Usuários de Crocs, uma questão sociológica

Estudo relaciona características de usuários de Crocs ao redor do mundo e conclusão é impressionante

Uso de Crocs: um alívio e uma salvação para pessoas sem estilo...

Uso de Crocs: um alívio e uma salvação para pessoas sem estilo…

Patrícia Romano, no RG

Lembro com clareza da primeira vez que vi um par de Crocs. Foi antipatia à primeira vista. Passei muitos anos me indignando cada vez que via alguém usando a tal pantufa pós-moderna. Muito drástica, dramática, raivosa, minha relação com os Crocs? Afinal de contas é só um sapato feio? Muito feio? Não, não é. A questão é social e mundial. Duvida?

A Universidade de Columbia, em Nova York, vocês sabem, é uma das mais importantes do mundo; administra o Prêmio Pulitzer e já formou três presidentes americanos. Pois bem. Para corroborar com minha aversão, divulgaram o resultado de uma pesquisa feita por um de seus mestres, o professor de sociologia Talmond Rabinowitz, que analisou cerca de 800  “usuários” de Crocs – eles são milhares no mundo, nas idades mais variadas. Muitos começam cedo, ainda bebês.

Segundo a pesquisa, as mais populares justificativas para o  uso dos calçados são o conforto, a facilidade de limpar e o louvável fato de que Crocs não dão chulé. Elementos, veja,  absolutamente infantis. Sendo assim, ok, acredito ser  coerente liberar o uso de Crocs para crianças, até a idade máxima de oito anos. Eles podem enfeitar seus calçadinhos com sapinhos, mini Mickeys e florezinhas. Fofo. Mas cabe aos pais impor os limites e dizer para seus filhos a hora de parar.

Acompanhemos a linha de raciocínio do Dr. Rabinowitz. Ele concluiu que o surgimento do Crocs foi um alívio e uma salvação para pessoas sem estilo, que consideravam um sofrimento escolher entre tantos modelos diferentes nas lojas de sapatos. A chegada do Crocs também uniu os sem estilo em uma comunidade. Uma confraria triste de usuários, cujo diagnóstico é de enternecer: são pessoas que sofrem de falta de entusiasmo, depressão, não têm ambição nem imaginação e geralmente nada de interessante para dizer. É o que diz a pesquisa, que conseguiu até traçar um perfil das mulheres usuárias de Crocs. O mais interessante é que elas têm profundo desprezo e desdém por mulheres fashionistas. Devo dizer que é recíproco, queridas usuárias.

Para terminar o estudo sociológico sobre os usuários de Crocs, Doutor é categórico, dramático e definitivo: “Pessoas que usam Crocs desistiram de suas vidas”.

Por um mundo com menos usuários.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Usuários de Crocs, uma questão sociológica

3 Comentários

  1. maria fernanda disse:

    Desde de crinça eu uso crocs e pretendo continuar usando, concordo que alguns modelos são feios mas outros não. E uma coisa que todos dizem:o conforto é maravilhoso. E eu não sou uma pessoa que já desisti da vida.

  2. Rosicler Sansana disse:

    Que interessante que o acéfalo conhece todos os perfis! Amo a vida, sou inteligente e nem aí pra opinião dele. Meu estilo eu que faço!
    E dou de presente ! Mto 10! Amo crocs!

  3. Helio Lemos disse:

    Meodeos! Avisem aos leitores para não levarem a “pesquisa” a sério. É cediço que não houve pesquisa alguma. É só gozação pessoal! Calma e leiam sob esta ótica, e daí vão gostar do artigo. PS: também sou usuário incondicional dos crocks…

Deixe o seu comentário