Adolescentes que tentam parecer ‘descolados’ envolvem-se mais em crimes quando crescem

James Dean, protagonista de “Juventude transviada”: rebeldia idolatrada - Reprodução

James Dean, protagonista de “Juventude transviada”: rebeldia idolatrada – Reprodução

Publicado em O Globo

RIO – Pessoas que tentam parecer “descoladas” no começo da adolescência são mais propensas do que os outros colegas a passarem por um amplo leque de problemas no início da idade adulta, de um acordo com um estudo conduzido por uma década. A pesquisa, assinada por cientistas da Universidade de Virgínia, foi publicada na revista “Child Development”.

Enquanto os jovens “descolados” costumam ser idolatrados na mídia, a busca por popularidade e atenção, que tentam conseguir ao agirem como se fossem mais velhos, pode não trazer os benefícios que esperam.

Os pesquisadores acompanharam 184 adolescentes dos seus 13 aos 23 anos, coletando informações sobre eles e seus colegas e pais. Os jovens frequentaram escolas públicas americanas e eram de etnias diferentes.

Os adolescentes que se envolveram com romances precocemente, ou que participaram de atividades consideradas rebeldes, ou que saíam com amigos fisicamente mais atraentes, eram tidos como mais “descolados” entre seus amigos. Mas, com o passar do tempo, essa classificação mudou.

Aos 22 anos, esses então-“descolados” adolescentes foram classificados pelos colegas como menos capazes em manter relações sociais. Eles também eram mais propensos a ter problemas com álcool e drogas e a participar de atividades criminosas.

— Com o tempo, os jovens perceberam que não precisavam demonstrar um comportamento extremo para parecerem legais — diz Joseph Allen, professor de Psicologia da Universidade de Virgínia e líder do estudo. — Aqueles que se consideravam deslocados se envolvem, enquanto crescem, em crimes e no uso de álcool e drogas.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Adolescentes que tentam parecer ‘descolados’ envolvem-se mais em crimes quando crescem

Deixe o seu comentário