Pílula antibafômetro não evita multa

Repórter tomou duas pílulas e três cervejas. Depois, bafômetro acusou bebedeira

Repórter tomou duas pílulas e três cervejas. Depois, bafômetro acusou bebedeira

Jornal testa Metadoxil, apontado na internet como um remédio capaz de burlar as blitze da Lei Seca

Filipe Sansone e Fabio Pagotto, no Diário de S.Paulo

Um vídeo popular na internet nas últimas duas semanas mostra um grupo de jovens testando o medicamento Metadoxil, que supostamente permitiria ao usuário beber várias doses de bebida alcoólica e burlar o teste do bafômetro. O DIÁRIO foi a campo para testar se o Metadoxil seria capaz de eliminar o álcool do organismo rapidamente a ponto de driblar o teste e a conclusão é: ainda não foi inventado um medicamento com essa função.

Na internet, um dos jovens toma o comprimido, ingere bebida alcoólica e sopra o bafômetro, que indica zero álcool no sangue. Seus dois amigos, que beberam junto, mas não tomaram o remédio, sopram o aparelho, que aponta presença de álcool na corrente sanguínea.

Obter o remédio foi relativamente fácil. De dez farmácias visitadas, duas venderam o medicamento sem constrangimento algum e sem receita, apesar de se tratar de uma droga com tarja vermelha, ou seja, vendida apenas sob prescrição médica.

A popularidade do vídeo fez com que o Metadoxil desaparecesse das prateleiras. “Vendi todo o estoque durante o Carnaval, depois que disseram na internet sobre o tal efeito de enganar o bafômetro”, disse o farmacêutico funcionário de uma das farmácias visitadas pela reportagem. “Já fizemos o pedido, mas ainda não recebemos mais do laboratório”, diz o balconista de outra farmácia. Ambos preferiram não se identificar.

Na bula do Metadoxil não constam efeitos colaterais a não ser “transtorno gástrico e erupção cutânea”. Para fazer o teste, o DIÁRIO tentou se submeter ao bafômetro utilizado pela Polícia Militar nas blitze, mas a corporação não atendeu ao pedido. A opção foi utilizar o bafômetro descartável do programa Direção Segura, aparelho que foi distribuído nas ruas da capital e nas estradas pelo governo.

Médico alerta que usar o remédio não deixa sóbrio
Na opinião do hepatologista (especialista no fígado) Roberto José de Carvalho Filho, não existe evidência científica nenhuma que comprove a eficiência do Metadoxil para evitar que o bafômetro aponte alguma quantidade de álcool no sangue.

O medicamento, segundo o médico, que também é membro da SBH (Sociedade Brasileira de Hepatologia), tampouco consegue deixar uma pessoa sóbria mais rápido para que ela possa dirigir após beber.

“Há estudos que sugerem que o uso dessa substância faz com que a quantidade de álcool no organismo seja mais rapidamente reduzida”, afirma Carvalho Filho. “No entanto,  não existe nenhuma evidência de que o Metadoxil seja capaz de driblar o bafômetro. O álcool não é processado com uma rapidez tão grande para isso.”

Ainda segundo o hepatologista, o fato de o medicamento ser capaz de acelerar a metabolização do álcool não quer dizer que reduza a chance de o motorista que bebeu causar um acidente. “Essa é uma atitude que deve ser extremamente desencorajada”, afirma.

O uso do medicamento sem a prescrição médica pode causar efeitos colaterais como náusea, dor de estômago, reações alérgicas e até taquicardia.

O vídeo abaixo foi publicado no site Meio Norte:

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Pílula antibafômetro não evita multa

1 Comentário

  1. AbAixoCOisa$ disse:

    logicoo bixo burro o certo é tomar a cerveja toda PRIMEIRA LOGO APÓS ISSO INGERIR 1 BASTA E ESPERAR MEIA HORA CARINHA BURRO TBM VIU TINHA Q SER PARENTE DO FREE WILLI !

Deixe o seu comentário