“José do Egito” mostra avanço da Record na produção de minisséries bíblicas

Ricky Tavares e Celso Frateschi em “José do Egito” (Foto: Rede Record)

Ricky Tavares e Celso Frateschi em “José do Egito” (Foto: Rede Record)

Nilson Xavier, no UOL

“Essa é a mistura do Brasil com o Egito…”

A Record está se aprimorando cada vez mais na produção de suas minisséries bíblicas. É um nicho que tem a cara da emissora e que já deu provas de boa repercussão. “José do Egito”, que estreou nesta quarta-feira (30/01) – roteiro de Vivian de Oliveira, direção geral de Alexandre Avancini -, representa um grande avanço quando comparada às minisséries anteriores.

O elenco é bom. A fotografia é de cinema, com belíssimas tomadas – a minissérie contou com gravações no deserto do Atacama, no Chile, em Israel e no próprio Egito. Comparada com “Rei Davi” (a produção do ano passado), é visível a melhora na direção de atores e nas caracterizações (maquiagem e perucas principalmente). Tudo está mais natural, tanto no que vimos quanto no que ouvimos dos atores.

A Record optou em apresentar “José do Egito” apenas uma vez por semana – às quartas-feiras, dia de futebol na Globo, em que, costumeiramente, as chances de um melhor desempenho no Ibope são mais altas. Talvez essa seja uma boa estratégia se considerarmos que a emissora tem um mau hábito de optar por uma grade flutuante, que depende das atrações que, supostamente, dão mais audiência, como os realities.

Se for para apresentar “José do Egito” diariamente sem um horário fixo, sendo empurrada para mais tarde, então é mesmo preferível que fique apenas às quartas-feiras, na hora do futebol, em dia e horário em que todos saibam que a atração está lá.

O primeiro capítulo não apresentou nada de grandioso, nem na história, nem nas interpretações. Talvez haja mais o que declarar de texto e interpretações nos próximos capítulos. O protagonista José – vivido nesta fase pelo ator Ricky Tavares – acabou ficando em segundo plano quando ganhou mais destaque o drama de Diná (Marcela Barrozo), estuprada por Siquém (Paulo Nigro).

Essa estreia marcou 12 pontos no Ibope da Grande São Paulo, garantindo o segundo lugar. Destaca-se também a intenção de apenas contar uma história, em detrimento ao ranço da doutrinação religiosa que geralmente acomete esse tipo de produção. Tomara que continue neste patamar.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for “José do Egito” mostra avanço da Record na produção de minisséries bíblicas

Deixe o seu comentário