Palavra ‘ética’ é retirada de novo código de conduta dos senadores

Compromisso seria assumido no ato de juramento da posse, mas foi rejeitado pelo relator Lobão Filho

Google Imagens

Google Imagens

Publicado no Estadão

Com hábitos e costumes criticados pelas manifestações populares recentes, o Senado discretamente decidiu retirar da proposta do novo regimento interno da Casa a sugestão para que os senadores sejam obrigados a se comprometer a agir com ética “na atividade política” e como cidadãos. O compromisso seria assumido em juramento no ato da posse, mas foi rejeitada pelo relator das mudanças no regimento, senador Lobão Filho (PMDB-MA).

O senador também excluiu do documento a obrigação para que os parlamentares apresentem, quando empossados, declaração de bens de seus parentes até o segundo grau. A medida evitava os chamados “parentes laranjas” de parlamentares que transferem a nome de familiares parte de seu patrimônio. “Não há como o senador obrigar seus parentes a revelarem os bens que possuem, pois ofenderia o direito à privacidade desses”, justificou Lobão Filho.

O Regimento Interno do Senado é de 1970, auge da ditadura militar. Desde então, nunca foi reformado. O texto disciplina desde a atuação dos senadores aos pronunciamentos e tramitação de matérias.

Em 2009, o então senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) relatou a primeira tentativa de alterar as regras da Casa. O relatório do tucano acatou a sugestão do então senador José Nery (PSOL-PA) para incluir no texto do juramento da posse o compromisso dos senadores com a ética. O texto atual diz apenas: “Prometo (…) desempenhar fiel e lealmente o mandato de senador”.

Na proposta de Jereissati, o juramento incluía o compromisso de desempenhar o mandato de forma “honesta” e “sempre na defesa intransigente da ética na atividade política e como cidadão”. O tucano, contudo, deixou o Senado sem que o relatório fosse votado.

Como novo relator, Lobão Filho suprimiu a versão que incluía o compromisso com a ética do juramento. No parecer, apresentado à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado em maio, o senador disse que a sugestão de mudança no juramento merecia ser acatada “parcialmente” para incluir “a expressão honesta”, mas não justificou a razão de rejeitar o trecho.

Decoro. Lobão também não acatou emenda que obrigaria a comunicação à Corregedoria de atos incompatíveis com o decoro ou com a compostura pessoal praticados fora das dependências da Casa Legislativa. O atual texto do regimento prevê que a denúncia seja encaminhada quando a quebra de decoro ocorrer dentro do prédio do Senado, o que foi mantido.

Entre as emendas acatadas pelo senador, está a que impede o pagamento de salário aos congressistas que “não compareceram à sessão em virtude de prisão processual criminal”.

O texto está pronto para votação na CCJ. O presidente da comissão, senador Vital do Rêgo (PB), é do mesmo partido de Lobão Filho – indicado pelo presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), quando líder. Se aprovado na CCJ, o texto segue para uma comissão temporária especial, mas há possibilidade de ir direto para o plenário.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Palavra ‘ética’ é retirada de novo código de conduta dos senadores

3 Comentários

  1. jesiel disse:

    ESTE LOBAO E MAIS UM SEM ETICA NO CENARIO POLITICO DO PAIS POR ISTO OS MOVIMENTOS SOCIAIS DEVEM A FAZER PROTESTO EM FRENTE DAS CASAS DESTES SEM VERGONHAS INDECENTES. SENADORES QUE TEM CARATER SAO PEDRO TAXI PEDRO SIMON RANDOLFO E MOZARILDO

  2. Rafael disse:

    Não estou surpreso, afinal “ética” nunca fez parte do vocabulário dessa gente. Não devem nem saber o que significa.

  3. Não promete agora com ética o mandato. Depois se explica à Justiça e fica tudo mais ou menos como sempre.

Deixe o seu comentário