Aqui é a roupa curta, lá é o rímel embaixo da burca

n-SAUDITA-large570

 

Por Gabriela Loureiro no Brasil Post

Brasil e Arábia Saudita, países tão distantes e com culturas tão diferentes, têm algo em comum na questão dos direitos das mulheres: culpar a vítima pelo estupro. Pois um dos piores países do mundo para ser mulher fez uma pesquisa parecida com a do Ipea, segundo a qual 26% dos entrevistados acreditam que mulheres que usam roupa curta merecem ser atacadas. Na Arábia Saudita, onde vigora a ordem da burca e do niqab, os sauditas acreditam que mulheres com muita maquiagem são a causa dos assédios em público. Detalhe: a única parte do rosto à mostra das sauditas são os olhos. Aqui é a roupa curta, lá é o rímel.

Segundo o site Emirates 24/7, uma pesquisa realizada pelo Centro de Diálogo Nacional King Abdul Aziz, com 992 entrevistados, mostrou que 86% da população acha que olhos maquiados são a principal causa de assédio sexual em público no país. Algumas peculiaridades da Arábia Saudita: é o único país do mundo onde as mulheres não podem dirigir nem votar (apesar de o rei Abdullah ter prometido que em 2015 elas poderão participar das eleições) e um dos únicos, além do Marrocos, onde as mulheres podem ser punidas por serem estupradas.

Isso mesmo. Em um caso que chocou o mundo, uma jovem saudita que sofreu um estupro coletivo foi presa por seis meses e levou 200 chibatadas por estar em companhia de um homem que não era seu parente no momento do ataque.

Claro que a realidade brasileira é diferente da saudita, aqui temos a Lei Maria da Penha e, bem ou mal, as mulheres têm muito mais liberdade e oportunidades que as da Arábia Saudita. O que Brasil e Arábia Saudita têm um comum é a mentalidade machista da “justificativa injustificável” do estupro: a culpabilização da vítima. Saiu fora do código de vestimenta, “provocou”. Como se os homens fossem bestas privadas de autocontrole.

Se as brasileiras usassem burcas, aconteceriam menos estupros? Não sabemos, mas a pesquisa saudita sugere que não. E nós sabemos que muitos abusos acontecem em casa. Segundo a Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República, em cerca de 65% dos casos de estupro no país o agressor é um conhecido da vítima.

De uma vez por todas: a culpa não é da vítima, é do estuprador. Como diz a campanha da jornalista Nana Queiroz, que inclusive foi parabenizada nesta segunda-feira (31) pela presidente Dilma Rousseff, nós não merecemos ser estupradas #EuNãoMereçoSerEstuprada.

999973_434712526664274_1195150504_n

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Aqui é a roupa curta, lá é o rímel embaixo da burca

Deixe o seu comentário