Justiça de SP condena shopping a indenizar músico negro barrado

Músico cubano afirma que foi levado a local remoto e interrogado.
Shopping Cidade Jardim ainda não se manifestou.

Publicado no G1

pedrobandera300x225

Pedro Bandera (Foto: Arquivo pessoal)

A Justiça de São Paulo condenou o Shopping Cidade Jardim, localizado na Zona Oeste, a pagar indenização de R$ 6,7 mil ao músico cubano Pedro Damian Bandera Izquierdo como indenização por danos morais.  Bandera diz ter sido vítima de racismo ao ser abordado por seguranças do shopping em agosto de 2010, no momento em que entrava no centro de compras para fazer um show. Procurada pelo G1 neste sábado, a assessoria do  shopping não atendeu aos telefonemas e nem retornou e-mail.

“Gostei muito da decisão. A gente vê situações de discriminação o tempo inteiro e muitas vezes as pessoas terminam não fazendo nada. Acho que o fato de que existe essa discriminação é um alerta”, afirmou. “Sou músico, preparado intelectual e fisicamente. O dinheiro é totalmente simbólico. O que vale é a condenação”, afirmou.

Bandera diz que entrava no shopping pelo mesmo lugar que outros músicos da banda, brancos, também entraram, mas só ele, negro, foi abordado, levado para uma área remota e submetido a uma bateria de perguntas antes da chegada da polícia.

“Alegaram que era por causa dos instrumentos, mas eu estava sem instrumentos. Senti hostilidade mesmo. Não foi como ‘por favor, nos acompanhe’. Me senti atropelado, violentado, foi por causa da minha cor”, afirmou.

Ele conta que enquanto respondia aos questionamentos, cercado por seguranças, ele ouviu um dos seguranças dizer no rádio: “Estão suspeitando do indivíduo porque ele alega que vem fazer um show, está sem instrumentos e de táxi.” Mais do que as palavras, o que incomodou o músico foi o gestual, a postura do segurança.

Bandera disse que no dia seguinte entrou em contato com o Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC) so shopping, que não tomou providências. “Não tive outra opção a não ser recorrer à Justiça”, afirmou. O processo criminal foi arquivado diante da dificuldade de localizar o segurança envolvido no episódio. Além do processo cível que o músico venceu em primeira instância, há outro processo administrativo na Secretaria Estadual de Justiça que prevê multa e até lacração do estebelecimento.

dica do Sidnei Carvalho de Souza

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Justiça de SP condena shopping a indenizar músico negro barrado

Deixe o seu comentário