Rasguemos a bíblia!

imagem: Google

imagem: Google

Publicado por Ana Clara Cabral

Se Jesus estivesse entre nós, acho que ele escolheria andar com os gays ao invés de andar com os “santos” que julgam a homossexualidade ser pecado.

“RASGUEMOS A BÍBLIA! Vamos moldar nossa crença no achismo e nos interesses pessoais! Os héteros passaram a ter mau caráter por crerem na palavra de Deus!”

Se quiser, rasgue sua bíblia. Acho até melhor, se isso for preciso para que se possa viver com tolerância e amor. Você pode também continuar a ler a bíblia literalmente e acreditar que uma serpente convenceu uma mulher de comer o fruto de uma árvore supostamente proibida e depois oferecer ao seu marido. Acredita que Deus, como com massinha de modelar, formou os primeiros indivíduos do planeta, cada detalhe, cada um com sua individualidade e perfeição. Mate seu filho se Deus pedir, pra assim provar sua obediência a Ele. Se vir uma prostituta na rua, não hesite, apedreje-a! Apedreja também as mulheres que perderam a virgindade antes do casamento.

Quanta intolerância e ódio. Acho absurdo condenar uma pessoa pela orientação sexual. Pecado é uma escolha. Uma criança não escolhe pecar. Um menino não escolhe ser humilhado diante de seus colegas da escola por gostar e querer brincar de boneca ao invés de brincar de carrinho ou lutinha, não escolhe querer vestir as roupas da mãe ao invés de se espelhar no pai, não escolhe ser o excluído da turma na adolescência, não escolhe quando adulto ouvir brincadeiras de mau gosto e ser ridicularizado pelo resto de sua vida por buscar prazer de forma incomum, ser olhado com discriminação e censura, não escolhe se sentir atraído pelo sexo oposto. A homossexualidade não é uma escolha, é uma condição. Absurdo insistir numa cura para gays.

Não defendo os gays e nem qualquer tipo de promiscuidade, hétero ou homoafetiva (não entendo porque associam tanto  homossexualidade com promiscuidade). Defendo o direito de qualquer pessoa ser o que é. Defendo o direito de um ser humano conseguir viver em paz sem precisar negar a si mesmo. Defendo a busca pela felicidade.

Respeito quem acredita na “palavra de Deus”, mas prefiro continuar não acreditando num deus que condena quem quer que seja ao inferno, ao sofrimento eterno por qualquer que seja o motivo. Meu deus é o deus de todos. O meu deus é o amor. Deus pode o que o amor pode.

No meu “achismo”, continuo com a oração de muitos: “Deus, livrai-me da intolerância dos que têm certezas.”

Amém.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Rasguemos a bíblia!

Deixe o seu comentário