Jogadores católicos e evangélicos querem retirar mascote do Guarani – índio caboclo – do uniforme

guarani

Título Original: Pedido de elenco faz Guarani sacar índio caboclo de uniforme e vestiário

Publicado no Globo Esporte

Sobrou para o índio caboclo. Em má fase na Série C do Campeonato Brasileiro, já que não vence há quatro rodadas, o elenco do Guarani pediu à diretoria que retirasse a imagem dos uniformes e também do vestiário do Brinco de Ouro. O assunto foi conversado entre jogadores e comissão técnica, antes do treinamento desta quinta-feira de manhã, em Campinas.

O símbolo funciona como uma espécie de protetor do Guarani. Direta ou indiretamente, faz parte da rotina do clube desde a inauguração do Brinco de Ouro, no início dos anos 50, sob a administração do então presidente Jayme Silva. A imagem ficou mais concreta em 1977, quando o índio foi pintado na calçada do portão de entrada do estádio. Curiosamente, na temporada seguinte, o Bugre atingiu a maior glória de sua história: o título do Campeonato Brasileiro.

O tema já era motivo de discussão desde a colocação do símbolo nos uniformes, a pedido do presidente Álvaro Negrão, logo nas primeiras rodadas da Série C. Apesar de nunca admitirem oficialmente, alguns atletas se incomodaram com a importância dada à imagem em detrimento ao desempenho dos jogadores.
A questão também atinge o aspecto religioso: a figura do índio caboclo é ligada a crenças da umbanda e também ao espiritismo. Por essa razão, católicos e evangélicos enxergam a figura do índio caboclo de maneira diferente, o que provocou um “racha ideológico” no vestiário bugrino. Desde a primeira partida com o símbolo no peito (goleada por 5 a 1 para o Guaratinguetá, em Americana), o incômodo estava claro nas conversas entre integrantes do elenco e também da comissão.

O ápice foi nesta semana, quando o técnico Evaristo Piza levou um grupo de amigos pastores para conversar com o elenco, antes do treino desta quinta-feira de manhã. No bate-papo, surgiu o assunto do índio caboclo, que, a partir do jogo contra o Madureira, no sábado, não fará mais parte do uniforme. A diretoria acatou o pedido sem questionamentos.

– Para uns, incomoda. Para outros, não. O evangélico não acredita na imagem, é insignificante. O católico já acha que é um símbolo do candomblé. O que nos foi passado é que é um símbolo do Guarani. O pedido dos jogadores foi para tirar. Eles iam se sentir mais confortáveis para atuar. Isso foi atendido. Estamos fazendo de tudo para que os jogadores fiquem confortáveis – explicou o comandante, em apoio ao elenco.

Os números do índio caboclo em campo também não são favoráveis. Em seis jogos com o “talismã” no peito, o Bugre conquistou uma vitória, três empates e duas derrotas (sequência que mantém o clube entre os últimos colocados do Campeonato Brasileiro). Os jogadores têm a chance de provar que estão certos na próxima rodada, contra o Madureira, no Rio de Janeiro.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Jogadores católicos e evangélicos querem retirar mascote do Guarani – índio caboclo – do uniforme

Deixe o seu comentário