É preciso amar o trabalho para ser feliz?

“Dê a um homem tudo o que ele deseja, e ele, apesar disso, naquele mesmo momento, sentirá que esse tudo não é tudo.” (Kant)

Martha Mendonça, no Mulher 7×7

Outro dia conversava com uma amiga sobre seu filho de vinte e poucos anos, que dizia-se perplexo com a perspectiva de vir a ser como seus pais: workaholic e estressados. Passamos a conversar, então, sobre as conquistas e frustrações em torno do objetivo de ganhar dinheiro. Afinal, qual é a melhor fórmula? Creio que grande parte das nossas frustrações no plano profissional vêm do fato de que nos iludimos com a ideia de que precisamos fazer algo que amamos no plano profissional. Há uma frase clássica que se costuma dizer: faça aquilo que você ama, e o dinheiro virá. Sinceramente, acho que essa frase leva a equívocos imensos. Passei, como todo mundo, por algumas crises profissionais: afinal, se eu não amar mais o que faço, como seguir em frente? E se eu amar cantar, significa que serei uma boa cantora? E se eu amar escrever, necessariamente serei uma escritora de sucesso?

Minha filha dança balé. Na idade em que ela está – 10 anos – já se percebe o talento para a dança. Ela e suas coleguinhas evoluem ano a ano, mas há algumas que evoluem mais que outras. E, infelizmente, as que evoluem mais não são, necessariamente, as que mais amam dançar balé. Algumas afirmam que serão bailarinas profissionais no futuro, e seus corpinhos desengonçados se esforçam para acompanhar outras que, menos preocupadas com o futuro, têm uma leveza e delicadeza naturais e parece que nasceram para dançar. É claro que aquelas que amam a dança provavelmente se esforçarão mais e, por que não, poderão se tornar excelentes bailarinas no futuro.  Talvez não se tornem a primeira bailarina do Municipal, mas estarão satisfeitas com o que for possível alcançar em suas carreiras, já que amam dançar. Mas o meu ponto é: amar o que se faz não é garantia de sucesso. Ajuda. E para fazer algo bem não é necessário, como regra geral, ter feito aquela escolha por amor.

Em uma das minhas crises ligadas às escolhas profissionais – que fiz, como a maioria, numa época da vida em que ninguém deveria ser autorizado a fazer escolhas tão sérias -, conversei com uma amiga a respeito do seu trabalho. “Mas você ama o que você faz?”, perguntei. E ela, publicitária e autora de três livros de ficção, disse: “Claro que não, o que eu faço é para pagar minhas contas. O que eu amo mesmo é a literatura. Mas escrever não paga as minhas contas”. Sua tranquilidade me surpreendeu, ao não fazer qualquer tipo de associação entre o trabalho e amada literatura.

Conheço biólogos que trabalham como tradutores, historiadores que enveredaram para a publicidade, publicitários que se tornaram psicanalistas, atrizes que dão aula de ioga,  músicos que administram empresas, jornalistas donos de lojas de depilação, passadeiras que queriam ser cantoras, designers que se tornaram estilistas. Muitas vezes o trabalho é aquilo que se gosta de verdade, quando a formação foi uma tentativa de acertar. Outras vezes, o que se estudou era o que se gostava muito, e a atividade que se exerce foi o que as circunstâncias permitiram, ou de onde o dinheiro veio como recompensa por um trabalho bem feito.

O livro “Ame seu trabalho”, do consultor Richard Whiteley, é um guia para quem não ama o que faz, mas ensina que existem atitudes que podem reverter o ciclo e transformar seu trabalho em algo muito próximo do ideal.  Será? “A maioria de nós encontrou o emprego que tem ou o trabalho que realiza por acaso. “, diz. Segundo o consultor, é preciso encontrar o lugar da verdadeira paixão e, de alguma forma, no lugar de querer transformar tudo, inserir a paixão naquilo que se faz, de alguma forma. Impossível certamente não é.   Ele sugere que se tente, na medida do possível, combinar quatro fatores: o que se faz bem, quanto se pode ganhar, o que se pode aprender a o que se adora fazer. Alinhar estes quatro fatores é, no entanto, bem difícil. E não necessariemente duradouro, porque nos modificamos ao longo do tempo.

Para mim, a melhor mensagem está em procurar, no lugar de chutar o balde, agregar algo de novo ao que se faz na tentativa de transformar para melhor, sem ter que jogar tudo fora e recomeçar do zero.

Blaise Pascal – autor da célebre frase “o coração tem razões que a própria razão desconhece” – costumava defender a existência de três ordens: a do corpo, a do espírito e a da razão. Basicamente, existem assuntos que devem ser tratados dentro de seus limites de entendimento. De uma maneira simplista, equivale a dizer que assuntos relativos a dinheiro, devem deixar de lado sentimentos e ser tratados no plano da razão, dos números, dos contratos. Misturar as ordens é fazer confusão. Isso fortalece minha teoria de que perdemos muito tempo questionando se a vida foi generosa conosco ao nos contemplar com a possibilidade de exercer uma atividade profissional que amamos e ainda por cima rende muito dinheiro. E menos generosa com quem trabalha com algo que não necessariamente seria sua primeira opcão na vida.

É importante não perder de vista o fato de que o retorno financeiro não vem apenas para quem ama o que faz. Vem para quem trabalha duro, seriamente, e tem um comprometimento com aquilo que se propôs a fazer. Simples assim. O dinheiro não virá para um cantor talentoso ou um vendedor de automóveis se ambos não tiverem disciplina e comprometimento. Amar o que se faz ajuda um bocado, claro. Mas não é tudo.  Às vezes é preciso simplesmente parar de idealizar a vida, de reclamar, e arregaçar as mangas. Embora recomeçar seja sempre uma opção possível, claro.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for É preciso amar o trabalho para ser feliz?

1 Comentário

  1. Tuco Egg disse:

    Eu inda prefiro seguir na campanha “Eu NÃO amo meu trabalho”. http://atrilha.blogspot.com.br/2010/04/que-fique-bem-claro.html

Deixe o seu comentário