‘Facebook é maior perda de tempo que já conheci’

14031786Marion Strecker, na Folha de S. Paulo

Hoje comecei um teste. Decidi experimentar ficar sem o Facebook no meu celular. Se der certo, vou estender o experimento ao iPad e, quem sabe, também ao computador.

Impetuosa, botei o dedo sobre o ícone do aplicativo e esperei ele começar a tremelicar, como é a regra no iPhone. Ele tremelicou. Respirei fundo e apertei o pequeno xis, que simboliza o apagar. Veio o alerta: se apagar o aplicativo, todos os dados serão apagados também.

Que ameaça! Sei bem que não basta apagar o aplicativo para todos os dados pessoais sumirem do Facebook. Isto requer outro tipo de iniciativa. Então por que mentem? O Facebook vai dizer que é coisa da Apple. A Apple pode responder que trabalha com “padrões de mercado”. E a gente que reclame nas redes sociais!

Suponho que esse tipo de ameaça seja apenas um dos maus hábitos da indústria de aplicativos (ou “‘éps”, da abreviatura em inglês “apps”, como os mais pedantes se referem a “software” hoje em dia). Nessa indústria, o número de “usuários” valoriza um negócio, ainda que os “usuários” sejam “inativos”, o que a empresa só vai informar se não tiver como ocultar. Isto me lembra Rubens Ricupero, aquele ministro da Fazenda que, sem saber que o sinal já estava aberto para antenas parabólicas, disse à TV Globo: “O que é bom a gente fatura; o que é ruim, esconde-se!”

O fato é que sumi com o aplicativo do Facebook. Senti uma sensação boa. Aproveitei o entusiasmo e apaguei também os aplicativos do LinkedIn, do Lulu (que instalei para testar e achei simplesmente péssimo) e até do Viber (algo entre o Skype e o WhatsApp). Combinei comigo mesma que vou observar o que acontecerá com as minhas mãos da próxima vez que ficar à toa com o telefone na mão. Será que vou tremer? Será que entrarei na App Store e baixarei tudo de novo? Ou vou me esquecer aos poucos dessa mania de ficar fazendo a ronda na internet, checando as atualizações das redes e esperando reações a cada coisa que publico, nem sei bem por quê?

Sério mesmo: o Facebook é a maior perda de tempo que conheci na vida. Quanto mais amigos eu “faço”, mais me distancio das pessoas que são realmente importantes para mim. A fatalidade é que sempre perco informações de quem me importa no meio da balbúrdia da multidão a que estou conectada.

Quando fiz essa observação outro dia, o engenheiro Luís Villani comentou que eu havia descoberto o “segredo de Tostines”. Evocava a memória de uma velha propaganda de televisão, que explorou o seguinte mote: o biscoito vende mais porque é fresquinho ou é fresquinho porque vende mais? O Facebook é relevante porque estamos conectados a pessoas relevantes ou o Facebook é medíocre porque nossos “amigos” são medíocres? Ou uma rede social teria a capacidade de deixar as pessoas medíocres?

Será que nós, brasileiros, parecemos tão “sociáveis” porque achamos rude não aceitar “pedidos de amizade”? Será que supervalorizamos nossa imagem “popular”, por isso colecionamos conexões como se fossem figurinhas de um álbum da Copa? Vamos fazer o quê? Começar de novo? E por que não?

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for ‘Facebook é maior perda de tempo que já conheci’

3 Comentários

  1. Vagner disse:

    Esse Facebook é um verdadeiro lixo , que destrói casamentos e reputações…. Ainda tem também as baboseiras e frivolidades que são compartilhadas.É uma verdadeira eca!!!!!!!!!!!

  2. Rodrigo Reis /+/ disse:

    Perfeito, deletei meu facebook a quase 01 ano e sou muito feliz, junto foram instagram, etc.. etc… Só mantive Twitter e Google+ que são bem mais inteligentes e interessantes. Ótimo texto, assino embaixo!!

  3. Sandrei disse:

    Ótima publicação, pura verdade vou aderir a sua idéia.

Deixe o seu comentário