Juca Kfouri: Ronaldo disse ter vergonha do Brasil para apoiar Aécio Neves

BoflrRTIIAAG-bCJuca Kfouri, no UOL

Ao dizer que está com vergonha do Brasil, Ronaldo, que não dá ponto sem nó, busca três objetivos;

eximir o COL das responsabilidades que também são do COL, do qual faz parte, talvez a mais visível;

culpar o governo federal, embora as culpas devam ser divididas também entre os 12 governos estaduais e municipais que receberão a Copa do Mundo;

apoiar a candidatura à presidência do amigo Aécio Neves.

Elementar.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Juca Kfouri: Ronaldo disse ter vergonha do Brasil para apoiar Aécio Neves

11 Comentários

  1. Rafael disse:

    Mas ele disse alguma mentira?
    Se coube nos seus interesses, bom pra ele …

    • sleiman disse:

      Apesar dos atrasos em algumas obras, os resultados já conquistados são visivelmente positivos. Dos doze estádios previstos, nove já estão concluídos e três serão entregues nos próximos dias. Das obras de mobilidade urbana, 42 já estão prontas ou em andamento e 16 voltarão para o PAC e serão concluídas em breve, e as outras, que não são para a Copa, apenas foram aceleradas para essa competição, serão entregues até o final do ano.

      Os investimentos nessas diferentes áreas são independentes, mas se somam em benefício da população. Desde 2010, quando o governo começou a discutir os preparativos para a Copa, já foram investidos R$ 850 bilhões em saúde e educação, enquanto os investimentos totais no mundial – incluindo federais, locais e privados – atingem R$ 25,6 bilhões, ou seja, 3% dos investidos destinados à Saúde e à Educação…

      As mentiras desse ex-jogador é que se associaram ao seus interesses…

      • Carlos Alberto UP HILL disse:

        Aqui em baixo, nós os que vivemos fora do “limbo”, não testemunhamos todos estes números e estatísticas; cifras astronômicas e percentuais estratosféricos sendo transformados em realidade visível na saúde e educação. O caos nestas áreas são óbvios. Basta sair da torcida político/partidária cega e meramente militante que faz com que o absurdo tenha sentido, e simplesmente observar os hospitais públicos e escolas públicas em que estado se encontram. Defesa do indefensável é tolice.

        • sleiman disse:

          Não nego isso. Contudo você há de saber que aqui embaixo, onde as coisas são diferentes, sentimos os efeitos principalmente das mazelas políticas estaduais e municipais. Trabalho na Educação e sei dos esforços federais para que essa área cresça. As cifras são astronômicas, e, a julgar pelo que governadores e prefeitos fazem com o dinheiro que recebem lá de cima, imagino que esse costume perpasse todas as áreas…

          Já ouviu falar do Fundeb? Pois bem… Esse fundo, vinculado à educação, deveria complementar o orçamento para essa área. E o que acontece? Os governos dos âmbitos que já citei não só o consideram a principal fonte como, em muitos casos, não acrescentam nada ao total dos recursos ligados ao desenvolvimento do ensino fundamental e de valorização do magistério, ficando, portanto, todo o peso sobre as costas da Federação, injustamente enchocalhada por pessoas que desconhecem o processo.

          Assim, para você, não deverá ser tão difícil compreender que as responsabilidades devem ser distribuídas. A meu ver, sendo funcionário da Educação que viu seu salário multiplicar por sete vezes nesses últimos anos de governo petista, e apesar de minha recente paixão por esse partido, não analiso de forma passional o que os meios de comunicação, por exemplo, o famoso PIG, têm promovido (mais uma vez!), contra um trabalho digno, muito bem refletido pelos 27 títulos de Honoris causa recebidos por Lula.

          • Carlos Alberto UP HILL disse:

            Sim, concordo com você quanto a extraordinária incompetência na gestão de recursos e sua consequente má distribuição. E também penso que o problema é generalizado e que as responsabilidades devem ser compartilhadas em todas as esferas de poder. Acredito que um dia nosso País vai superar e sair dessa crise de identidade e se tornará o que nós temos vocação de sobra para sermos: uma Nação com igualdade e dignidade para todos.

        • sleiman disse:

          Sejamos, portanto, sensatos neste momento de turbulências eleitorais (ou eleitoreiras, como dizem). Um abraço.

  2. Ze disse:

    Ronaldo é cafajeste, louco pra abracar outra boca como essa da copa, que ele ganhou do governo dilma. Tá mamando como fez na copa de 98.

  3. Ronaldo disse:

    Pura mentiras desse ex-tudo.

  4. Marco disse:

    Aqui embaixo temos sentido na pele estes números e desafio qualquer um a me provar ao contrário, pois eu nasci e fui criado aqui embaixo e vejo estes números e outros que o colega não citou ao nosso redor.
    Assim como vejo o ódio que existe contra aos que se importam, vejo com resistência manifestações e vaias que nunca aconteceram quando pobre morria de fome e não podia frequentar faculdade, alias a distância só aumentava, porém, a globo, veja, folha nada falavam e o povo não manifestava, quando faziam eram baderneiros e preguiçosos. Ano após ano só aumentavam a dor e a pobreza, ah acredite ou não havia corrupção e ninguém denunciava ou investigava, ou alguém vai também querer dizer que o Brasil sempre foi um exemplo de ética e transparência na política?! A pobreza ofende a Deus, e uma pessoa não deveria morrer de fome, mas nos ofende mais duas pessoas do mesmo sexo de mãos dadas.

  5. Moacir disse:

    Depois de ler muita salada de frutas nos comentários, resolvi postar aqui alguma coisa.
    A língua portuguesa não é fácil de ser escrita, pois uma vírgula pode mudar o sentido do texto. Eu cheguei até aqui porque achei que havia um erro de escrita da preposição “para”. O texto sugere a preposição “por” só que aí o sentido seria o contrário. A “vírgula” é importantíssima em nossa língua. O texto diz: Ronaldo disse ter vergonha do Brasil para apoiar Aécio Neves. Na primeira leitura fiquei em dúvida sobre qual era o verdadeiro sentido da oração. Então o texto deveria ter uma vírgula após a palavra Brasil e se fosse escrito na voz ativa e com vírgula iria melhorar a clareza e o sentido do texto, ficando assim: para apoiar Aécio Neves, Ronaldo disse ter vergonha do Brasil. Não sou professor de português, mas estudo a língua somente ha 45 anos. Todas as nações que fizeram grandes investimentos em educação, hoje são grandes potencias mundiais. Vamos ver este ano quem propõe investir mais em educação, será a Dilma o Aécio ou Eduardo Campos…?

Deixe o seu comentário