Péssimo mau gosto

porta-dos-fundosGregorio Duvivier, na Folha de S. Paulo

Caro Cardeal arcebispo,

Vossa Eminência disse em vosso Twitter que o especial de Natal do Porta dos Fundos era de “péssimo mau gosto”. Poderia dizer que V. Emmo. cometeu um pleonasmo, pois na palavra “péssimo” já está incluída a palavra “mau”, mas vou supor que V. Emmo. tenha “redundado” propositalmente, para fins estilísticos. Entristece-me, pois gostaria que o nosso especial de Natal tivesse agradado a todos (embora o homenageado em questão não tenha agradado).

O que me consola é que não somos os primeiros a termos o gosto julgado mau ou péssimo ou ambos pela vossa Igreja. Na realidade, arrisco-me a dizer que estamos em boa (e vasta) companhia. Entre os numerosos condenados, está um astrônomo de nome tão redundante quanto a vossa expressão.

Como V. Emmo. deve saber, não foi a teoria heliocêntrica que causou a condenação de Galileu Galilei. Copérnico já havia dito que a Terra girava em torno do Sol e a Igreja não se importou. O que provocou a ira papal foi o humor.

Para defender o heliocentrismo, Galileu criou um diálogo fictício entre um personagem sábio, Salviati, e um personagem imbecil, Simplício. O sábio acreditava que a Terra girava ao redor do Sol e o imbecil achava o contrário. O livro foi um sucesso retumbante. E a Igreja vestiu a carapuça do imbecil. Galileu foi obrigado a negar tudo o que havia dito para escapar da fogueira. Negou e ainda assim foi condenado à prisão perpétua.

Giordano Bruno, contemporâneo de Galileu, acreditava que o universo era infinito. Negou-se a se negar. Foi queimado vivo.

Somente em 1983, quase quatro séculos depois, o Vaticano absolveu Galileu, provando ter um sistema judiciário ainda mais lento que o brasileiro. Apesar da retratação tardia, o gosto episcopal continua controverso.

Acho um péssimo mau gosto, por exemplo, V. Emmo. ser contrária ao sacerdócio de mulheres, ao uso de métodos contraceptivos, ao aborto de fetos anencéfalos, ao aborto em casos de estupro, ao amor entre pessoas do mesmo sexo, à eutanásia e às pesquisas com célula-tronco.

Contudo, confesso que, apesar de nossas divergências, não pude deixar de ficar feliz em saber que o Porta dos Fundos está sendo assistido na arquidiocese. Peço que V. Emmo., futuramente, não pule aqueles anúncios que antecedem o vídeo, para que nós ganhemos um cascalhinho. Obrigado pela atenção e, como diria Jesus, desculpe qualquer coisa.

Gregorio Duvivier é ator e escritor. Também é um dos criadores do portal de humor Porta dos Fundos.

dica do Guilherme Massuia

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Péssimo mau gosto

7 Comentários

  1. Rev disse:

    E ainda perco meu tempo para ler isso! Gregório, saia pela porta dos fundos…

  2. sleiman disse:

    Por questões de concisão e de bom senso, acredito que Gregório não tenha feito uma lista maior sobre os malfeitos da Igreja Católica. Aliás, se fizesse, ela seria infinita…

  3. Isaias disse:

    Será que entendi bem?? Porque pelo texto que li deu a entender que o objetivo do Gregório é se vingar dos feitos maleficos da igreja, feitos esses que ficaram no passado, mas ele insiste em trazer para o presente sem percebe que ele esta se igualando aos mesmo que ataca, pois antigamente qualquer que era contrario ao que a igreja dizia era sentenciado e você meu caro Gregorio, qualquer um que vai contra ao que você diz é sentenciado, a unica diferencia são nas sentencias, enquando a igreja era mais radical utilizava de fogueiras e carceres, você utiliza chacota, insitação a odio e itolerancia religiosa. O engraçado é que se você é um cristão e que não concorda com o Homossexualismo e faz alguma piada é homofobia, Bullying e etc, mas quando você zomba da religião, menospreza os seguidores os reibaxando a “burros”, “manipulados” isso é direito de expressão. Hipocrita, você visa apenas a audiência, sua luta é pelo dinheiro e enquanto seus videos ridicularizando os cristãos renderem você continuará com esse papel de defensor dos fracos e obridos da igreja.

    • sleiman disse:

      Isaías, você me fez lembrar de Isaías 45:7. Vai lá… “eu crio o mal” é realmente uma afirmação bem comprometedora, não acha…?

      • Isaias disse:

        Não, não acho. Se você olhar esse texto com os olhos da imparcialidade verá do que esse texto se refere. Se Deus for realmente o criador do mal esse mal somos nos, pois foi atravez de nos que a maldade entou no mundo.

        Poderia te sujerir inumeros textos que explicam essa passagem, porem não sei se o moderador permite postar links de outros blog, mas se você jogar no google verá, porem a melhor forma de ler a biblia é sendo imparcial, pegar traduções recentes e se possivel ler a original no caso Grego ou Hebraico.

        • sleiman disse:

          Não existe neutralidade. Somos levados por nossas formações discursivas. Eu, por exemplo, com ou sem parcialidade, não conseguiria crer na existência de mulas falantes (a da Bíblia…). Não porque não tenha acontecido (e é claro que jamais aconteceu…), mas porque nada parecido repercute nos dias de hoje. Que morto ressuscitou? Que outro fenômeno tão fútil ocorreu, que pudéssemos comparar a água transformada em vinho? Ou, apesar da importância de alguns, que ser humano pode ser ressurreto, depois de quatro dias pútrido?

          Se, para cada passagem bíblica, devemos recorrer ao Hebraico, ou ao Aramaico, ou ao Grego, ou a qualquer uma daquelas línguas da torre (que absurdo…!), então seria melhor rasgarmos as de nosso vernáculo. O que acha?

  4. Luis disse:

    Caro Gregorio,

    Ótima resposta, à altura de uma instituição que já devia ter nos deixado
    em paz faz muitos séculos.

    Só uma correção, se me permite: Nos ‘Discorsi’ de Galileu, Simplicio não era ‘imbecil’.
    Apenas ignorante. Ele era o ‘porta voz’ dos dogmas da Igreja, que pegou (sem permissão!)
    algumas das crenças do Aristóteles sobre o mundo natural e as transformou em verdades
    absolutas e divinas (claro que o próprio Aristóteles certamente se revolveu no túmulo…).
    Tudo, claro, feito pelo Galileu como insulto, e de forma muito pouco sutil.
    Portanto, não foi a igreja que “vestiu a carapuça do imbecil”. Foi o ignorante que
    vestiu a carapuça da Igreja. Coisa que acontece em massa até os dias de hoje.
    Infelizmente.

    Continuem fazendo o humor que fazem hoje!!

    Abs,

    Luis.

Deixe o seu comentário