Universitário se recusa a fazer trabalho sobre Marx e escreve carta

Jovem diz que foi uma forma de protesto por universidade sem doutrinação.
Universidade na qual ele estuda não vai ser pronunciar sobre o caso.

Géssica Valentini, no G1

Aluno estuda Relações Internacionais (foto: Paula Meira/Arquivo Pessoal)

Aluno estuda Relações Internacionais
(foto: Paula Meira/Arquivo Pessoal)

Um estudante universitário de Santa Catarina se recusou a fazer um trabalho sobre cientista político e economista alemão Karl Marx e resolveu escrever uma carta ao professor do curso de Relações Internacionais e divulgar o conteúdo na internet.

A carta, segundo João Victor Gasparino da Silva, de 22 anos, foi uma forma de protestar. “Queria uma universidade com o mesmo espaço para todas as ideias e ideologias, sem proselitismo, sem doutrinação”, explicou. A Universidade do Vale do Itajaí (Univali), na qual o jovem estuda, disse que não vai se pronunciar sobre o assunto.

Segundo João Victor, que estuda Relações Internacionais, o pedido do professor foi para que os estudantes respondessem três questões sobre a teoria de Marx. Ele contou que chegou a pensar em responder de forma neutra, mas mudou de ideia. “Algo me segurava, nem cheguei a considerar dar a minha opinião no trabalho. Até que veio a ideia da carta”, disse.

Conforme o estudante, o protesto não foi contra o professor, mas foi uma forma de demonstrar descontentamento em relação à academia. “Faz tempo que estou indignado com o que vem acontecendo em nosso país. Os meios acadêmicos e culturais cada vez mais fechados, os intelectuais de direita cada vez mais lançados ao ostracismo. Resolvi ser a voz de brasileiros que não encontravam espaço para se manifestar, seja por falta de meios, seja pelo próprio medo”, disse.

Ao escrever a carta, o estudante disse que já sabia que iria divulgar na internet, não seria apenas destinada ao professor da disciplina. “Uma amiga blogueira do Maranhão sugeriu divulgar na internet, ela se encarregou disso. Se nosso país realmente tivesse um meio acadêmico e cultural ideologicamente equilibrado, não seria tão necessária esta carta”, argumentou.

Confira abaixo a íntegra da carta
Caro professor,

Como o senhor deve saber, eu repudio o filósofo Karl Marx e tudo o que ele representa e representou na história da humanidade, sendo um profundo exercício de resistência estomacal falar ou ouvir sobre ele por mais de meia hora. Aproveito através deste trabalho, não para seguir as questões que o senhor estipulou para a turma, mas para expor de forma livre minha crítica ao marxismo, e suas ramificações e influências mundo afora. Quero começar falando sobre a pressão psicológica que é, para uma pessoa defensora dos ideais liberais e democráticos, ter que falar sobre o teórico em questão de uma forma imparcial, sem fazer justiça com as próprias palavras.

Me é uma pressão terrível, escrever sobre Marx e sua ideologia nefasta, enquanto em nosso país o marxismo cultural, de Antonio Gramsci, encontra seu estágio mais avançado no mundo ocidental, vendo a cada dia, um governo comunista e autoritário rasgar a Constituição e destruir a democracia, sendo que foram estes os meios que chegaram ao poder, e até hoje se declararem como defensores supremos dos mesmos ideais, no Brasil. Outros reflexos disso, a criminalidade descontrolada, a epidemia das drogas cujo consumo só cresce (São aliados das FARCs), a crise de valores morais, destruição do belo como alicerce da arte (funk e outras coisas), desrespeito aos mais velhos, etc. Tudo isso sintomas da revolução gramscista em curso no Brasil. A revolução leninista está para o estupro, assim como a gramscista está para a sedução, ou seja, se no passado o comunismo chegou ao poder através de uma revolução armada, hoje ele buscar chegar por dentro da sociedade, moldando os cidadãos para pensarem como socialistas, e assim tomar o poder. Fazem isso através da educação, o velho e ‘’bom’’ Paulo Freire, que chamam de ‘’educação libertadora’’ ou ‘’pedagogia do oprimido’’, aplicando ao ensino, desde o infantil, a questão da luta de classes, sendo assim os brasileiros sofrem lavagem cerebral marxista desde os primeiros anos de vida. Em nosso país, os meios culturais, acadêmicos, midiáticos e artísticos são monopolizados pela esquerda a meio século, na universidade é quase uma luta pela sobrevivência ser de direita.

Agora gostaria de falar sobre as consequências físicas da ideologia marxista no mundo, as nações que sofreram sob regimes comunistas, todos eles genocidas, que apenas trouxeram miséria e morte para os seus povos. O professor já sabe do ocorrido em países como URSS, China, Coréia do Norte, Romênia e Cuba, dentre outros, mas gostaria de falar sobre um caso específico, o Camboja, que tive o prazer de visitar em 2010. Esta pequena nação do Sudeste Asiático talvez tenha testemunhado o maior terror que os psicopatas comunistas já foram capazes de infligir sobre a humanidade, primeiro esvaziaram os centros urbanos e transferiram toda a população para as zonas rurais. As estatísticas apontam para uma porcentagem de entre 21% a 25% da população morta por fome, doenças, cansaço, maus-tratos, desidratação e assassinadas compulsoriamente em campos de concentração no interior. Crianças também não escaparam, separadas dos pais, foram treinadas para serem ‘’vigias da Revolução’’, denunciando os próprios familiares, quando estes cometiam ‘’crimes contra a Revolução’’. Quais eram os crimes? Desde roubar uma saca de arroz para não morrer de fome, ou um pouco de água potável, até o fato de ser alfabetizado, ou usar óculos, suposto sinal de uma instrução elevada. Os castigos e formas de extermínio, mais uma vez preciso de uma resistência estomacal, incluíam lançar bebês recém-nascidos para o alto, e apanhá-los no ar, utilizando a baioneta do rifle, sim, isso mesmo, a baioneta contra um recém-nascido indefeso.

Bem, com isto, acho que meu manifesto é suficiente, para expor meu repúdio ao simples citar de Marx e tudo o que ele representa. Diante de um mundo, e particularmente o Brasil, em que comunistas são ovacionados como os verdadeiros defensores dos pobres e da liberdade, me sinto obrigado a me manifestar dessa maneira, pois ele está aí ainda, assombrando este mundo sofrido.

Para concluir gostaria de citar o decálogo de Lenin:

1. Corrompa a juventude e dê-lhe liberdade sexual;
2. Infiltre e depois controle todos os veículos de comunicação em massa;
3. Divida a população em grupos antagônicos, incitando-os a discussões sobre assuntos sociais;
4. Destrua a confiança do povo em seus líderes;
5. Fale sempre sobre Democracia e em Estado de Direito mas, tão logo haja oportunidade, assuma o Poder sem nenhum escrúpulo
6. Colabore para o esbanjamento do dinheiro público; coloque em descrédito a imagem do País, especialmente no Exterior e provoque o pânico e o desassossego na população;
7. Promova greves, mesmo ilegais, nas indústrias vitais do País;
8. Promova distúrbios e contribua para que as autoridades constituídas não as coíbam;
9. Contribua para a derrocada dos valores morais, da honestidade e da crença nas promessas dos governantes, nossos parlamentares infiltrados nos partidos democráticos devem acusar os não-comunistas, obrigando-os, sem pena de expô-los ao ridículo, a votar somente no que for de interesse da causa;
10. Procure catalogar todos aqueles que possuam armas de fogo, para que elas sejam confiscadas no momento oportuno, tornando impossível qualquer resistência à causa.

Obrigado, caro professor, pela compreensão.

Ass.: João Victor Gasparino da Silva

dica do Leandro Miranda da Gloria

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Universitário se recusa a fazer trabalho sobre Marx e escreve carta

8 Comentários

  1. Luis Borbon disse:

    Sr. João Silva,
    desde já dou-lhe os meus parabéns pelo seu acto de coragem ao escrever esta carta num exame.
    Vou escrever na qualidade de Diplomata, a sua carta atravessou o Oceano e chegou a Europa com aplausos de vários Paises, o Sr. está certo em tudo o que escreveu e não escutei até agora ninguém aqui no velho Continente acrescentar uma unica frase ao seu discurso. Coclua os seus estudos e venha trabalhar para a Europa pois o seu pensamento está avançado 100 anos em relação aos cérebros dos Exmos Senhores que fizeram os anteriores comentários ao meu. Para eles só tenho a dizer uma coisa agum dos comentadores sabe o que é Socialismo e Comunismo?
    Convido-os a visitarem Paises como Estónia, Letónia, Lituânia, Polónia, pois vão ainda encontrar cravadas nas paredes de milhares de edificios balas e outros projecteis utilizados pelos ideais que V. Exas defendem.
    Comunismo e Socialismo são doença.
    Os meus parabéns em nome de uma Europa que lhe abre as portas pela sua inteligência e frontalidade.
    Bravo meu caro!

    • Ronaldo disse:

      Luiz Borbom, você demonstra ser um ególatra patológico. O pseudo intelectual que menospreza as pessoas. Sua fala denota seu perfil: reacionário de extrema direita. Sabemos sim o que é o socialismo.
      Sabemos também que ele é a única forma de governo que tornará o futuro possível para os irmãos despossuidos e explorados por pessoas com você. Vá para sua Europa falida. Vá se fartar de licores e caviar com gosto de mofo da burguesia.

  2. Luis Borbon disse:

    É de lamentar o meu comentário ter sido censurado, o que demonstra mais uma vez que muitas coisas têm de mudar no Brasil.
    Apenas como Diplomata felicitei o jovem autor da carta.
    Agradeço que o meu comentário seja exibido pois a vossa liberdade de censurar acaba onde a minha de me expressar começa.
    E não publicar um comentário de um Diplomata pode levantar alguns amargos de boca.

    • Ronaldo Castro disse:

      Diplomata que apoia o que não sabe. E só o fez, porque deve ser um tucano raivoso e derrotado , que treme de raiva em ter visto um operário no poder, por duas vezes e uma mulher socialista no poder.

  3. Rafael disse:

    Parabéns pela coragem.
    Pobre Brasil …

  4. Ronaldo disse:

    Democracia tupiniquim. Todos os meus comentários foram censurados. Reacionários!!!! Eu e meus amigos , denunciaremos em todos os links possíveis a falta de democracia desse blog. Au revoir!!!

  5. Ronaldo disse:

    Ernani, eu não tenho ” chapa”, tenho camaradas. Os famélicos do mundo capitalista não vão para os países socilaistas, justamente por não terem o vil metal para se locomoverem e por serem manipulados pela imprensa pig, financiada pelo grande capital. Biba la revolucion cubana! !!

Deixe o seu comentário