A história secreta ilustrada da Coca-Cola

Um livro bonito e subversivo: Ricardo Cortés explora as histórias das três substâncias mais consumidas no planeta – a Coca-Cola, a cafeína e a cocaína.

Margarete MS, no Obvious

 

01_Coca_Cola_Ricardo_Cortes_01.jpg
© Ricardo Cortés.

Grande parte das pessoas sempre acreditaram que a cocaína fazia parte dos ingredientes da “Coca-Cola”. Pois é, desde 1914 a cocaína faz, sim, parte de sua fórmula secreta (algo que a empresa tenta negar de todas as formas). A Coca-Cola foi criada pelo farmacêutico Dr. John Pemberton, que terá deixado cair vinho na fórmula original e adicionou a cafeína e a noz de cola. A Coca-Cola está há mais de um século tentando guardar o segredo sobre a extração da essência da planta da coca.

02_Dr_John_Pemberton_02.jpg
© Ricardo Cortés, Dr. John Pemberton.

A Coca-Cola completou seu 125º aniversário em 2011. No mesmo ano, o Tratado Internacional de Controle de Drogas, que permite que a Coca-Cola possa aceder em exclusivo ao plantio da coca, completou 50 anos.

Ricardo Cortés é escritor e ilustrador. Seu livro explora as histórias das três substâncias mais consumidas no planeta: a Coca-Cola, a cafeína e a cocaína. Conta um pouco sobre as fábricas de cocaína no Peru e Nova Jersey, os experimentos secretos na Universidade do Havaí e mostra alguns arquivos do Comissário Harry J. Anslinger. Neste artigo, vamos concentrar-nos na Coca-Cola.

Durante a criação do livro o autor visitou plantações de café, uma fazenda de coca, uma fábrica de cocaína em Nova Jersey e os arquivos nacionais. Passou vários dias fotografando documentos e teve acesso à coleção da Pennsylvania State University.

03_Coca_Cola_Ricardo_Cortes_03.jpg
© Ricardo Cortés.

04_Coca_Cola_Ricardo_Cortes_04.jpg
© Ricardo Cortés.

As primeiras experiências com a cocaína foram realizadas com finalidades médicas. Em 1884, Sigmund Freud começou a usá-la no tratamento para a depressão. Ficou fascinado com a “substância mágica” e a introduziu a colegas e amigos. O efeito dessa substância havia sido observado primeiro na língua. Logo depois ela foi testada como anestésico nos olhos de animais pelo oculista Carl Koller (amigo de Freud). Koller, não satisfeito, aplicou a substância em seus próprios olhos. Foi uma descoberta revolucionária já que, antigamente, as cirurgias eram realizadas com anestesia geral ou nenhuma mesmo. O éter e o clorofórmio permitiam operações graves sem dor mas a cocaína possibilitou a prática de cirurgias consideradas praticamente impossíveis. A cocaína se tornava então muito popular e seu uso cresceu rapidamente. Ela começou vendida como anestésico para dor de dente, para curar a fadiga e nervosismo, em 1886.

Considerando a dieta líquida dos americanos, os refrigerantes estão em 1º lugar e a Coca-Cola é a mais popular. A cafeína é a substância psicoativa mais amplamente utilizada – neste caso, considerando o consumo mundial. A cocaína vem logo em seguida, até mesmo por causa de seus efeitos já mencionados anteriormente. Ambos são estimulantes naturais. E por que apenas dois (o café e a Coca-Cola) são lícitos e o outro (a cocaína) não?!

05_Coca_Cola_Ricardo_Cortes_05.jpg
© Ricardo Cortés.

06_Coca_Cola_Ricardo_Cortes_06.jpg
© Ricardo Cortés.

07_Coca_Cola_Ricardo_Cortes_07.jpg
© Ricardo Cortés.

08_Coca_Cola_Ricardo_Cortes_08.jpg
© Ricardo Cortés.

09_Coca_Cola_Ricardo_Cortes_09.jpg
© Ricardo Cortés.

 

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for A história secreta ilustrada da Coca-Cola

Deixe o seu comentário