplinas que agreguem conhecimentos para uma vida profissional e não ensinar mudança de costumes e tradição das famílias!

    • Alan disse:

      Desde quando ler uma obra de arte vai mudar tal base familiar (que, se levarmos em conta que são evangélicos e que tem pai matando filha, é até bom que mude mesmo)?

      A escola tem de ser universal, ensinar o máximo que puder, abrir cabeça e coração e não ensinar intolerância, pedantismo, arrogância e ampliar a ignorância, como querem estes alunos.

  20. Luana disse:

    Absurdo, se dizem tão dedicados a palavra que nem se dão conta, como é mesmo…” amar ao próximo como a ti mesmo “. O amor de Cristo é sem preconceito, discriminação, cor ou nação, ele só quer nosso amor puro e simples! Vocês evangélicos deviam abrir as suas mentes um pouco e espalhar o amor de Cristo não o que é mais conveniente para vocês. RESPEITEM PARA SER RESPEITADOS!

  21. Alysson Feijó disse:

    Reprovo!
    Reprovo!
    E reprovo!
    Zero bem grande para vocês!

  22. Edivaldo disse:

    E se fosse o tema de redação para Enem? Não iriam fazer a prova? Acham que tem direito em tudo, estão esquecendo dos seus deveres.

  23. Bruno disse:

    Livros que estão a gerações nas escolas, crianças acham que sabem o real significado deles?…..obviamente que não …..está geração só entende oq é “manda nudes” pelo wats app……e ainda acham que entende sobre literatura?…..o único livro q conhecem pelo jeito é a bíblia, não discordando do que o livro da humanidade diz…..mas foi traduzida pelo homem e o homem a traduziu da forma que achou melhor para si mesmo, não colocando o real conteúdo do que estavam nos pergaminhos, mas voltando…….creio sim que estas influência da religião , oq está faltando nas escolas é ter o mesmo ensino da época dos meus país……reguada nas maos, castigo para os angraçadinhos dar autonomia aos professores não aos alunos

  24. Jota disse:

    Isso é ridículo. Imagine só, esses chamados neopentecostais já estão ditando a grade educacional: começa por História, depois passa para outras matérias como Biologia, proibindo a evolução, etc. Depois vão expulsar quem não “adora”
    Jesus. E aí, quem é que tá praticando intolerância? A escola ou eles?

  25. Adriano disse:

    Um valor que aprendi com meus pais e que passo para meus filhos é que o adulto presente, é a autoridade máxima. No lar, os país, e na escola com certeza o professor devem ser respeitados e obedecidos. O aluno só tem duas escolhas, fazer como foi pedido ou não fazer, nesse último caso, cabem as punições. Tudo é conhecimento, tudo agrega. A grade escolar foi desenvolvida por mestres, nada que vem de lá poderia desestruturar uma base familiar, a não ser que seja muito fraca. O respeito deve ser mútuo.

  26. regina disse:

    eles são doutrinados a crer que que as religiões de matriz afro ou indígena praticam satanismo e não sabem que ao contrário satanismo ou demônio são deidades do lexo judaico-cristão sem qualquer relação com estas religiões, que por sua vez não possuem deidades equivalentes pois trabalham com base em outro conjunto de significados.

    • Willi disse:

      É muito fácil julgar a intolerância do outro e não ver nossa própria intolerância! Acho que esses alunos tem direitos sim e merecem respeito por sua religião. Da mesma forma que um grupo de religiosos afros descendentes e homossexuais tem todo o direito de se recusarem a ler textos evangélicos. Agora vamos fazer um exercício? Se a situação fosse o contrário, como coloquei no final, causaria tanta estranheza? Eu n entendo porque sempre os evangélicos devem baixar a cabeça e vestir carapuças que não são suas. Vi aqui nos comentários, falas extremamente preconcetuosas.

  27. Marília disse:

    É, João Tertuliano, vá ser ignorante longe desse blog. Parabéns aos comentários seguintes que fizeram o João se arrepender do relato infeliz de sua opinião intolerante, ignorante e idiota (nunca é tarde para rever seus conceitos).

  28. Carmen Silvia G Ballaben disse:

    Como ha´ ccomentários datados de 2012, gostaria de saber o qual foi a decisão tomada sobre o assunto, uma
    vez que pressupondo viver num país de mocrático e com liberdade religiosa. Portanto, nenhum pastor, padre, pai-de-
    santo, rabino ou instrutor de qualquer tipo de credo ou religião, devera´dar palpite no que se ensina nas escolas,
    com relação a qualquer matéria.

  29. Janderson disse:

    Bando de jeguinhos (kkkkkkkk), nessa idade e já alienados. Quando a gente pensa que esses futuros jegues (ops, jovens) serão o futuro da nação, imagino já o buraco que o país estará daqui pra frente, pior do que já se encontra. Lamentável.

  30. Joelson Gomes disse:

    Primeiro a generalização dos comentadores preconceituosos abaixo dá medo e pena, sempre colocam evangélicos como bixos o que mostra a falta de cérebro de quem faz tal comentário. Segundo, se os alunos quiserem um projeto, trabalho, seminário, ou coisa que o valha sobre os evangélicos, ou sobre a Bíblia, serão aceitos? Não. Isso não pode. Mas, sobre viadagem, máxima, etc, pode. Ah, facam-me um favor. Depois Eles é que são preconceituosos?

  31. loanda medeiros disse:

    Bando de ignorantes. Detesto esse tipo de atitude. Me sinto inojada Desse tipo de gente

  32. Marco Plá disse:

    É no campo da religião,onde mais ign orância permeia,vejamos na idade média(idade da trevas)quanto a igreja católica atrasou a ciência com dogmas bobos e atrasados,agora em pleno séc.XXI uma parte grande das seitas e religiões evangélicas,querem que seus adpetos tomem o trem retrógado da ignorância outra vez,eu desconfio de pastor que anda de carro inportado,enquanto seus seguidores passam nescessidades e as vezes nwm tem onde morar.

  33. Tatiane costa disse:

    Pelo que entendi eles não estavam querendo impor nada,apenas se recusaram a fazer um trabalho que vai contra seus princípios.Afinal,onde fica a liberdade religiosa,étnica,de expressão que temos direitos?Eles também não possuem?

  34. Michael Souza disse:

    Todos vivemos conforme o que acreditam como verdade, simples assim. Uns crêem no Evangelho que tras uma cultura da parte de Deus, Jesus e o Espírito Santo e outros crêem na cultura da sociedade na qual foram inseridas, porque de onde vêem essas ideologias senão ao meio do qual estão inseridas. Infelizmente todos os meios são corrompidos seja o Evangelho, seja a Sociedade. Certo é que independente do meio que estamos inseridos é que chegará o dia em que daremos conta individualmente pelas nossas ações, que para os Evangelicos são diante de Jesus Cristo e para a sociedade diante da própria sociedade. “As tuas ações dizem quem você é, e no que você tem como verdade”.

  35. Antônio disse:

    A estupidez é a Mãe das desgraças.

  36. Barbara de souza disse:

    Raça de víboras na conseguem perceber o que estao falando!!d Nossa religiao nao quer impor nada a vcs! Pregamos a verdade e esse alunos fizerem bem, estao fazendo a diferença nessa geraçao corrompida e imunda!!! Que Deus tenha misericordia de todos!

  37. Valter disse:

    Acredito que um trabalho baseado na historia afro brasileira e suas crenças e culturas nao vai influência na mudança em nada na minha fé em deus pois saber que deus e muito maior que historia folclore e cultura em geral , sou cristão católico e gosto de historia já fiz trabalho de escola sobre a historia da igreja e suas mudanças em diferentes nações ex: da fase Lutero que dividiu a fé tradicional pela o protestantismo então outras pessoas que nao segue sua fé cristo em deus de um so espirito santo, também estuda sobre e faz trabalho com a historia da nossa igreja e fé por que nao deixar o egoísmo e também fazer pesquisas e trabalho escritos sobre a fé e cresças de outras pessoas tudo e história que gera conhecimento pessoal e agrega muito informação para currículo pessoal e evolutivo para que possamos viver em uma sociedade mais tolerável e melhor

  38. André Alcantara disse:

    Sinceramente? Esses “crentes” não sabem nem mesmo de onde vem a origem cristã-evangélica e querem repudiar obras literárias que pertecem as obras clássicas brasileiras e até mundiais? Por onde esse povo anda? Leiam a Bíblia em suas casas, “em secreto” falem do amor de Deus para quem eles acreditam que devem ouvir, mas, por favor, a literatura brasileira merece respeito. Intolerantes, esse ditos “evangélicos”! Vão procurar o que fazer, vão orar! Tenho certeza que ganharão mais. Se não quiserem, vão estudar em uma escola evangélica.

  39. Nascimento disse:

    Todas as vzs que faço um trabalho relacionado a questão étnica e a diversidade ,sinto essa intolerância na pele mesmo estando em um espaço educacional vejo e sinto o tamanho do problema q nos acomete dentro desse segmento,isso é rídiculo dentro de uma escola a desvalorização ao diverso por um meio religioso. Penso q a tendência é piorá mas enquanto houver carnaval a cultura brasileira será mostrada pró mundo ver apesar de uns insensíveis a ela ao que temos de mais valioso nossa diversidade e identidade.chega de lavagem cerebral religiosa

  40. Edlene disse:

    Tanto no Eca quando na lei da liberdade religiosa há Amparo para estes alunos e família.
    Ninguém é obrigado a nada neste mundo.
    E é contra o “direito do leitor ” essa imposição.
    Todo leitor tem o direito de recusar uma leitura. Mas, nenhuma obra/livro pode negar/recusar um leitor ou excluí-lo.
    É o leitor que escolhe o livro é ñ o contrário.
    Se o leitor acredita que a obra lhe traz prejuízo tem mais é que ñ ler . A vida é dele.A escolha é dele . Independentemente de quais os motivos.
    Assim como música, roupa etc.
    Eles ñ estão ofendendo ninguém. Só ñ acham querem ler a pronto .
    Quem quer ler, Leia. Quem ñ quer amém.
    Ñ é preciso uma guerra. Desnecessário tudo isso .

    • GLaucia Cristina disse:

      Eles não são leitores, simplesmente, são alunos. Estão na escola. Quem define o que deve ser lido e os trabalhos a serem feitos sãoos professores!

  41. Pedrita disse:

    é um direito deles, qual é o problema? Os TJs, por exemplo, deixam até seus familiares morrerem porque não doam e nem recebem sangue!Os brasileiros têm o direito a seguirem a religião e praticarem a fé que quiserem seja ela qual for e ponto! Não querem estudar a matéria não estudem, que deem a eles outros livros… isso é o que não falta nas escolas

    • Antonio disse:

      Mais é justamente essa a questão, não querem dar outro livro ou qualquer outro tipo de ensino, querem instalar um senso comum de que o homossexualismo é normal, que se os nossos filhos ao verem na rua dois rapazes se agarrando ou dois homens feitos se beijando seja comum, ou duas mulheres, pois digo, isso não é comum e já mais será, pois Deus não aceita, Jesus não aceita, os filhos de Deus não aceitaram, mais nem por isso temos que deixar esses que pecam padecer no pecado, pois também são criaturas de Deus, temos que mostrar a eles que Deus os ama e não quer aquilo pra vida deles, e que ao seguirmos teu ensinamento estaremos buscando a ele, ame a Deus acima de tudas as coisas, segundo ame a teu próximo como a ti mesmo.

  42. Manoela disse:

    Só acho que devemos respeitar,tanto uns quantos outros,tanto os heterossexuais como os homossexuais, tanto católico,tanto evangélico,tem o direito de dizer não, quero fazer algo que fere meus princípios!
    Cada um faz da sua vida o que quiser,mas não venham impor o que devemos aceitar.

  43. Percival disse:

    Isso não é um problema de ordem ideológica ou religiosa, é a velha e nefasta ignorância. Porque esses alunos não lêem e fazer a crítica em basa da na leitura. Antes de falar mal do que não viram. Ninguém está pedindo para serem homoxexuas ou mesmo deixarem de ser homofóbicos. Eles na profunda ignorância se recusam a conhecer as idéias opostas, ate para melhor argimentar no sentido contrario. Como alguém. Pode ser levado a sério assim.

  44. Andrea disse:

    Gente é a ignorância que atravanca o progresso. O que passa na cabeça desses imbecis? No lugar de neurônios, adivinhem? Fezes em grande quantidade. Vão fazer algo de útil pra sociedade.

    • osiel disse:

      Seria interessante vc ler a proposta da BNCC do MEC, para dizer que ‘embasados do nada’. Radicais são os que querem impingir uma História Geral sob ótica ‘bolivariana’ e de ideologia de esquerda sem direito ao contraditório.

  45. Carlos disse:

    Pobre, Brasil. Está voltando à Idade Média sem nunca ter passado por ela.

  46. Pedro Alexandre Gomes disse:

    Francamente, homossexualidade no Guarani de José de Alencar é muita ignorância, isto vem de quem nunca leu daqui um pouco os evangélicos vão escolher o que querem estudar

  47. Margareth disse:

    Sou professora e gostaria de saber por que não respeitar o direito de todos assim como se respeita as intidades e as demais religiões por que não respeitar a liberdade de concordar ou discordar de determinadas coisas de acordo com aquilo q o ser humano acredita, isso sim é violar e induzir a discriminação e até mesmo bullying q a partir de então esses alunos estarão sujeitos a sofrer dentro e fora da escola.

  48. Antonio disse:

    Bando de hipócritas, querem distorcer o que é correto, por coisas vans, coisas do mundo, ensinamentos que não agrega em nada a palavra de Deus, querem passar aos nossos filhos e fazer com que aceitemos a todos custo esses, que cultuam o mau ao demônio, é com essa visão tola de que devemos aceitar, de deixar cada um fazer o que quer, é assim que o mau se instala, vocês que defendem esse modelo de ensino, vão ler a Bíblia, vão para a Igreja para conhecerem a Deus e a Jesus, para não padeceram no fogo eterno pois estão sendo coniventes com o mau

  49. Orlando disse:

    Está – se estruturando e consolidando no Brasil o extremismo religioso pregado pelos evangélicos e focado na intolerância contra a cultura e a religião afro brasileira, portanto racista, e na homofobia. Esta é uma questão seria que te que ser punida severamente nas letras da lei e não tratada suavemente como uma questão de conscientização, pois estes alunos evangélicos e seus mentores pastores milionário estão mais que conscientes das suas ações. Não fez o trabalho solicitado, nota zero, REPROVADO, e pronto!

  50. Queila Anjos disse:

    Mas ler as histórias de luxúria da Andreza Urach é dever religioso. Mas cada um lendo seu exemplar, nada de emprestar pro coleguinha.

  51. Diana disse:

    A escola está corretíssima.

  52. Sthing mautiner disse:

    Seus ingênuos, Deus não existe, vcs estão discutindo sobre algo que e ilusório, que já viu Deus pessoalmente? E nem vai ver, não existe, o que vcs saberm e o que ensinaram a vcs quando desde criança, a biblia foi escrito por vários homens, com muitas opiniões e achivos, não se tem certeza de nada que estar escrito nela, nem os proprios judeus reconhece jusus com o messias, esse mesmo jesus que morreu por eles, se deus existisse, ele teria varrido todo o mal desde o dilúvio, e o que ta eacrito, mas não foi assim, o mal ainda existe na terra, bem eu poderia dar muitos motivos porquê Deus não existe, mas a inteligência humana e muito primitiva para entender.

  53. Paula Regina Savioli disse:

    Melhor nem comentar…

  54. Jessica disse:

    Foram realmente sem sabedoria, agora pior que eles é dizerem 39% dos gestores e alunos são homofóbicos, será que por que me oponho alguma coisa referente a este assunto sou homofóbica?isso sim é ignorância.

Deixe o seu comentário