Pastor não é profissão, é vocação, diz Feliciano sobre empregados

foto: Antônio Araújo/UOL

foto: Antônio Araújo/UOL

Sueli de Freitas, no UOL

“Pastor não é profissão, é vocação, não recebem salário [na igreja] para isso. Eles trabalham pra mim, para o meu gabinete, levando os jovens para centros de recuperação, dando assistência social”. A afirmação foi feita nesta terça-feira (13) pelo deputado Marco Feliciano (PSC-SP), que emprega no seu gabinete parlamentar cinco pastores da sua igreja evangélica.

O deputado falou na saída da sessão da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, que presidiu hoje pela primeira vez. Questionado se os pastores também desenvolvem trabalhos de assessoria legislativa, Feliciano não respondeu.

Reportagem da “Folha de S.Paulo” desta terça-feira mostrou que pastores recebem salários da Câmara sem cumprir expediente em Brasília nem em seu escritório político em Orlândia (cidade natal de Feliciano, no interior de São Paulo, a 365 km da capital).

Segundo a “Folha”, há dois anos, a cúpula da Catedral do Avivamento, igreja fundada pelo deputado, tem cargos de assessoria parlamentar no gabinete de Feliciano, com salários que chegam a R$ 7.000.

Sessão tumultuada

Muita confusão e bate-boca em plenário marcaram a primeira sessão da Comissão de Direitos Humanos e Cidadania sob a presidência de Feliciano.  Ao final da sessão, o pastor saiu cercado de seguranças da Casa e deputados aliados tentando escapar dos manifestantes que gritavam palavras de ordem pedindo a sua saída da presidência.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Pastor não é profissão, é vocação, diz Feliciano sobre empregados

3 Comentários

  1. Papa disse:

    Ambos os grupos [intolerantes] se merecem

Deixe o seu comentário