Entregues à morte todos os dias

Ed René KivitzDon't kill Christians

As coisas mudam quando colocadas em perspectivas. Para o obeso, o pão é tentação. Para o faminto, salvação.

Acabo de chegar de viagem. Volto de alguns dias de imersão no mundo muçulmano, quando tive a sagrada oportunidade de conviver com pastores leigos da igreja clandestina, que sobrevive e prevalece ilhada em uma nação de milhões de habitantes islâmicos.

Trago na bagagem algumas impressões. Acredito que serão necessárias algumas noites mal dormidas e a frequência aos joelhos no chão para assimilar o que consegui discernir entre aqueles heróis da fé que jamais se imaginam como tais.

O tempo com os pastores foi dedicado ao estudo da Bíblia e às conversas. Entre uma história e outra, perguntas e mais perguntas. Aos poucos fui percebendo que todas as minhas observações, comentários e respostas partiam de textos bíblicos. Fizemos um passeio pelo Novo Testamento, de Jesus nos Evangelhos às Epístolas Paulinas. Versículo após versículo, as palavras da Bíblia Sagrada foram ganhando vida e relevância. Em determinado momento me dei conta de que os grandes filósofos que sustentam a cultura ocidental eram ilustres desconhecidos e assim deveriam permanecer – pelo menos por enquanto, e sabe Deus quanto tempo é esse por enquanto. Mesmo os teólogos de primeira grandeza sucumbiam diante das simples e literais palavras dos apóstolos em suas cartas às igrejas dos primeiro século.

Para perguntas a respeito da natureza e missão da Igreja, autoridade espiritual – presbíteros e bispos, dons espirituais, ministérios e vocação, testemunho e martírio, disciplina de irmãos em pecado, o papel da mulher na família, respeito às autoridades civis – no caso o rei e o governo orientado pela Irmandade Muçulmana, e principalmente o discipulado de Jesus de Nazaré, bastavam a mera citação dos textos bíblicos correspondentes para que luzes intensas fossem acesas e brilhassem na consciência daqueles irmãos que arregalavam os olhos como que enxergando tudo o que lhes era necessário sem quaisquer comentários de esclarecimento – ou distorção, como queiram.

À sombra de uma das maiores Mesquitas do mundo, construída ao longo de uma década e ao custo de 500 milhões de euros (isso mesmo, aproximadamente 1 bilhão e meio de reais), permaneci horas numa roda de conversa revisitando os textos bíblicos fundantes da fé cristã com alguns poucos irmãos que, por amor a Cristo, enfrentam a morte todos os dias, e andam pelas ruas como ovelhas destinadas ao matadouro.

É impressionante como as questões de vida ou morte têm a capacidade de nos fazer identificar o essencial e imprescindível.

Não demorou para que eu olhasse desde lá distante para o meu mundo que ficara em São Paulo, e para a chamada igreja evangélica brasileira. Vergonha e culpa invadiram meu coração. Então, novamente me converti ao Evangelho de Jesus Cristo – não existe conversão sem senso de culpa, e todo genuíno arrependimento se faz acompanhar da vergonha. Trouxe comigo o coração lavado na água pura da palavra de Deus. Ao pisar de novo em casa, respirei fundo e agradeci a Deus por mais uma vez poder dizer que “não me envergonho do Evangelho”.

fonte: Facebook

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Entregues à morte todos os dias

Deixe o seu comentário