Redes de combate à exploração sexual infantil não coibem aliciadores

combate-exploração-sexual1

Publicado por Jovem Pan Online

Faltando 45 dias para a Copa do Mundo, redes de combate à exploração sexual infantil no Brasil não conseguem coibir a ação dos aliciadores. Nas 12 cidades-sedes do Mundial, os comitês organizadores não planejaram ações específicas para erradicar o problema.

Em São Paulo, o Ministério Público espera que os documentos necessários para o plano de combate à exploração fiquem prontos semanas antes da Copa. Falando à Flávio Prado, a vereadora Patrícia Bezerra, do PSDB de São Paulo, relatou a dificuldade e a indisposição do poder público em tratar a questão.

*Ouça os detalhes no áudio

Levantamento da Childhood Foundation apontou aumento nos casos de exploração sexual nas duas últimas Copas, na Alemanha e na África do Sul. Além da chegada de turistas, Patrícia Bezerra avaliou que a antecipação das férias escolares é um dos fatores que aumentam a incidência dos crimes.

Ao longo de 2013, a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência recebeu, através do Disque 100, 35 mil denúncias de violência sexual contra menores.

A temática é fomentada pela internet, onde mais de 2 mil sites foram identificados associando ícones do Brasil com informações de turismo sexual.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Redes de combate à exploração sexual infantil não coibem aliciadores

Deixe o seu comentário