Drummond foi cliente de comerciante que limpou estátua do poeta após pichação

Em sua loja de materiais de construção, o comerciante Herbert Parente mostra lata de thinner, produto usado na remoção da pichação na estátua de Carlos Drummond de Andrade, que já foi cliente do estabelecimento, ainda no antigo endereço em Copacabana Simone Marinho / O Globo

Em sua loja de materiais de construção, o comerciante Herbert Parente mostra lata de thinner, produto usado na remoção da pichação na estátua de Carlos Drummond de Andrade, que já foi cliente do estabelecimento, ainda no antigo endereço em Copacabana Simone Marinho / O Globo

Herbert Parente, morador de Copacabana, é dono de uma loja de construção, gosta de dançar e é reconhecido com gosto pela clientela

Fabíola  Leoni em O Globo

RIO — Ao ouvir no rádio a notícia sobre a pichação da estátua de Carlos Drummond de Andrade, ocorrida na madrugada de Natal, o comerciante Herbert Parente não pensou duas vezes. Pegou thinner — espécie de solvente —, estopa, flanela e pincel e caminhou pelas ruas de Copacabana em direção ao monumento, no posto 6 da praia, na Zona Sul do Rio. Os produtos já estavam à mão, já que Parente é dono de uma loja de material de construção. O caminho era razoavelmente curto, pois ele mora na Avenida Nossa Senhora de Copacabana. As pernas, apesar dos 64 anos de idade do dono, seguiam ligeiras, já previamente embaladas pelas aulas de dança frequentadas às terças e às quintas-feiras. E o destino? Aquele poeta, que, no passado, foi cliente de sua loja, ainda no antigo endereço, também no bairro.

— Drummond comprava comigo. Eu respeitava porque era Drummond, não batia papo com ele, como eu fazia com Mário Lago — afirmou o comerciante. — Também levei boa vontade para a limpeza, pois, sem isso, não acontece nada. Cheguei lá e havia pessoas tirando fotos com a estátua pichada. Pedi licença e comecei a limpá-la. Não deu muito tempo, chegou a imprensa. Eu faria isso com qualquer um, se fosse Caymmi também. Na verdade, no final, queria era dar um beijo na testa dele, ficou tão bonito! Limpei até os pés, que estavam com areia. Mas acabei não fazendo isso, pois não queria aparecer.

Não adiantou. Já no dia seguinte, em sua loja, na esquina das ruas Bulhões de Carvalho e Piragibe Frota Aguiar, os fregueses passavam para cumprimentar Herbert, que até posou para foto com uma antiga cliente. As paredes do local, impecáveis, refletem o cuidado do proprietário, que, com as próprias mãos, faz a limpeza da fachada — que, segundo ele, é pichada uma vez ao mês. A estátua de Drummond, portanto, não foi a primeira a receber os cuidados de Herbert Parente.

Comprometido com o trabalho, ele ainda recusou um convite para tirar uma foto ao lado da imagem do poeta, dizendo que não poderia se afastar da loja durante o expediente.

— Quando fui em direção à estátua, não contei para a minha mulher. Se falasse em casa que ia fazer isso, iam falar “você vai pagar mico”. Mas tenho um carinho pela obra dele, e o povo gosta de tirar foto com a estátua. O pessoal faz fila. É um convite para uma foto ele ali, sentado no banco. Eu mesmo tenho várias fotos com a estátua — admite Parente.

BcVQaHfCIAEfA5IImagem de Drummond pichada aparece refletida em óculos de turista, na foto de Marcelo Carnaval pic.twitter.com/uz6iHTjeTN

— O Globo_Rio (@OGlobo_Rio) 25 dezembro 2013

— Ele sempre ajuda, mas nunca conta para ninguém. Isso é dele mesmo. Eu achei uma atitude muito bonita. Nós sempre passamos ali, chamamos a estátua de “Drummondzinho” — afirma a dona de casa Maria Fernanda Parente, mulher de Herbert. — Ele vai ser conhecido como o homem que limpou a estátua de Drummond, mas, em casa, a última palavra é sempre dele: “sim, senhora”.

O comerciante diz não ter nem pensado em esperar pela limpeza da Secretaria municipal de Conservação. Pegou os produtos, colocou numa bolsa e caminhou em direção à praia. A estopa, na verdade, foi empréstimo do porteiro. Guardas municipais que estavam no local, segundo ele, perguntaram se o comerciante fazia parte de alguma organização não governamental.

Piauiense de Teresina, Parente é morador do Rio desde os 14 anos. E se diz um carioca nato. Casado com uma mineira, também amante da Cidade Maravilhosa, o comerciante segue uma herança familiar. A loja era do pai e, desde 1969, é localizada no posto 6. Formado em administração, ele hoje trabalha com um dos dez irmãos na loja, que recebe cerca de cem fregueses diariamente. O mais velho dos irmãos, Parente diz que trabalha desde os 8 anos de idade, tem “tradição de roça” e, já aos 13 anos, cuidava sozinho de um curral. Parente tem três filhas, já encaminhadas. Uma delas, que mora nos Estados Unidos, chegou a ver o pai pela TV Globo Internacional.

Perguntado sobre o que diria aos responsáveis pelos atos de vandalismo contra a estátua — que foi depredada ao menos nove vezes desde que foi inaugurada —, o comerciante os atribuiu à falta de educação dentro de casa.

— Se ele (o culpado) não aprendeu na infância, em casa, que não deve fazer isso, não vem dizer que não tem escola, não tem policiamento. Tem gente que nunca foi à escola e não é capaz de fazer algo desse tipo. E não fica bonito o Rio de Janeiro ter uma estátua daquela maneira.

Comerciante há mais de 40 anos, Herbert tem clientes cativos, como é o caso do advogado Vingenzo Pierro, freguês da loja há mais de 20 anos:

— Gostei muito da atitude dele, espetacular. Foi um exemplo de civilidade.

Parente é católico, mas diz estar “vacilando” (ou seja, não tem ido à Igreja com regularidade) devido a tanto trabalho. Come de tudo, “até jiló”. Com o dia a dia corrido, acorda cedo para trabalhar, mas não deixa de frequentar aulas de percussão, no Tambor Carioca e no Aritmética do Samba, e as aulas de dança, no Jaime Arôxa:

— Não gosto de ficar parado, não.

Perguntado sobre o futuro, a nova celebridade de Copacabana não hesita:

— A vida me deu de tudo, mas já tenho 64 anos. Subo e desço essas escadas da loja sempre. Quero economizar minhas pernas para dançar. E também gosto de fazer restauração, tenho essa habilidade. Queria trabalhar, mesmo de graça, para fazer próteses de pernas e braços — diz Parente.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Drummond foi cliente de comerciante que limpou estátua do poeta após pichação

Deixe o seu comentário