Ateus encontram refúgio espiritual em “missa ateia” realizada no sul dos EUA

joie
Dave Thier, no The New York Times [via UOL]

Teria sido fácil confundir o que estava acontecendo no salão de baile do hotel local com um ritual religioso. Todas as coisas que costumam estar associadas a um estavam presentes num domingo recente: 80 pessoas atraídas por uma convicção comum. Exortações ao serviço. Cantos e luzes. Um sermão apaixonado.

Só não foi feita nenhuma menção a Deus.

Anunciada como a primeira “missa” ateia da Louisiana e intitulada “Joie de Vivre: sentir prazer em estar vivo”, foi realizada por Jerry DeWitt, um homem pequeno e carismático vestido todo de preto, com um cabelo liso e brilhante.

“Oh, vai ser tão difícil não falar: ‘agora um amém!'”, disse ele com um sorriso, alertando as pessoas de que o serviço seria muito mais parecido com o de uma igreja do que elas poderiam esperar. “Quero que vocês se sintam à vontade para cantar. E quero que vocês se sintam à vontade para bater palmas. Vou pedir para vocês silenciarem os celulares, mas não vou pedir para desligá-los. Porque quero que você publique mensagens.”

Enquanto DeWitt andou para frente e para trás, falando com um sotaque pesado do sul dos EUA, sua voz poderosa às vezes tremia de emoção. O termo pode ser uma contradição, mas é impossível descrevê-lo como outra coisa que não um pregador ateu.

DeWitt age tanto como um clérigo por que já foi um.

Ele foi criado pentecostal em DeRidder, Louisiana, uma pequena cidade perto da fronteira com o Texas. Em 2011, depois de 25 anos como pregador, ele percebeu que tinha perdido toda a conexão com a visão religiosa que havia definido a maior parte de sua vida. Ele deixou a igreja e se viu num verdadeiro ostracismo em sua cidade natal e em sua família. Desde então, DeWitt, 43, tornou-se um proeminente defensor do ateísmo, dando palestras por toda a região e proporcionando um contraponto mais emocional para os expoentes ateus mais acadêmicos como Richard Dawkins e Christopher Hitchens.

Com o serviço de domingo – que marca o início da Capela Missão Comunitária em Lake Charles, que o DeWitt chamou de verdadeira “igreja” ateísta –, ele queria trazer algumas das coisas que ele havia aprendido durante seus anos de líder religioso para os ateus no sul da Louisiana.

Mais ateus

A porcentagem de norte-americanos não afiliados a religião parece estar aumentando. Um estudo do Pew Research Center de 2012 revelou que embora apenas cerca de 6% se identifique como ateus ou agnósticos, eles estavam entre os quase 20% classificados como sem religião. Esse número subiu em relação aos 15% de 2007, um aumento bem maior do que para qualquer crença tradicional.

DeWitt se considera um ateu linha-dura, mas acredita que algo pode se perder quando alguém sai da igreja – e não só as partes que dizem respeito a Deus, mas também um senso de comunidade e uma conexão com a emoção.

“Há muitas pessoas que, apesar de chegarem a essa conclusão, sentem falta da forma como a igreja funciona, de uma maneira que poucas outras comunidades são capazes de imitar”, disse ele em uma entrevista por telefone. “O secular pode aprender que só porque nós valorizamos o pensamento crítico e o método científico, isso não quer dizer que de repente nos desconectamos do corpo e já não podemos mais beneficiar de nossas vidas emocionais.”

Alguns na platéia enfrentaram dificuldades até chegar ao ateísmo. Hammers Joshua, membro de uma organização ateísta em Lake Charles, disse que foi completamente separado de sua comunidade e da vida social quando deixou a igreja pentecostal em que foi criado. Para ele, há algo confortável, uma lembrança da infância, ao ouvir DeWitt pregar.

“Estávamos no Reason na conferência de Bayou, e todo o resto parecia mais uma palestra,” disse Hammers, referindo-se a uma manifestação secular realizada em abril na Universidade Estadual da Louisiana. “Então, Jerry se levantou, e começou a pregar a mensagem. A maioria dos outros líderes ateus são acadêmicos e intelectuais, e Jerry não é assim. Ele fala direto ao seu coração.”

Refúgio

As “missas” estão ganhando força como saídas para o ateísmo organizado em lugares como Londres, Houston, Sacramento e Nova York, assim como em universidades com capelães humanistas. Numa região profundamente conservadora como o sul dos EUA, elas podem servir a um propósito essencial: proporcionar um sentimento de camaradagem num ambiente que muitos consideram hostil para pessoas não-religiosas.

“Aqui, temos um forte senso de comunidade”, disse Russell Rush, ex-pastor de jovens de DeRidder. “Quando você entra numa igreja de verdade, é quase como ter uma reunião de família. Quando você deixa esse estilo de vida, e deixa a vida da igreja para trás, muitas vezes você pode se sentir no ostracismo. Coisas como essa e dizer aos companheiros ateus e agnósticos que eles não estão sozinhos.”

Sr. DeWitt vê serviços como o seu como um esforço para dar uma forma humana a um amplo movimento intelectual que está em sua infância. Ele acredita que ele e os outros na sala estão construindo algo feito para durar.

“Embora este movimento tenha tido arranques e paradas ao longo da história mundial, agora é importante lembrar que somos jovens”, disse ele depois de um coro de uma música da banda Fun. “Algum dia, aquilo que você está fazendo vai se tornar normal. Isso não é um sentimento?”

tradução: Eloise de Vyder

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Ateus encontram refúgio espiritual em “missa ateia” realizada no sul dos EUA

Deixe o seu comentário