Um Deus implacável

igreja-católica

Getty Images Brasil

 

Por João Mellão Neto, no Estadão

Tive a oportunidade de ler, uns 20 anos atrás, uma história que, por seu significado, muito me impressionou. Um dentista francês que fora tentar a sorte na América teve como um de seus primeiros clientes um cidadão que se trajava de modo austero e parecia homem de poucas palavras. O tratamento ia ser caro e demorado. Quando o odontólogo apresentou uma prévia do orçamento, o cliente abriu um sorriso amigável, passou-lhe um cartão de visita e foi logo dizendo: “Sou membro da Igreja Presbiteriana da Main Street e o senhor, se quiser, poderá tomar informações a meu respeito por lá”.

Nada mais disse, o que deixou o francês intrigado. Ao reportar o ocorrido a um colega mais afeto aos costumes locais, foi tranquilizado: o que o cidadão quis dizer foi: não se preocupe quanto ao pagamento. Tudo foi quitado religiosamente em dia e com isso o gaulês teve sua primeira aula de América. Ele pôde perceber que os americanos honravam, como se sagrada fosse, a palavra que empenhavam.

No início do século passado, em 1904, o sociólogo alemão Max Weber esteve na América. Seu objetivo era claro: desejava conferir pessoalmente algumas características do povo local que já desconfiava que existissem e de suas pesquisas tirou conclusões inéditas e surpreendentes, que não só elevaram sua obra A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo à condição da mais importante do século 20, como também transformou de vez toda a estrutura da sociologia até então existente – antes lastreada unicamente no marxismo e no conceito materialista de “luta de classes”.

Para Weber, a visão de Marx, apesar de seu potencial mobilizador – tanto que perdura até hoje -, nunca deixou de ser um whishful thinking, uma forma marota de atribuir ao próximo a responsabilidade por todas as nossas mazelas. Se a culpa é sempre dos outros, podemos todos nos eximir dos problemas. Nem sequer nos cabe fazer uma autocrítica sincera acerca de nossas eventuais deficiências.

Weber, que posteriormente escreveria um tratado sobre todas as principais religiões, chegou a conclusões opostas. Ao contrário de Marx, entendia que as raízes das nossas misérias, longe de ser materialistas, tinham todas elas um severo componente espiritual. Dependiam da nossa idealização de Deus.

Ao estudar o protestantismo, Weber notou que havia em quase todas as suas denominações um lugar-comum: Deus não perdoava as almas em função de sua vida aqui, na Terra; todos nós já teríamos um destino predeterminado antes mesmo de nascer e não teríamos nenhuma pista a respeito dele. O único indício sobre esse destino seria o grau de sucesso e prosperidade que viríamos a alcançar em nossos empreendimentos. Os ensinamentos de Weber extraídos do protestantismo inspiravam-se em suas vertentes mais radicais, representadas pelas palavras de João Calvino e alastradas pela América. Não por coincidência, foram os seguidores europeus e norte-americanos do teólogo franco-suíço os que lograram alcançar maior êxito na vida.

Segundo Weber, as virtudes associadas à honestidade, solidariedade, cumprimento fiel da palavra dada, somadas a trabalho duro e a padrões austeros de acumulação de riquezas, explicavam esse fenômeno: se todos agissem conforme tais normas, adquiririam já de início uma vantagem comparativa insuperável em relação aos demais.

A ética protestante, ademais, associava-se ao racionalismo na ciência, à jurisprudência, à observação somada à sistematização racional da administração pública. Era, por assim dizer, um desenvolvimento do Iluminismo. Essa ética ajudava, e muito, esse processo.

Paradoxalmente, foi a intransigência quanto aos usos e costumes o que mais contribuiu para seu êxito: aos cidadãos não era tolerado nenhum deslize. Qualquer escorregão ético era visto como um sinal evidente de que quem o cometera não estava entre os agraciados com a bênção divina. E isso não só torturava intimamente o pecador, como acarretava consequências sociais terríveis. As mais suaves implicavam o banimento do convívio em sociedade.

A quem deseje entender melhor esse fenômeno ouso recomendar um filme de décadas atrás chamado A Letra Escarlate. A trama é ambientada em Massachusetts, no século 17. Uma mulher jovem acredita ter perdido o marido (não me recordo das circunstâncias) e se apaixona por outro homem. Acontece que o marido não havia falecido. Tempos depois ele reaparece e a partir daí a vida dela se torna um inferno: as autoridades, para marcá-la como adúltera, ordenam que seja pregada em suas vestes uma enorme letra A de cor escarlate. A sociedade local, como era de prever, passou ostensivamente a evitá-la. E por muitas outras privações ela teve de passar antes que a morte viesse buscá-la.

Diante de toda essa severidade, o catolicismo ficava em desvantagem. Entre nós, católicos, existe o perdão. Isso torna a nossa religião mais humana, porque admite a redenção dos pecados, desde que o fiel demonstre sincero arrependimento. Somos mais tolerantes, mas pagamos um preço por isso.

Pelo sim, pelo não, o fato incontestável é que em quase todas as sociedades europeias são os protestantes que têm os melhores cargos, recebem os salários mais elevados e ocupam postos de liderança na comunidade. Isso não passou despercebido nem por Weber nem pelos pensadores que vieram depois.

Esse fenômeno significa que o protestantismo é, de alguma forma, superior ao catolicismo? Não há evidências sólidas para comprovar a tese. O que se pode afirmar com certeza é que o Deus dos protestantes é mais severo e intransigente que o Deus católico. O Deus protestante é intolerante e intransigente com seus fiéis. Já o Deus dos católicos se destaca por ser misericordioso, perdoar as nossas faltas, ser compreensivo com os pecadores. O Deus protestante conduz seus fiéis a um mundo sem pecado e com mais prosperidade. Mas, sem dúvida, é mais fácil amar o nosso Deus do que amar o Deus dos protestantes.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Um Deus implacável

2 Comentários

  1. Vanessa Vieira disse:

    Gostei da discussão proposta. Mas penso que a conclusão por usar fatos de generos extremos das citadas religiões não possibilitam a conclusão exposta. Creio que para definir um Deus assim ou assado teríamos que nos munir de outros fatores que fossem mais específicos.

  2. Elias Sena disse:

    O Deus protestante é mais tirano do que o Deus católico? O autor se esqueceu da Inquisição ?
    A tirania vem dos homens e não importa a religião inclusive se essa for ateu.
    Conceitos de perdão permeia todo o cristianismo, tanto católico como protestante, houve excessos de ambos os lados em ternos de puritanismo. Inclusive no catolicismo houve as indulgencias que em ultima analise é a venda do perdão e da misericórdia divina. Sendo assim como o Deus protestante pode ser mais severo e intransigente que o Deus católico?
    Por fim Deus não está preso a nenhuma instituição religiosa e sim solto e cheio de graça e misericórdia.

Deixe o seu comentário