Dilma Rousseff: “Ninguém me defende, fugiram todos”

foto: Ernesto Rodrigues/Estadão

foto: Ernesto Rodrigues/Estadão

título original: A solidão na crise

Dora Kramer, em O Estado de S.Paulo

Um político que não milita no Executivo nem faz parte da roda de conselheiros, mas é muito próximo de Dilma Rousseff, teve dois sugestivos diálogos na semana passada. Um com ela, no Palácio do Planalto, outro com o presidente do Senado, Renan Calheiros.

A intenção dele era ajudá-la a encontrar uma saída, mas tudo o que conseguiu foi concluir que a presidente tem consciência de que está numa encruzilhada da qual não sabe como sair e que se sente abandonada pelo PT e pelos partidos da base aliada.

“Ninguém me defende, fugiram todos”, disse ela ao interlocutor. A maior parte do tempo, no entanto, ouviu calada.

O amigo lhe disse: “Você nunca quis 39 ministérios, não pediu para o Brasil sediar a Copa, de verdade não queria a parceria com o PMDB. Isso tudo é herança do Lula”.

Silêncio. “Essa não é você”, ponderou o amigo, aconselhando-a a reagir segundo as próprias convicções. Da Copa não é possível voltar atrás, “mas você pode reduzir o número de ministérios e deixar de lado a aliança com o PMDB”, insistiu.

Silêncio. Rompido apenas para externar o desagrado por pagar a conta sozinha: “Estou apanhando de todos os lados e nem tudo é responsabilidade minha”. Não falou mal de Lula, não criticou esse ou aquele aliado, não deu sinal de que tenha a mais pálida ideia do que fazer.

O interlocutor da presidente saiu dali e foi procurar o presidente do Senado para lembrar-lhe alguns fatos e cobrar lealdade. “O governo foi forçado a apoiar sua volta à presidência, não faltou ao Sarney quando ele quase foi afastado na crise dos atos secretos (em 2009), por que agora essa atitude agressiva sua e do PMDB?”

Frio como um peixe, Calheiros respondeu: “Porque ela tentou jogar a crise no colo do Congresso”. Segundo consta, nada mais disse nem lhe foi perguntado.

A conversa aconteceu dias depois de o presidente do Senado ter requisitado avião da FAB para ir ao casamento da filha do líder do governo Eduardo Braga, em Trancoso (BA), enquanto o País gritava de Norte a Sul que está farto dos espertos.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Dilma Rousseff: “Ninguém me defende, fugiram todos”

2 Comentários

  1. Ronaldo Castro disse:

    Vá em frente companheira, faça o que tem que ser feito. Seu passado é de luta!!!
    Não se algeme a partido algum. E se afastarem seu apoio, melhor. Continue a mandar seus projetos em benefício do povo. Se o Congresso não aprovar, conclame os cidadãos para que eles cobrem do parlamento que, por sinal e em grande parte, não nos representa.

  2. Que pena! Tinha tudo para dar certo.

Deixe o seu comentário