“Entre a cruz e o arco-íris”: novo livro de Marília César mostra a complexa relação dos cristãos com a homoafetividade

Entre a cruz_1609_ricardo.inddComo alguém que é homossexual pode expressar sua fé cristã publicamente?
Seria esse um direito negado a quem não é heterossexual?

É a homoafetividade um pecado sem perdão, e que exclui da religião todos os que são assim? Existiria “cura”? Como as igrejas tratam os gays?

De questionamentos como esses nasceu este livro, uma reportagem contundente e abrangente sobre a complexa relação entre os cristãos, especialmente os evangélicos, e a homossexualidade.

Em um tom jornalístico fluido e investigativo, a jornalista Marília de Camargo César traz à tona fatos e informações a partir de pesquisas sólidas em fontes históricas, nas quais procura a origem do pensamento de exclusão social e religiosa dos homossexuais pelos cristãos.

Além disso, evidencia sentimentos e opiniões sobre o tema por meio de dezenas de entrevistas com religiosos, pastores, gays, ex-gays, ex-ex-gays, familiares, historiadores, teólogos, psicólogos, sociólogos e especialistas da área médica e das ciências humanas.

O resultado é um mosaico de histórias profundamente humanas, que mostram, além de argumentos e discussões em torno de questões polêmicas, muitos conflitos e atitudes causadoras de sofrimento.

É a riqueza de pontos de vista, no entanto, que lança mais luz à questão: leituras fundamentalistas do livro sagrado, leituras mais liberais da chamada teologia inclusiva, relatos de gays ateus, posturas dos que optaram pela castidade para professar sua religião e opiniões de quem entende que fé tem pouco a ver com orientação sexual.

A dúvida que pode emergir de uma discussão assim talvez consiga romper a casca rígida das certezas cristalizadas e definitivas e origine uma nova visão de mundo com menos dor e mais humanidade.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for “Entre a cruz e o arco-íris”: novo livro de Marília César mostra a complexa relação dos cristãos com a homoafetividade

9 Comentários

  1. Romanos 1:20 Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis;
    21 porquanto, tendo conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças; antes, se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurecendo-se-lhes o coração insensato.
    22 Inculcando-se por sábios, tornaram-se loucos
    23 e mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, bem como de aves, quadrúpedes e répteis.
    24 Por isso, Deus entregou tais homens à imundícia, pelas concupiscências de seu próprio coração, para desonrarem o seu corpo entre si;
    25 pois eles mudaram a verdade de Deus em mentira, adorando e servindo a criatura em lugar do Criador, o qual é bendito eternamente. Amém!
    26 Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza;
    27 semelhantemente, os homens também, deixando o contacto natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro.

  2. Levítico 18.22 Não se deite com um homem como quem se deita com uma mulher; é repugnante.

    Levítico 20.13 Se um homem se deitar com outro homem como quem se deita com uma mulher, ambos praticaram um ato repugnante. Terão que ser executados, pois merecem a mor­te.

    1 Coríntios 6.10 Não erreis: Nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão Reino de Deus.

    1 Timóteo 1:10-11 Para os devassos, os sodomitas, os roubadores de homens, os mentirosos, os perjuros, e para tudo que for contrário à sã doutrina, segundo o evangelho da glória do Deus bendito, que me foi confiado.

  3. thiago barbosa disse:

    Ventilar versículos fora do contexto é fácil e cômodo! As Escrituras deve ser estudas através das lentes do “AMOR”! Conhecer o coração de Deus é o mais importante quando se tratar de qualquer assunto que diz respeito a pessoas. Sabe o que Deus tem no coração? PESSOAS.
    O amor é suficiente para gerar um novo coração em quem quer que seja, para esclarecer qualquer obscuridade e para tocar os intocáveis!
    Não tenha o prazer na condenação!!! Apenas ame. O amor é mais que suficiente, pois é a essência de Deus.

    • Rsss… Bonitas palavras meu caro, mas infelizmente para você, não citei nenhum versículo fora de contexto. Se você conhecesse o contexto bíblico, jamais diria isso!
      Apelar para o sentimentalismo das pessoas fazendo-as desprezar o conhecimento é muito cômodo.
      Sou teólogo e estudo a Bíblia profundamente com as lentes da IMPARCIALIDADE.
      Falo da mesma maneira a qualquer grupo de pessoas, indistintamente.
      E infelizmente para aqueles que acham que só existe amor na essência de Deus, existem muitas coisas e uma não pode negar a outra. Todos os atributos de Deus têm apenas um único limite: ele jamais pode negar-se a si mesmo.
      A Bíblia é clara quando afirma que Deus criou o homem para a mulher e vice-versa, assim como é clara que qualquer desvio da heterosexualidade é tido por Deus como algo inaceitável.
      O mesmo Deus que é amor também é justiça e é o mesmo que afirma que julgará cada um de acordo com seus atos, aceitando alguns e rejeitando outros.
      Portanto meu caro, esse discurso pode ser qualquer coisa, menos fundamentado nos princípios bíblicos!
      Não tenho prazer nenhum na condenação, tenho na verdade! Jesus foi crucificado porque pregava a verdade e todos os apóstolos depois dele foram perseguidos pelo mesmo motivo.
      Quem é que quer jogar na cadeia qualquer pessoa que não aceita seu estilo de vida, por acaso são os cristãos? Que eu saiba são os ativistas homosexuais com seu projeto de lei.
      Nunca houve no mundo qualquer outro projeto de lei semelhante a esse, nenhum outro grupo no mundo nunca exigiu prisão a quem os critica e só foram vistas leis semelhantes nos regimes ditatoriais, quando alguém se manifesta contra o governo.
      Então quem é que tem prazer na condenação?

      • Thiago Barbosa disse:

        “Sou teólogo”, “prazer na verdade”, os fariseus também eram excelentes teólogos, zelosos naquilo que acreditavam, uma conduta até louvável, mas quando o próprio AMOR se materializou na frente deles, nao O reconheceram!!!! A verdade tem que ser dita com amor, se esta nao vier acompanhada de amor, deixou de ser verdade! Deus lutará por aqueles que sofrem tal fragilidade até o ultimo minuto! “O que vir a Mim, de maneira alguma lançarei fora…” Todos que se achegarem junto ao coração de Deus, encontrará o seu lugar, e sobretudo, será transformado pelo calor do Seu abraço!
        Esfregar a sentença na cara de um condenado nao produz arrependimento, vontade de vencer ou qualquer atitude que faça mudar….
        Se conhececemos o poder restaurador do amor, deixaríamos de lado nosso discurso condenatório envolto em uma falsa capa de “verdade”
        Cristo é a verdade, fixe seu olhar no olhar de Cristo! Para toda fraqueza ele tem alento, para toda duvida Ele tem resposta, para toda dor Ele tem remédio….procure enxergar seu semelhante, teólogo, do ponto de vista Daquele que é o próprio amor.

        • Excelente resposta amigo! Concordo com todas as palavras que disse.
          Como cristão ou teólogo, isso não importa, nunca deixo de pregar a mensagem do amor de Deus a qualquer pessoa, inclusive homosexuais. E nunca ouvi falar que qualquer igreja no mundo tenha se negado a receber qualquer pessoa, inclusive homosexuais, em seus cultos para ouvir a mensagem do amor de Deus.
          Realmente Jesus não negará seu amor a ninguém que vier a ele, mas ele também não salvará a todo e qualquer um que o chamar de Senhor! Porém existem critérios para ser considerado cristão, definidos na Bíblia, muitos nas próprias palavras de Jesus. Quem não se enquadra nesses critérios, simplesmente não é cristão.
          O fato em questão não é oferecer ou não amor, e sim poder ou não poder ser cristão e continuar sendo homosexual.

          Mas você não respondeu minhas perguntas, usou uma bela evasiva, comum em todos os que defendem o assunto.
          Porém, a verdade não se resume somente ao que você disse. Tudo o que você disse é apenas uma pequena parte da verdade.
          Não vou nem tocar no assunto teologia, vou usar apenas lógica e bom senso aqui.
          Mais algumas perguntas para você tentar responder:

          1 – Você por acaso não se lembra que quando era menino e não tinha entendimento das coisas algumas vezes fez birras para forçar seus pais ou responsáveis a atenderem seus desejos?
          2 – Não se lembra que muitas vezes a resposta foi não, às vezes acompanhado de uma boa bronca e talvez até algumas palmadas?
          3 – Por que eles fizeram isso? Eles não te amavam?
          4 – E se eles tivessem se rendido a todas as suas birras e te dessem tudo o que você desejou, isso seria amor? E você teria crescido entendendo que não se pode ter tudo na vida e que ninguém é obrigado a fazer tudo o que você quer?
          5 – Quantas pessoas já ofereceram amor a outras pessoas que se aproveitaram disso apenas para se beneficiar ou satisfazer desejos egoístas? O amor impediu que essas pessoas fossem egoístas e conquistou-as?

          Tenho amigos e conhecidos de uma diversidade enorme entre as pessoas, brancos, negros, orientais, homens, mulheres, fiéis de diversas religiões, inclusive homosexuais. Todos me respeitam e respeito a todos, compreendemos nossas diferenças e as respeitamos. E é exatamente aí que está a resposta!
          Todas as pessoas inteligentes, assim como Deus, amamos as pessoas, indistintamente e entendemos as diferenças. Nunca exigimos que os homosexuais fossem jogados na cadeia por não concordarem com nossa “teologia”, mas é o que os ativistas querem fazer com todos aqueles que não concordam com o estilo de vida homosexual.
          São crianças fazendo birra e batendo o pé querendo que todo o mundo se dobre aos seus desejos egoístas.
          O engraçado é que qualquer pessoa inteligente percebe que a “causa” deles, gira completamente em torno do cristianismo. Tudo o que eles querem é forçar Deus e a igreja a aceitarem aquilo que a Bíblia diz claramente não condizer com a fé cristã.
          Qualquer pessoa inteligente percebe que eles não estão pedindo amor, meu caro, estão desejando ser superiores a todas as outras pessoas no mundo, com direitos exclusivos que ninguém mais tem. Eles querem ser deuses!
          Mas nós, que os amamos, sabemos que às vezes é necessário dar algumas broncas ou palmadas para as crianças aprenderem a verdade, e isso de maneira nenhuma é falta de amor!

          • Thiago Barbosa disse:

            Nos apresentaram um Deus que dá broncas e palmadas e o pior é que nos acostumamos com essa idéia. “Bronca” pode servir para uma criança que deu birra no supermercado ou que descumpriu as regras! Elas têm o seu lugar e efeito nessa fase da vida, mas nao quando se está lidando com adultos. Deus nos trata como adultos. Ele usa métodos mais eficazes que “palmadas”, posto que conhece nossa estrutura!
            O amor dispensado por alguém pode ser que seja desprezado ou usado para fins egoísta sim, mas quando alguem enxerga o amor declarado e insistente de Deus, isso inspira retidão.
            Nao temos que respeita-los esperando que eles respeitem “nossa teologia”. O caminho para o coração de Deus tem que ser apontado, tem que ensina-los a tomar a Cruz e seguir a Jesus certos de que vai valer a pena, ao invés de uma teologia insegura, cheia de “se” e “talvez”. É fácil falar de um sentimento que não está latente no seu coração, sr. Teólogo! Acredito que todos tem que se responsabilizar por si, ainda há um dever, mas é inaceitável a idéia de um Deus que escreve essas verdades no coração de alguém com “disciplinas e mais disciplinas” fazendo-as “pagar o preço”. Bronca para adulto tem prazo de validade, enquanto ensinar a justiça levando em conta as limitações e tendências de alguém, gera consequências eternas…é assim que Jesus fazia, se caso o senhor nao esteja lembrado.
            O amor puro e simples do Pai ainda é o meio mais poderoso para mudar o coração de alguém!!!!
            Despoje-se da sua teologia complicada e apaixone-se pelas pessoas, tal como o SENHOR!

          • Thiago Barbosa disse:

            Ps: quanto a ativistas, só querem fazer barulho, arrombar a porta da igreja! Deixe-os!!!! O que estamos falando é de centenas de homens e mulheres que amam a Deus com sinceridade e o serve, mas que tem a tendência homossexual!

  4. PEDRO SILVA disse:

    16 – Porque Deus amou tanto o mundo que deu seu Filho único, para que todo aquele que nEle crer não pereça, mas tenha a vida eterna. 17 – Deus não enviou o Filho dEle para condenar o mundo, mas para salvá-lo. 18 – Não há condenação eterna reservada para aqueles que confiam nEle como Salvador. Mas aqueles que não confiam nEle como Salvador, já foram julgados e condenados por não crerem no Filho único de Deus. 19 – A sentença deles está baseada neste fato: a Luz do céu veio ao mundo, porém eles amaram mais a escuridão do que a Luz, porque a obra deles eram más. 20 – Eles odiaram a Luz celeste porque queriam pecar na escuridão. Ficaram longe daquela Luz, com medo dos seus pecados serem revelados e eles castigados. 21 – Mas aqueles que se comportam bem, têm prazer em vir para a Luz, a fim de que todo mundo veja que eles estão fazendo o que Deus quer”.

    24. Então Jesus disse aos discípulos: “Se alguém quer ser um dos meus seguidores, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-Me”. 25. “Porque todo aquele que conserva a sua vida para si mesmo, vai perdê-la; e todo aquele que perder a sua vida por Mim, vai achá-la novamente”. 26. “Que vantagem há em alguém ganhar o mundo inteiro – e perder a vida eterna? Que é que se pode comparar com o valor da vida eterna?”

Deixe o seu comentário