A demonização da cultura negra

afro

Por Hermes Fernandes, no Cristianismo Subversivo

Anos atrás, uma de nossas congregações resolveu fazer uma apresentação na Sede da Reina homenageando a cultura negra. Mulheres vestidas a caráter começaram a dançar ao ritmo dos tambores, bem ao estilo africano. Por ser uma festa, tínhamos a presença de irmãos de muitas igrejas. Nem todos demonstravam o correto discernimento do que ocorria ali. Não demorou muito para que se ouvissem murmurinhos e expressões do tipo “tá amarrado”. Aquilo me deixou tão incomodado, que ao término da apresentação (que incluiu um grupo de capoeira), tive que chamar a atenção dos que murmuravam.

Por que insistimos em demonizar a cultura africana? Suas danças, música, folclore e tradições são entendidas como expressões malignas. Nossa contradição, todavia, é exposta ao nos referirmos às tradições religiosas nórdicas, celtas, anglo-saxônicas e greco-romanas como mitologia. Quanto preconceito ainda há em nós!

A única coisa que poupamos da cultura africana é a sua comida, desde que não seja servida por uma baiana de roupa branca e turbante.

Pensando bem, nunca encontrei uma passagem bíblica em que Jesus ou os apóstolos se referissem aos espíritos malignos com nomes de divindades dos panteões pagãos. Jamais flagrei os apóstolos expulsando um espírito de Júpiter ou Diana. Então, por que identificamos as divindades cultuadas nos terreiros como demônios? Por que não podemos enxergá-las apenas como mitologia, como fazemos com Zeus, Thor e Hermes?

Que há espíritos malignos por trás de qualquer culto idólatra, não me atrevo a duvidar. Inclusive por trás de muita devoção popular católica e da velada idolatria evangélica. Os demônios buscam adoração, e para isso, escondem-se por trás de figuras mitológicas e de crendices de qualquer credo.

Não duvido que haja demônios ocultos em muitas das práticas evangélicas de hoje em dia, principalmente quando envolve os chamados “pontos de contato”.

O culto genuíno é aquele que prescinde de objetos, sejam da devoção afro-brasileira como patuás, banhos mágicos e etc., sejam do espírito judaizante imperante em muitas igrejas como shofar, arcas da aliança, montes e etc. O culto que agrada a Deus se dá em Espírito e em Verdade, e não em superstições e amuletos.

Proponho que tratemos os elementos de qualquer culto como mera mitologia, sem, contudo, faltar-lhes o devido respeito. Mas que, em contrapartida, mantenhamos puro o culto que prestamos a Deus, sem nos apropriar indevidamente de qualquer um desses elementos, nem para o mal, nem para o bem.

Viva a cultura negra! Muito de sua mitologia encerra importantes arquétipos que revelam a natureza humana em toda a sua ambiguidade. Não os reconhecemos como deuses, mas também não os chamamos de demônios. Demônios são os que se escondem por trás de todo engano, ódio e preconceito, ainda que para isso se façam passar até por Jesus Cristo.

Aproveitando um comentário deixado em meu perfil no facebook pelo meu amigo Gilmar, “se fizessem um filme intitulado “Xango de Ife”, onde um personagem negro, portando um machado de dois gumes, vindo de Aruanda e que controla os raios e os trovões, certamente seriam execrados pelos “cristãos”. Mas, se o filme se chama Thor, deus nórdico a quem se sacrificavam homens, mulheres, crianças, cavalos e se penduravam em carvalhos, se põe um louro bonitão para protagonizar, e que como Xango, Zaze, Sumbo ou qualquer que seja o nome africano dado ao rei divinizado de Ife, controla o raio e o trovão, esse e visto sem peso de consciência. Prefiro Xango a Thor! A ele são sacrificados pombos, galinhas de angola, acaraje e caruru, não seres humanos.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for A demonização da cultura negra

Deixe o seu comentário