Americana encontra pedido de ajuda de prisioneiro em produto ‘Made in China’

Julie Keith, que encontrou carta de prisioneiro em campo de trabalhos forçados dentro de decoração de Halloween, em Portland, Oregon

Julie Keith, que encontrou carta de prisioneiro em campo de trabalhos forçados dentro de decoração de Halloween, em Portland, Oregon

Publicado no The New York Times [via iG]

O pedido de ajuda, uma carta cuidadosamente dobrada dentro de um pacote de decoração de Halloween vendida em uma loja Kmart, viajou mais de 8 mil km da China até as mãos de uma mãe em Oregon, nos EUA.

Os rabiscos em um inglês vacilante diziam que o autor estava aprisionado em um campo de trabalho forçado numa cidadezinha do norte da China, onde se trabalha sete dias por semana, 15 horas por dia, sob vigilância de guardas sádicos.

“Se o senhor ocasionalmente comprar este produto, por favor, reenvie esta carta para a Organização Mundial de Direitos Humanos”, dizia o texto encontrado por Julie Keith em outubro. “Milhares de pessoas aqui, que estão sob perseguição do Partido Comunista, vão agradecer e lembrar para sempre.”

A carta chamou atenção internacional para o pouco transparente sistema chinês de “reeducação através do trabalho”, uma série de colônias penais em que pequenos criminosos, dissidentes religiosos e críticos do governo podem receber sentenças de até quatro anos sem julgamento.

Mas quem foi o autor da carta permaneceu um mistério, e foi objeto de especulação se ele era realmente um preso ou simplesmente um ativista criativo tentando chamar atenção para o problema.

Em maio, porém, durante uma entrevista sobre os campos de trabalho chineses, um ex-detento de Masanjia de 47 anos disse ser o autor da carta. O homem, morador de Pequim e membro do Falun Gong, grupo religioso banido, contou que aquela foi uma das 20 e poucas cartas que escreveu durante dois anos. Ele as colocava em embalagens de produtos com descrições em inglês, porque era provável que seriam enviadas ao Ocidente.

“Por muito tempo fantasiei sobre essas cartas sendo encontradas em outros continentes, mas com o tempo perdi minhas esperanças e me esqueci delas”, disse ele, que pediu para ser identificado apenas como Zhang.

Prédio administrativo do campo de trabalhos forçados de Masanjia, China

Prédio administrativo do campo de trabalhos forçados de Masanjia, China

Ele conhece bem as práticas do campo em questão. Sua letra e seu modesto conhecimento de inglês batem com os da carta. Se o que contou Zhang realmente explica a origem do pedido, o fato representa uma das mais bem-sucedidas campanhas dos seguidores do movimento Falun Gong, conhecidos por tentativas de constranger publicamente o governo da China, que os tornou ilegais em 1999.

Encorajados por um raro debate aberto sobre o futuro dos campos de reeducação através do trabalho na China, muitos ex-detentos vieram a público contar suas histórias. Em entrevistas com mais de dez que cumpriram penas nesses campos, eles descreveram um catálogo de abusos horríveis, incluindo espancamentos frequentes, privação de sono, e sobre prisioneiros acorrentados em posições dolorosas por semanas.

Muitos contaram sobre a morte de colegas, seja por suicídio ou por doenças não tratadas pelos responsáveis do local. “Às vezes os guardas me arrastavam pelos cabelos, ou colocavam bastões de choque na minha pele por tanto tempo que o cheiro de carne queimada enchia a sala”, conta Chen Shenchun, 55 anos, sentenciada a dois anos por cobrar salários não pagos de uma fábrica estatal.

Segundo os ex-presidiários, quase metade da população de Masanjia é composta de praticantes do Falun Gong ou membros de outras igrejas. Há também prostitutas, viciados em drogas e ativistas que causam problemas às autoridades. Todos concordam que os piores abusos eram destinados aos membros do Falun Gong que se recusavam a renunciar a sua fé.

As autoridades de Masanjia não responderam aos pedidos de entrevistas. Guardas abordados durante um intervalo de trabalho também se recusaram a responder perguntas. Um deles, no entanto, fez uma “correção” na forma em que a pergunta foi elaborada: “Não há prisioneiros aqui. São todos estudantes.”

Executivos da Sears Holdings, dona da Kmart, não quiseram dar entrevista. Em uma breve declaração, o porta-voz da companhia disse que a investigação interna lançada após a descoberta da carta não encontrou nenhuma violação das regras da companhia, que barram o uso de trabalho escravo. Ele se recusou a dar o nome da fábrica chinesa que produziu o item decorativo.

Os subterfúgios de Zhang para escrever a carta foram arriscados. Proibido de ter canetas e papéis, ele roubou alguns itens de um escritório durante uma limpeza que fez. Ele escrevia enquanto seus colegas de cela estavam dormindo. Ele enrolava as cartas e as escondia nas barras de ferro do beliche até que produtos destinados ao exterior estivessem prontos para ser embalados.

Julie comprou o produto em 2011, mas só o abriu no ano seguinte. “Quando abri a caixa e minha filha encontrou a carta, duvidei que fosse verdade. Mas então pesquisei no Google ‘Masharjia’ e vi que esse não era um lugar bacana”, conta. Em dezembro, ela enviou a carta para uma agência do governo americano, que informou que investigaria o caso. Um porta-voz, que alegou questões processuais para não poder confirmar se a investigação em andamento, afirmou que casos como esses costumam levar muito tempo para ser averiguados.

Por Andrew Jacobs

dica do Ailsom Heringer

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Americana encontra pedido de ajuda de prisioneiro em produto ‘Made in China’

Deixe o seu comentário