Grupo aplica golpes por telefone em pacientes de hospitais de São Paulo

Pacientes do Sírio-Libanês e Albert Einstein já foram alvos.
Vítimas têm doenças como câncer e precisarão de remédios caros.

sirioPublicado no G1

Criminosos estão aproveitando o momento de fragilidade de quem tem parentes internados em hospitais para aplicar golpes por telefone. Na maioria das vezes, as vítimas têm doenças como câncer e vão precisar de remédios caros, ou acompanhamento médico depois da alta.

O golpe já foi aplicado em pelo menos dois grandes hospitais da capital. Ambos reconhecidos centros de excelência médica e locais de grande circulação de profissionais de saúde, pacientes e visitantes. Os bandidos ligam no apartamento do paciente cobrando honorários ou oferecendo medicamentos importados com desconto. Os hospitais reforçaram as orientações de segurança assim que souberam dos golpes.

No Sírio-Libanês, a administração do hospital chegou a entregar aos pacientes um comunicado alertando para a ação dos golpistas.”Além da presença de seguranças devidamente uniformizados e do monitoramento feito por câmeras de vigilância, a instituição mantém um sistema eletrônico para o registro da entrada e saída de visitantes em todas as recepções. Embora haja todos esses esforços, pessoas de má fé estão utilizando o telefone para obter vantagens financeiras indevidas”, diz o comunicado.

O informativo detalha o golpe:

– Uma pessoa que se faz passar por médico liga para o quarto do paciente e alega ter desconto junto a um laboratório, diz que vai repassar  o medicamento por um valor mais barato. E deixa um número de celular.

– Os próximos contatos são feitos via celular: ligação ou mensagens de texto.

Depois que o paciente faz o depósito da quantia pedida, o falso médico liga novamente, avisa que se enganou ao informar o valor e pede um segundo depósito.

Outro centro médico de referência onde o golpe foi aplicado é o hospital israelita Albert Einstein. O crime também foi motivo de alerta a médicos e pacientes. “Há alguns meses vêm ocorrendo uma modalidade de estelionato em hospitais brasileiros, em que pessoas inescrupulosas beneficiam-se da angústia e preocupação dos pacientes ou de seus acompanhantes para obter vantagens financeiras”, revela informativo do Hospital Albert Eistein.

Investigação
A polícia também orienta que as pessoas não aceitem as ofertas por telefone e não façam depósitos, sem antes checar com o hospital ou com o médico. Os casos já estão sendo apurados. A polícia quer saber como os bandidos tinham dados dos pacientes.

“A polícia investiga procurando, principalmente, rastrear os usuários das linhas telefônicas utilizadas e perceber se alguém poderia dar algum tipo de informação privilegiada para aquele que está praticando o delito”, afirma o delegado Paulo Cesar Freitas.

O golpe aplicado no Albert Einstein e no Sírio-Libanês já é de conhecimento da polícia. A investigação quer saber como os estelionatários têm informações sobre os pacientes a quem eles enganam. E para outras pessoas não caíam no golpe, fica o alerta.

“Devemos ter uma atenção redobrada quando a pessoa que oferta solicitar um adiantamento em dinheiro, ou depósito bancário, transferência bancária, porque são estratagemas, normalmente utilizada pelos estelionatários”, complementa Freitas.

Até agora, nenhum golpista foi identificado ou preso. O hospital israelita Albert Einstein informou que assim que tomou conhecimento da ação dos bandidos, avisou a polícia e desde então nenhum golpe foi aplicado mais. O  hospital Sírio-libanês  disse que tem conhecimento de que existem quadrilhas especializadas em tentar aplicar golpes por telefone em pacientes internados em instituições de saúde.

Também falou que adota medidas no sentido de prevenir essas ações com o objetivo de resguardar a segurança e o bem-estar dos pacientes. A produção do SPTV conversou com a filha de uma paciente que deu R$ 15 mil para os estelionatários. Ela não quis gravar entrevista.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Grupo aplica golpes por telefone em pacientes de hospitais de São Paulo

Deixe o seu comentário