O homem que deu a volta ao mundo sem pegar avião ou dirigir um carro

odisseyinterna

Paulo Moura, no Hypeness

Duzentos e um países. Duzentos e cinquenta mil quilômetros. Orçamento: 100 libras por semana (cerca de R$ 310,00). Uma regra: todo o trajeto tinha de ser feito, por terra ou por mar, em ônibus, trens, comboios, “ferry-boats”, táxi ou navios de carga, mas nunca em aviões ou carros particulares. O feito inédito do inglês Graham Hughes durou exatos 1461 dias para se concretizar e é daqueles capazes de deixar qualquer um impressionado!

Em alguns países Graham passou semanas (se não meses), outros como o Brasil  – ele esteve rapidamente em Boa Vista, Roraima – não ficou mais de um dia. Segundo uma entrevista dada recentemente, de todos ele se confessou particularmente fascinado por Palau, ‘um dos últimos paraísos tropicais intactos do mundo’, Seychelles, Madagáscar, Etiópia e Irã.

Entre as aventuras pelo caminho, Graham passou 4 dias atravessando o oceano em um barquinho de madeira para chegar ao Cabo Verde, ficou detido por uma semana no Congo e foi preso quando tentava entrar na Rússia. Ele rodou pelo Iraque portando uma Ak-47, conheceu o primeiro ministro de Tuvalu, ficou hospedado numa tribo Bwiti no Gabão, brincou com lêmures em Madagascar, lavou elefantes na Índia, comeu polvo vivo na Coréia do Sul e foi resgatado das mãos de muçulmanos fundamentalistas por um ladyboy filipino chamado Jenn. Ufa!!!

A pergunta que não quer calar: por que razão decidiu fazê-lo? “Porque este planeta é nosso. É nossa casa. Durante muitos anos os poderes instalados decidiram onde podíamos e onde não podíamos ir. Isso acabou. Todos os países do mundo estão finalmente abertos, portanto vamos conhecê-los!

26 odi1 odi7 odi2 odi5 odi3 odidestaque odi4

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for O homem que deu a volta ao mundo sem pegar avião ou dirigir um carro

1 Comentário

  1. ronei jr disse:

    ….. e um bando de pseudo-missionarios de mimimi porque não conseguem sair do lugar….

Deixe o seu comentário