Favelas desaparecem de busca no Google Maps

As modificações atenderam a um pedido da própria Prefeitura do Rio, feito há cerca de quatro anos por meio da Riotur (Empresa de Turismo do Município).

favela-da-rocinha

 

Por Heloisa Aruth Sturm, no Estadão

A Favela Sumaré e a Favela Morro do Chacrinha, em Rio Comprido, zona norte do Rio de Janeiro, não existem mais. Mas só no Google Maps. Na mais recente atualização do aplicativo, o termo “favela” foi suprimido na localização de diversas comunidades da capital carioca. As modificações atenderam a um pedido da própria Prefeitura do Rio, feito há cerca de quatro anos por meio da Riotur (Empresa de Turismo do Município). Duas imagens comparando os mapas do Google de 2011 e de 2013 foram publicadas no blog Cidades Possíveis, no dia 6 de abril, e rapidamente se difundiram em outros blogs e nas redes sociais.

As alterações dividiram opiniões entre os internautas. “Eu concordo com o que a prefeitura está fazendo. Essa atitude evita certos preconceitos contra moradores de locais estigmatizados como favela”, escreveu Fabio Nobre. “Concordo com a retirada. Áreas enormes denominadas favelas, levei um susto quando vi o mapa de onde moro, assim como de outros bairros que conheço bem”, disse Margarida Avelar, moradora de Cascadura, zona norte.

Os internautas que se manifestaram contra as alterações disseram temer pela segurança caso se perdessem na cidade. “Querendo mascarar a realidade, e expondo a vida de turistas em risco!”, disse Ricardo Novaes. “E eu que confio no Google Maps para programar meus itinerários, vou acabar passando por um local perigoso porque a prefeitura achou legal esconder a informação de que é um lugar perigoso. Se eles querem que não apareça a palavra favela. Que detonem a favela e construam um bairro de verdade no lugar”, escreveu Paulo Pontes.

A polêmica remonta ao ano de 2009, quando foi solicitada oficialmente ao Google a inclusão de pontos turísticos e a diferenciação de favelas e bairros. A alegação era de que o aplicativo omitia bairros e pontos turísticos, ao mesmo tempo em que dava destaque a favelas com pequeno número de habitantes. Dois anos depois, a empresa norte-americana afirmou que iria aumentar a qualificação das informações nos mapas do Rio, em um prazo de seis a 12 meses.

A atual supressão do termo ”favela” não atinge todas as comunidades. Na Maré (zona norte) e no Vidigal (zona sul), por exemplo, ele permanece. Mas na Rocinha e no Cantagalo, também na zona sul, não. Em algumas regiões, o termo ”favela” foi substituído por ”morro” – mas a supressão não foi total, como pode ser visto na “Favela do Morro dos Cabritos”, localizada pelo Google próxima ao morro homônimo, na região da Lagoa Rodrigo de Freitas (zona sul). Em outras comunidades, localizadas em áreas planas, o termo simplesmente foi suprimido.

O Google foi procurado pela reportagem para explicar a forma de hierarquização dos dados no mapa e quais são as fontes de fornecimento para o Google das nomenclaturas da cidade. Por meio de nota, a empresa afirmou que “não divulga as particularidades das negociações com os parceiros”.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Favelas desaparecem de busca no Google Maps

1 Comentário

  1. RJP disse:

    Se vc olhar o Google Maps, SÓ tem favela no Rio. A piada recorrente era q um paulista mapeou o Rio. =)

    As favelas existem, mas eles colocaram absolutamente TUDO como favela, n sei como meu condomínio, c/ casas em construção, n foi rotulado. Na minha rua tem uma favela, c/ nome e localização, segundo o Google Maps. Mas é no máximo uma área onde moram pessoas pobres, de bem, q gostam de fazer barulho até tarde nos finais de semana. Só isso.

    Quem olha de fora acha q é apenas a ideia de “tapar o sol c/ a peneira”. Tem favelas sim, mas daí tudo ser favela… É dose.

    Aí pergunto: Pq São Paulo n tem tanta favela rotulada pelo Google Maps na periferia da cidade? Afinal, tem um cinturão na ZL, e no Google Maps n aparece rotulado.

Deixe o seu comentário