Polícia Civil de SP vai investigar “Especial de Natal” da Porta dos Fundos

16057646Publicado no UOL

A Decradi (Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância), da Polícia Civil de São Paulo, vai investigar se houve algum crime na veiculação do vídeo “Especial de Natal”, da produtora Porta dos Fundos. A investigação ocorre por conta de uma representação feita pelo deputado Marcos Feliciano (PSC-SP) contra o vídeo no MP-SP (Ministério Público Estadual de São Paulo), que pede indenização de R$ 1 milhão ao grupo humorístico.

De acordo com a assessoria de imprensa do MP-SP, a representação foi recebida pelo promotor de Justiça de Direitos Humanos José Paulo França Piva, que a encaminhou à Decradi para que investigue as denúncias alegadas por Feliciano, de que o vídeo é pejorativo em relação aos cristãos.

Na representação, Feliciano afirma que a esquete possui “conteúdo altamente pejorativo, utilizando-se inclusive de palavras obscenas, e de forma infame atacou os dogmas cristãos e a fé de milhares de brasileiros que comungam deles, ferindo dialeticamente o direito fundamente à liberdade religiosa”. O parlamentar afirmou que, caso a indenização seja concedida pela Justiça, será destinada a Santas Casas de Misericórdia.

No vídeo, publicado no YouTube no dia 23 de dezembro, os humoristas fazem uma paródia da trajetória de Jesus Cristo, desde o nascimento até a crucificação. A sátira vem despertando a ira de grupos cristãos.

No Rio,  a Associação Nacional Pró-Vida e Pró-Família, de Brasília, protocolou no Ministério Público Estadual uma representação criminal contra o grupo. Em Pernambuco, o Ministério Público também foi acionado contra o “Especial de Natal”, pelo deputado federal Anderson Ferreira (PR), que afirma que o vídeo ridiculariza a crença cristã.

Marco Feliciano Feliciano também enviou uma carta à Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) pedindo que a suspensão do patrocínio ao grupo. Na internet, também há uma petição on-line exigindo que a marca de cerveja Itaipava deixe de bancar os vídeos do site e “de apoiar o ataque ao Cristianismo”.

Segundo o Porta dos Fundos, todos os integrantes do grupo são favoráveis à liberdade de expressão, comportamento e crença. “De maneira nenhuma temos o objetivo de desrespeitar a fé, nem ninguém de nenhuma religião. Temos muito cuidado ao fazer nosso trabalho e também temos nossas responsabilidades”, disse por telefone ao UOL o humorista João Vicente de Castro. “Não recebemos nenhuma notificação. Estamos esperando.”

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Polícia Civil de SP vai investigar “Especial de Natal” da Porta dos Fundos

Deixe o seu comentário