Ministério da Justiça abre processo contra Telexfree por indícios de pirâmide financeira

Site da empresa TelexFree, que se apresenta como fornecedora de serviços de voz

Site da empresa TelexFree, que se apresenta como fornecedora de serviços de voz

Renata Agostini, na Folha de S.Paulo

O Ministério da Justiça abriu processo administrativo nesta sexta-feira (28) contra a empresa Telexfree, nome fantasia da Ympactus Comercial Limitada, por indícios de formação de pirâmide financeira.

A empresa, que tem sede no Espírito Santo, mas atuava pela internet, terá agora dez dias para apresentar sua defesa e poderá ser multada em até R$ 6 milhões caso fique comprovada a fraude.

A Telexfree se apresenta em seu site como fornecedora de serviços de voz. Mas faz propaganda de enriquecimento fácil a quem se torna “divulgador” dos serviços da empresa.

O trabalho oferecido pela TelexFree consiste em espalhar anúncios pela internet. Para participar, contudo, o colaborador tem de pagar uma taxa de adesão e comprar um “kit” que o habilita à função.

A empresa oferece ainda o pagamento de comissão a quem trouxer mais membros.

A Telexfree está proibida de aceitar novos colaboradores desde junho por determinação da 2ª Vara Cível de Rio Branco, sob pena de multa de R$ 100 mil a cada nova adesão. O caso chegou à Justiça após ação do Ministério Público do Acre. Uma mensagem no site alerta o internauta sobre a decisão judicial.

A Senacon (Secretaria Nacional do Consumidor), vinculada ao Ministério da Justiça, iniciou investigação sobre o caso em março deste ano após receber denúncias de diversos Procons e do Ministério Público do Acre.

“A prática de esquemas de pirâmides, além de crime, acarreta danos irreparáveis aos consumidores. As empresas que incorrerem nessas práticas também serão sancionadas com base no Código de Defesa do Consumidor”, alertou Amaury Oliva, diretor do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, da Senacon.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Ministério da Justiça abre processo contra Telexfree por indícios de pirâmide financeira

2 Comentários

  1. Kaká disse:

    Se é pirâmide eu n sei, mas cada um faz o que quiser com seu dinheiro. Quem investiu na Telexfree n usou dinheiro desviado dos cofres públicos, usou seu próprio dinheiro, e ninguém tem nada a ver com isso.
    Além do mais, todos aqui no Acre sabemos que essa decisão foi uma articulação, para tirar o foco das falcatruas do governo do Acre que, está mais sujo que pau de galinheiro.
    É escândalo em cima de escândalo aqui no Acre… O mais recente, o G7, desviou milhões dos cofres públicos, com obras porcas, e outras até inexistentes. O Governador defendeu com unhas e dentes esses safados, e a população se revoltou. Então p tirar o foco das falcatruas, usaram o Telexfree como boi de piranha.
    Não sou investidora, mas essa é a real! Lamento muito por tudo isso… E os ladrões do G7 estão soltos, e gastando nosso dinheiro, que por sinal nunca mais será devolvido!
    A política no Acre é suja, perseguidora… Nojo!!

  2. Heitor disse:

    Eu vi vídeos da telexfree e em momento algum se fala de onde virão os recursos para pagamento dos valores aos associados, não há qualquer referência ao faturamento da empresa com a venda dos pacotes de voz sobre ip, não há balancete algum, só o que há é promessa de riqueza. Não existe empresa no mundo que consiga vender o suficiente para pagar a centenas de milhões de pessoas (resultado exponencial das futuras adesões ao projeto telexfree), pois como vocês alardeiam, os ganhos são para 100% dos que entrarem. Esse negócio parece sim ser uma pirâmide.

Deixe o seu comentário