Carta ameaça migrantes baianos em cidade de Santa Catarina

Publicado no A Tarde

Uma carta intitulada “aviso para os baianos” circula nas redes sociais na última semana em tom de ameaça aos baianos que moram em Brusque, em Santa Catarina. No documento, que não é assinado, os moradores ameaçam matar os migrantes que, de acordo com eles, “perturbam o sossego” da população local.

A carta diz que Brusque foi invadida nos últimos cinco anos “por migrantes de outros estados, principalmente da Bahia, das cidades de Itabuna, Ilhéus e Buerarema”. De acordo com o documento, a maioria desses migrantes está “incomodando a vida dos moradores locais fazendo um inferno como: ouvir música em alto volume”.

O aviso diz que foi formado um grupo com 28 pessoas para “dar um basta nessa situação”. Eles alegam que fizeram um levantamento e identificaram 34 carros e 22 motos de baianos, que, de acordo com eles, são desordeiros. O grupo afirma também que guarda fotos dessas pessoas.

No alerta, os moradores dizem que pretendem “eliminar” essas pessoas, matando os migrantes. A assessoria da Polícia Civil de Santa Catarina disse que não foi registrado Boletim de Ocorrência (B.O) sobre o caso, o que impede que a suposta ameaça seja investigada.

carta3dica do Eliézer e do Sidnei Carvalho de Souza

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Carta ameaça migrantes baianos em cidade de Santa Catarina

2 Comentários

  1. Marcílio F. da Costa Pereira disse:

    Expor que um punhado de idiotas falam por uma cidade é lastimável equívoco. Santa Catarina como um todo é extremamente hospitaleira. E estes 28 que se cuidem, pois vão enfrentar uma ação de todos os moradores de SC caso algo fizerem….Marcílio F. da Costa Pereira (Natural de Volta Redonda\RJ, em SC e PR há mais de vinte e cinco anos. )

  2. Rafael disse:

    Aqui na minha cidade, no RS, também estamos sofrendo com som alto.
    Se são “estrangeiros” ou não, não sei, mas que precisaria haver uma solução pra isso, precisaria.
    Mas este é o Brasil, o país onde todos tem “dereitos”, mas ninguém tem deveres.

Deixe o seu comentário