Despedida necessária

3128350Ricardo Gondim

Me despeço dos pensamentos lineares. A tradição religiosa que me formou lida com engrenagem, com causa e efeito e com uma divindade retributiva. Adeus para tudo isso. Ando convicto de que é perda de tempo argumentar com quem se organiza a partir dessas categorias. Como me recuso a rodopiar em torno de postes, como um animal acorrentado, adeus às brigas. Lógicas circulares não levam a lugar nenhum, apenas acirram rancor nos fundamentalistas. Já não tenho estômago para reagir a debates que dependem de uma teologia sistemática. Quem pretende preservar a verdadeira doutrina nunca dialoga. O velho Jorge Luis Borges tem razão: os argumentos não convencem ninguém.

Concedo que me considerem estrangeiro a qualquer instituto bíblico puritano-calvinista. Também estou fora da indústria missionária, que repete acriticamente a proposta colonialista de exportar cultura e moralidade; que a concepção de Deus, normatizada pelo Ocidente, permaneça no Ocidente. Fiz parte desse mundo e estou arrependido.

Devo aprender a manejar a linguagem da poesia, da metáfora e da parábola – que foi a linguagem de gente como Jesus, Dostoiévski, Machado de Assis, Tolkien.  Metáfora é arte difícil; ofereço, portanto, meus últimos dias à imensa doidice de desfrutar da poesia.

Se alguém se sente movido a usar algum baixo calão para propagar que sou medroso, covarde, fraco ou confuso, sinta-se à vontade. Não me importa que espalhem que eu enlouqueci. Quero ser poeta menor, entre os incapazes de conversar com gente grande. Desejo, tão somente, a sensibilidade de chorar diante do sofrimento desnecessário e de me manter com fome e sede de justiça.

Não busco atingir o porto dos bem-sucedidos – meu porto deve estar em algum lugar além do horizonte. Me basta continuar a singrar os oceanos ao lado de quem amo. Largo mão de ser dono de qualquer certeza. Repito com Paulinho da Viola: a vida não é uma equação. Mas vou além: a vida não tem solução.

Minha prece se repete: Dá-me coração de poeta, músico, repentista e contador de estória. Desejo saber cantar o mundo e assim, cantar a TI, à tua imensidão e ao teu amor.

Soli Deo Gloria

fonte: site do Ricardo Gondim

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Despedida necessária

Deixe o seu comentário