Evangélicos fazem ato em Brasília por liberdade religiosa

Público participa de manifestação na Esplanada dos Ministérios nesta quarta-feira (5) , em Brasília (Foto: Valter Campanato/Abr)

Público participa de manifestação na Esplanada dos Ministérios nesta quarta-feira (5) , em Brasília
(Foto: Valter Campanato/Abr)

Publicado originalmente no G1

Integrantes de grupos evangélicos tomaram o gramado em frente ao Congresso Nacional, em Brasília, para manifestar pela liberdade religiosa, pela liberdade de expressão e pelos valores da família tradicional, na tarde desta quarta-feira (5). A organização do evento estima que 100 mil pessoas participem do evento, que prossegue até a noite.

A Polícia Militar estimou que, por volta das 17h30, 40 mil pessoas se aglomeravam em frente ao palco montado na Esplanada dos Ministérios. Segundo a polícia, houve uma discussão entre um fiel e um defensor dos homossexuais, que foi rapidamente contornada. Um adolescente de 12 anos passou mal por causa do calor. Ele foi atendido em uma ambulância e apresentou melhora.

Segundo o Batalhão de Trânsito da Polícia Militar, aconteceram bloqueios temporários, na S1 e na N1, do Eixo Monumental, no início do evento, por volta das 15h. Não foi registrado nenhum acidente até as 17h25. O trânsito ficou complicado pela chegada de fiéis e pela saída de funcionários dos ministérios.

Às 17h, cerca de 50 pessoas, entre parlamentares e líderes de diversas igrejas evangélicas de estados como Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais estavam no palco. O evento foi aberto pelo pastor Jabes de Alencar, da Igreja Assembleia de Deus do Bom Retiro, em São Paulo, com uma oração e a execução do hino nacional brasileiro.

Pronunciamento de Silas Malafaia
Durante o evento, o pastor Silas Malafaia, da igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo, afirmou que o Brasil está confundindo liberdade com libertinagem, criticou o movimento gay e defendeu o direito de expressar a opinião sobre os homossexuais “porque a gente vive num estado democrático de direito”. “No Brasil se critica tudo, governadores, a polícia. Mas criticar a prática homossexual é homofobia”, disse.

“Quero ver o movimento gay botar 30 mil pessoas aqui no meio da semana”, prosseguiu. Segundo o pastor, o ativismo gay é “o fundamentalismo do lixo moral”. “Raça é condição. Você não pede pra ser negro ou branco. Mas homossexualismo é comportamento”, afirmou.

O pastor também se disse contra o aborto. “O feto não é prolongamento do corpo da mulher.” Ele terminou o pronunciamento com uma oração. “Livrai o Brasil da desgraça social, das leis que venham prejudicar esse povo. Pai, levanta a sua igreja unida. Nós concordarmos, o Brasil é do Senhor Jesus.”

No UOL: Manifestação de membros de igrejas evangélicas "em defesa da família tradicional, da liberdade de expressão e religiosa" reúne milhares de pessoas em frente ao Congresso Nacional, em Brasília. Organizado pelo pastor Silas Malafaia, o evento tem como objetivo marcar posição contra o casamento gay e o projeto de lei 122, que, se aprovado, criminaliza da homofobia. O deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) esteve presente no evento Roberto Jayme/UOL

No UOL: Manifestação de membros de igrejas evangélicas “em defesa da família tradicional, da liberdade de expressão e religiosa” reúne milhares de pessoas em frente ao Congresso Nacional, em Brasília. Organizado pelo pastor Silas Malafaia, o evento tem como objetivo marcar posição contra o casamento gay e o projeto de lei 122, que, se aprovado, criminaliza da homofobia. O deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) esteve presente no evento Roberto Jayme/UOL

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Evangélicos fazem ato em Brasília por liberdade religiosa

3 Comentários

  1. Geovani Bulhoes disse:

    Malafaia radicaliza no discurso e isto, de certa forma, contamina a mensagem que vem expressa muitas verdades. Estamos numa era que reclama a construção de consensos na formulação de regras de conduta e de modelo de costumes. Os juízes não estão com moral suficiente para impor goela abaixo sua ‘verdade’ contra a dos outros. Nem de minorias e muito menos da maioria. Questões que envolvem convicções auridas de verdades milenares não podem ser resolvidas pela abstração racional de meia dúzia de pessoas que só conhecem direito. O direito e o estado faliram na sua missão de influenciar ou determinar o comportamento humano. Os juízes dos tribunais precisam se ligar mais na realidade, sob pena de criar uma nova alemanha dos anos 30 ao avesso. Mudança de paradigma só por decisões legitimadas pelo consenso! Só o Congresso Nacional ou o próprio povo, num plebiscito! Se o estado quer garantir direitos a uniões homoafetivas, que dê um nome diferente para essa sociedade civil. Casamento, não. Este é um sacramento bíblico.

  2. AUGUSTO disse:

    EU AS VEZES ME PERGUNTO, SE EU NÃO ACREDITAR EM DEUS COM TODAS AS EVIDENCIAS QUE EXISTEM
    EU VOU ACREDITAR EM QUE? ESTÃO QUERENDO MUDAR TODOS OS PRINCÍPIOS QUE DEUS CRIOU, TROCANDO POR SIMPLES VONTADES QUE SÃO CONVENIENTES PARA UMA MINORIA DE PESSOAS QUE ACHAM PODEM FAZER O QUE QUEREM. DEUS VAI COBRAR DE CADA UM SEGUNDO A SUA CONDUTA .

  3. miriam disse:

    Desculpas para não deixarem suas vidas de libertinagens aqui na terra por uma bem melhor ao lado do Senhor Jesus no céu, mas chegará o dia em que o o trigo será tirado do meio do moio, e então verão a diferença entre o justo e injusto, santo e profano e se arrependerão mas será infelizmente muito tarde pra isso, se nós não clamarmos as pedras clamarão.

Deixe o seu comentário