Wi-Fi do vizinho é canal de acesso a web para 7,1 mi de brasileiros, diz estudo

Prática é mais frequente na classe média, diz pesquisa do Data Popular.
Compartilhamento de sinal de internet é alvo de contestação na Justiça.

termas-2_21189227Publicado originalmente no G1

Apesar de ser alvo de contestação na Justiça, o wi-fi do vizinho é a porta de entrada para a internet para 7,1 milhões de brasileiros, de acordo com um levantamento divulgado nesta segunda-feira (16) pelo instituto de pesquisas Data Popular.

Para apurar as informações, a consultoria ouviu 2 mil pessoas de cem cidades, espalhadas por todos os Estados e Distrito Federal, em junho de 2013.

A prática é mais amplamente difundida entre internautas da classe média. Considerando apenas as pessoas que se enquadram nessa faixa de renda, 10% afirmaram ter acesso à internet via Wi-Fi do vizinho, enquanto o percentual é de apenas 4% entre as classes alta e baixa.

Segundo o Data Popular, o compartilhamento ocorre sobretudo quando as velocidades dos pacotes de internet são mais elevadas, o que explicaria a baixa presença do recurso entre a classe baixa.

Outra razão, aponta a consultoria, é a maior proximidade entre os vizinhos de classe média, o que faz com que apenas um contrate o serviço e o compartilhe com os outros. Nesse sentido, tem força a visão nessa classe de que a banda larga é um investimento, que eleva o fluxo de informação e amplia as possiblidades de trabalho.

O assunto vem sendo contestado na Justiça. Na última sexta-feira (13), o Tribunal Regional Federal da 1ª Região negou um recurso do Ministério Público Federal (MPF) que considerava crime o compartilhamento de sinal de internet.

O MPF argumentava que a prática é uma “atividade de telecomunicação” e repassar a terceiros é exploração clandestina da atividade. Isso infringiria a Lei Geral das Telecomunicações (lei nº9.472/1997), resultando em penas de dois a quatro anos aos infratores, que pode ser aumentada em até 50% caso haja dano a terceiros, além de multa de R$ 10 mil. O TRF, porém, refutou a tese, afirmando que se trata de “serviço de valor adicionado”.

Jovens
Já na segmentação por idade, os jovens são os que mais utilizam o Wi-Fi do vizinho. Entre os entrevistados entre 16 e 25 anos, 21% disseram fazer o compartilhamento. A quantidade de adeptos cai conforme aumenta a idade: 8% das pessoas entre 26 e 39 anos; 3%, entre os que têm de 40 a 59 anos e nenhuma ocorrência entre internautas maiores de 60 anos.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Wi-Fi do vizinho é canal de acesso a web para 7,1 mi de brasileiros, diz estudo

Deixe o seu comentário