Sobre Rachel Sherazade, justiceiros e “marginaizinhos”

Publicado por Ricardo Alexandre

Sobre o editorial de Rachel Sherazade no “SBT Repórter”, no qual a jornalista defende o grupo que amarrou um “marginalzinho” nu em um poste no Rio de Janeiro, gostaria de excepcionalmente usar deste espaço semi-musical para dizer o seguinte:

A teologia da libertação católica e a teologia da missão integral protestante celebrizaram o conceito do “pecado estrutural” que, apesar de ganhar corpo no século 20, remonta a São Basílio Magno (que dizia que “a fome é inadmissível, assim como indigência causada pela tua abundância” lá no século quarto). Basicamente, o conceito de pecado estrutural defende que, além dos pecados pessoais (roubar, matar, praticar a imoralidade, mentir etc.) há certo tipo de desvio da vontade de Deus que diz respeito à estrutura das coisas. Ao jeito que a sociedade se organiza, à forma com que o egoísmo, a violência e a maldade está entranhada na estrutura das nossas relações.

sbtrachel

A bancada evangélica, por exemplo, embora julgue-se porta voz da justiça divina defendendo os valores da família (ou seja, em tese, lutando contra o pecado pessoal) cai no pecado estrutural de usar de espaço público para legislar em causa própria, ou atuar em defesa do grupo que o elegeu a custa da sociedade como um todo. Não é um conceito liberal ou marxista; pelo contrário, é um conceito muito ortodoxo teologicamente, a ponto do papa Francisco se referir a ele diversas vezes nos últimos tempos.

Provavelmente, Rachel Sherazade, que se diz cristã, nunca ouviu falar em pecado estrutural. Não deve ter lhe ocorrido que “o marginalzinho” nu em um poste é tão vítima da estrutura corrompida quanto aquele de quem roubou. O justiceiro, cuja atitude a jornalista chama de “compreensível”, também é vítima do pecado estrutural, assim como o infeliz que foi deixado amarrado com uma trava de bicicleta no Flamengo.

Por isso, entre outros motivos, não devemos tomar a vingança em nossas mãos. Por isso não devemos estimular o ódio como paga pelo ódio. Por isso, a única saída é romper o ciclo de maldade, e não estimulá-lo.

Ela termina o texto com um sorriso sarcástico nos lábios, se dirigindo “aos que se apiedaram do marginalzinho”: “Faça um favor ao Brasil, adote um bandido”, disse ela, com a força e eloquência dos que já ouvem a claque imaginária ao fundo. Adotar um bandido é o que Jesus Cristo mais espera que seus seguidores façam. Que não sejamos cristãos o bastante para isso, é tristemente compreensível. Orgulhar-se disso em rede nacional, já é triste demais.

Em resumo: gostaria que meus amigos não caíssem na facilidade de acreditar que Sherazade diz o que diz porque é evangélica. Ela diz o que diz porque é ignorante sobre as raízes de sua própria fé, e está entorpecida com a possibilidade de ser usada pelo SBT para ser “porta voz” de certo segmento da sociedade.

O segmento ignorante.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Sobre Rachel Sherazade, justiceiros e “marginaizinhos”

7 Comentários

  1. RJP disse:

    Apóio veementemente o aritgo acima, e me lembro de um versículo, escrito por Paulo: Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem. Romanos 12:21

    =)

    Prezada Rachel Sheherazade, sua afirmação é lamentável.

  2. Marivaldo disse:

    Esse Robert Zschaber não entendeu nem Nietzsche quanto mais a Bíblia! Ainda está engatinhando nos caminhos da Evolução Espitirual!

  3. Rodolfo Bauer disse:

    A Teologia da Libertação e a Teologia da Missão Integral são obras do Diabo para destruir a Igreja.

  4. Robson disse:

    Ricardo Alexandre, Leve o bandido pra sua casa e vai tomar conta dele, que tal?

  5. Fernando disse:

    A bíblia diz em romano 3:10 que não existe um justo sequer, todos pecaram e longe estão da glória de Deus.

  6. Samuel Victor disse:

    Por esse raciocínio, o profeta Daniel como estadista, seria culpado do “pecado estrutural” da Babilônia? E Paulo como cidadão romano, do “pecado estrutural” romano? Se não o próprio Jesus por pagar imposto a César? De fato, até mesmo publicar na internet com computadores de silício manufaturado por mãozinhas chinesas, pode ser pecado por essa definição. Será que resta algo que façamos no nosso dia a dia que não se enquadre de algum jeito na maquinaria global deste “pecado estrutural”? “Pecar estruturalmente” leva ao inferno? Nesse caso, cade o cada um julgue-se a si mesmo, ou o cada um dará conta… Que palhaçada!

Deixe o seu comentário