Corregedoria da Câmara de SP engaveta processo contra Aurélio Miguel

Luiz Carlos Murauskas /Folhapress

Luiz Carlos Murauskas /Folhapress

Evandro Spinelli, na Folha de S.Paulo

A Corregedoria da Câmara Municipal engavetou o processo contra o vereador Aurélio Miguel (PR), acusado de corrupção.

O Ministério Público tem documentos –cópias de e-mails e notas fiscais– e depoimentos de ex-executivos do grupo multinacional Brookfield que apontam que Miguel recebeu propina para fazer vistas grossas a irregularidades em shoppings da companhia e não citá-los no relatório da CPI do IPTU, que ele presidia.

Milton Leite (DEM), relator do processo na Corregedoria, ignorou os indícios e pediu o engavetamento do caso.

Roberto Trípoli (PV), Alfredinho (PT), Paulo Frange (PTB) e Mário Covas Neto (PSDB) foram favoráveis. Apenas José Police Neto (PSD) foi favorável à continuação das investigações.

O corregedor-geral, Rubens Calvo (PMDB), não votou. Ele se recusou, inclusive, a aceitar um pedido de Police Neto para requisitar ao Ministério Público cópias das provas já reunidas pelos promotores.

O engavetamento já era esperado. Milton Leite, o relator indicado por Rubens Calvo, é aliado político de Miguel. Leite é representante, na Corregedoria, do bloco parlamentar DEM-PR.

DENÚNCIAS

As denúncias contra Aurélio tiveram início em junho do ano passado, quando a Folha revelou que uma ex-executiva de empresa que administra shoppings acusava Miguel de receber propina para livrar o grupo de denúncias.

O patrimônio de Miguel foi de R$ 1,4 milhão (valores corrigidos) declarados em 2004 –quando se elegeu pela primeira vez– para R$ 25 milhões só em imóveis em 2012.

Miguel nega ter recebido propina, diz ter como justificar seu patrimônio e afirma que é vítima de perseguição.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Corregedoria da Câmara de SP engaveta processo contra Aurélio Miguel

Deixe o seu comentário