Angola proíbe operação de igrejas evangélicas do Brasil

imagem: O País

imagem: O País

Patrícia Campos Mello, na Folha de S.Paulo

O governo de Angola baniu a maioria das igrejas evangélicas brasileiras do país.

Segundo o governo, elas praticam “propaganda enganosa” e “se aproveitam das fragilidades do povo angolano”, além de não terem reconhecimento do Estado.

“O que mais existe aqui em Angola são igrejas de origem brasileira, e isso é um problema, elas brincam com as fragilidades do povo angolano e fazem propaganda enganosa”, disse à Folha Rui Falcão, secretário do birô político do MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola) e porta-voz do partido, que está no poder desde a independência de Angola, em 1975.

Cerca de 15% da população angolana é evangélica, fatia que tem crescido, segundo o governo.

Em 31 de dezembro do ano passado, morreram 16 pessoas por asfixia e esmagamento durante um culto da Igreja Universal do Reino de Deus em Luanda. O culto reuniu 150 mil pessoas, muito acima da lotação permitida no estádio da Cidadela.

O mote do culto era “O Dia do Fim”, e a igreja conclamava os fiéis a dar “um fim a todos os problemas que estão na sua vida: doença, miséria, desemprego, feitiçaria, inveja, problemas na família, separação, dívidas.”

O governo abriu uma investigação. Em fevereiro, a Universal e outras igrejas evangélicas brasileiras no país — Mundial do Poder de Deus, Mundial Renovada e Igreja Evangélica Pentecostal Nova Jerusalém– foram fechadas.

No dia 31 de março deste ano, o governo levantou a interdição da Universal, única reconhecida pelo Estado.

Mas a igreja só pode funcionar com fiscalização dos ministérios do Interior, Cultura, Direitos Humanos e Procuradoria Geral da Justiça. As outras igrejas brasileiras continuam proibidas por “falta de reconhecimento oficial do Estado angolano”. Antes, elas funcionavam com autorização provisória.

As igrejas aguardam um reconhecimento para voltar a funcionar, mas muitas podem não recebê-lo. “Essas igrejas não obterão reconhecimento do Estado, principalmente as que são dissidências, e vão continuar impedidas de funcionar no país”, disse Falcão. “Elas são apenas um negócio.”

Segundo Falcão, a força das igrejas evangélicas brasileiras em Angola desperta preocupação. “Elas ficam a enganar as pessoas, é um negócio, isto está mais do que óbvio, ficam a vender milagres.”

Em relação à Universal, a principal preocupação é a segurança, disse Falcão.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Angola proíbe operação de igrejas evangélicas do Brasil

4 Comentários

  1. carlos coqueto disse:

    É obvio que as igrejas são um negócio rendoso. Tanto é que são fabricados pastores todos os meses nas escolas das igrejas. E o aprendizado deles é como é dado a vendedores profissionais. Colocar na cabeça do cliente, no caso os fiéis, a palavra sim. Tanto é que até hoje o Bispo Macedo em suas pregações está sempre com a palavra: Sim ou não pessoal?? E o pessoa responde SIM. Daí para tirar algum dinheiro fica mais fácil. Vcs. não acham que tem mais gente que pode contribuir com mais gente?? Sim ou não??

  2. Charles disse:

    O que me preocupa é que igrejas sérias também sejam banidas. Uma coisa é banir uma instituição exploradora, via poder judiciário (acusação, provas, ampla defesa, julgamento, condenação). Outra bem diferente é uma operação do poder executivo pra “probir em geral” todas as instituições religiosas. Isso sinaliza um pretexto do governo angolano (formado na maioria por marxistas) para uma perseguição religiosa. Vale destacar que a maioria das missões evangélicas em Angola (e na África em geral) leva alimentos, construção, serviços de saúde, educação para um povo sofrido, vítima de AIDS, fome, guerras e exploração que aliás, têm como principal causador o próprio governo.
    Links sugeridos:
    http://www.gideoes.com.br/projeto-africa/projeto-africa.html
    http://missaoafricapieia.blogspot.com.br/

  3. Diana Ribeiro disse:

    Charles, é claro que existem igrejas sérias, que ajudam realmente a população. Mas não dá pra discordar muito do argumento utilizado pelo governo angolano em relação à Universal. Essa é uma instituição que não leva ajuda humanitária junto com o evangelho do amor de Cristo, mas apenas vai em busca de novos explorados.

  4. ANTE QUER IR NA ANGOLA EVANGELICO EVANLIZAÇÃO DA IGREJA DACOMUNIDADE EVANGELICO CRISTÃ DE PADREMIGUEL

Deixe o seu comentário