Eu acredito no diabo

Ricardo Gondim

charge: Orlandeli

charge: Orlandeli

O diabo se tornou relevante. Hoje, como na Idade Média, fala-se muito nele. Com sua súbita ascensão, o Querubim Caído continua a pintar e bordar. Ele suga a fé, derruba figuras proeminentes, infiltra-se em redes de televisão, envia praga, fura pneu de carro, provoca terremoto, mata crianças e enferma idosos com doenças terríveis. Alguns círculos responsabilizam o Coisa Ruim por controlar municípios, respeitando, inclusive, fronteiras geográficas. Se na teoria, ele não passa de um anjo, na prática, Lúcifer compete e ganha de Deus.

Devido ao novo momento de popularidade do Grande Vilão, muitos identificam sua tristeza como resultado de artimanhas infernais. Para alguns, quando duvidam: o Capiroto mandou a incerteza. Como enorme tela, em Satanás se projetam todos os males do mundo. Os círculos religiosos mais conservadores acreditam mesmo que a existência está controlada, guiada, dominada, manipulada e organizada por Belzebu.

Dá para compreender a súbita importância de um anjo caído. Como se levantaria dinheiro nas igrejas se ele não fosse a estrela no show da fé? Como televangelistas inculcariam pavor nas pessoas se não revelassem um tinhoso tão medonho? Como poderosas multinacionais da fé subsidiariam projetos se o demo não ostentasse tamanha força? Religião que usa o mal como eixo de sua espiritualidade carece de uma figura mitológica arrasadora. Entretanto, igreja que não pode prescindir de ameaças se tornou uma ameaça. Ética que só tem relevância rodopiando em Satanás não é ética, apenas oportunismo.

Nem é preciso discutir a existência metafísica de uma entidade maligna que compete com Deus; a badalação já é suspeitosa. Nenhuma espiritualidade humana pode se deixar definir pela maldade. Integridade nunca vem do pavor de que Deus faça vista grossa – ou use de sua vontade permissiva – para que demônios devorem pessoas desobedientes.

Me perguntam se acredito em Satanás. – Sim, respondo rapidamente. Eu o tenho como espantalho alegórico ou metáfora angelical. Reconheço: o esforço de creditar-lhe todas as mazelas é interessante, já que assim nos absolvemos de todos os crimes. Não nego a maldade. Sei que existe perversidade por todos os lados. Todavia, nenhum ser sobrenatural, transcendental ou fantasmagórico seria capaz de imitar a iniquidade de homens e mulheres, quando se comportam como demônios.

Soli Deo Gloria

fonte: site do Ricardo Gondim

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Eu acredito no diabo

Deixe o seu comentário