Deixa eu te falar uma coisa sobre os evangélicos…

Existem evangélicos que aceitam o casamento gay, evolução das espécies, vida extraterrestre, aborto, uso de drogas? Leia este texto e você vai se surpreender

fsm

Publicado por Marco Gomes

Eu sou evangélico desde os 8 anos de idade, me converti antes dos meus pais. Meus avós são evangélicos desde que nasci, mas houve um gap de gerações e meus pais não tinham religião até eu fazer 12 anos de idade. Se você quiser saber por que me converti, a história pode ser lida aqui.

Sendo orgulhosamente evangélico por escolha e iniciativa próprias há 20 anos, já sofri muitos preconceitos, quero tentar esclarecer aos não evangélicos alguns conceitos sobre os praticantes desta religião que é amplamente exposta na mídia mas, paradoxalmente, é desconhecida da maior parte dos brasileiros.

Não tratem com desprezo as escrituras, mas ponham à prova todas as coisas e fiquem com o que é bom. (Tessalonicenses 5:20-21)

Muitos evangélicos acreditam que a Terra foi criada há 6.500 anos, que Deus fez Adão usando barro e que Eva foi criada a partir de sua costela. Mas nem todos. Há evangélicos que lêem as escrituras como um registro (inspirado por Deus) do conhecimento e cultura de uma época, e neste caso específico da criação, como a síntese histórica de uma cultura oral criada antes mesmo da invenção da escrita. Para muitos evangélicos, os capítulos iniciais do Gênesis são uma explicação, para o homem de 4 mil anos atrás, de algo que ele não entenderia se exposto como entendemos hoje.

Os fatos da evolução das espécies existem, as múltiplas galáxias existem, os diferentes sóis e planetas existem, e muitos evangélicos aceitam isso perfeitamente bem. A criação e evolução da ciência nos últimos 500 anos não questionam a fé destes crentes, pelo contrário, reforçam sua crença em um Deus incrível e perfeito que gerou um ser humano com capacidade de entender o universo à sua volta.

Muitos evangélicos querem cuidar das genitálias dos gays, e querem que a “família” seja definida por 1 homem, 1 mulher e seus filhos. Mas nem todos. Há evangélicos que não querem se intrometer no uso que cada um faz de seu próprio corpo, e que se importam apenas em seguir as instruções que Jesus deixou de amar ao próximo independente de suas diferenças (ou precisamente por causa delas).

O interessante de ser um adolescente evangélico é que todos à sua volta querem cuidar de suas genitálias. Desde minha adolescência, muitas pessoas já propagavam o corretíssimo discurso de que os gays devem ter total controle sobre o próprio corpo, mas estas mesmas pessoas não deixam as genitálias dos evangélicos em paz. Acho curioso e patético ao mesmo tempo.

Muitos evangélicos querem introjetar seus dogmas e crenças na sociedade como um todo, tornando o Brasil “uma nação cujo Deus é o Senhor”, à revelia da preferência dos não-praticantes do cristianismo. Mas nem todos. Há evangélicos que defendem o estado laico, com separação total entre igreja e estado, e com liberdade de cultos e crenças independente de qual seja a sua escolha individual, dentro dos parâmetros democráticos de uma Constituição sólida e isenta.

Muitos evangélicos consideram qualquer outra manifestação cultural ou religiosa como algo demoníaco, em especial as religiões africanas, tão comuns no Brasil. Mas nem todos. Há evangélicos que valorizam e respeitam as culturas afro como uma preciosa e legítima manifestação cultural e importante componente da sociedade brasileira.

Muitos evangélicos crêem que a vida começa na fecundação, e que a vida do embrião é tão importante quanto da mãe que o carrega (ou mais importante). Mas nem todos. Há evangélicos que priorizam a vida e a vontade da mulher sobre o desenvolvimento do embrião, e que preferem preservar a liberdade da pessoa adulta de tomar decisões em relação ao seu corpo.

Há também os evangélicos que preferem não julgar religiosamente o gay, a mulher que abortou, o usuário de entorpecentes. Há os evangélicos que enxergam na história e nos ensinamentos de Jesus o caminho para aceitar e amar a pessoa independente do que ela fez ou faz.

Há evangélicos que não perdem tempo em discutir religiosamente a sexualidade, o aborto, as drogas; estes evangélicos estão mais preocupados em aceitar a pessoa com dúvidas sobre sua sexualidade, a mulher que abortou, o dependente de drogas.

Se vocês quiserem construir uma sociedade que apedreja pecadores, nós vamos nos apedrejar uns aos outros. O último apedreja a si mesmo e morre. Não se constrói uma sociedade que discute pecado e penaliza pecado. (Pr. Ed René Kivitz)

Nós evangélicos não somos um corpo homogêneo. Diferente da Igreja Católica, na religião evangélica não há um líder central nem uma carta unificada de regras e dogmas. O pastor fundamentalista não é a totalidade dos evangélicos. A celebridade polêmica da TV não é a totalidade dos evangélicos. O jogador de futebol que escolheu esperar não é a totalidade dos evangélicos. E a bancada evangélica no Congresso, meus amigos, graças a Deus, não é a totalidade dos evangélicos.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Deixa eu te falar uma coisa sobre os evangélicos…

3 Comentários

  1. fabio Henrique dias disse:

    Concordo plenamente com suas palavras, infelizmente nós cristãos não somos unidos em Cristo formando um só corpo com Ele. Temos pensamentos diferentes sobre a palavra de Deus que prejudica a nossa própria condição: A de sermos cidadãos do Reino de Deus.

  2. Juan Campos disse:

    O que muitos entenderam aqui como sendo relativismo, entendi como diversidade no meio cristão. Um fato. Existem muitas coisas que só nos serão respondidas no céu, que não nos foram reveladas ainda ou, não estão completamente claras. Como cristão devemos esquecer as “receitas de bolos”, devemos ter nossas próprias experiências com Deus; devemos ler as escrituras e pensarmos a respeito de forma crítica criando assim nossas idéias. Mas o principal de tudo isso é viver o amor! Amar a Deus sobre todas as coisas, amar o próximo como a nós mesmos com um amor paciente, benigno, que tudo suporta, tudo crê; como irmãos em Cristo já que foi esse o nosso chamado. Vivemos em uma era onde os pecados são valorizados e o pecador e deixado de lado. Uma sociedade onde os pecados sexuais levam a um inferno mais quente, e aqueles mais comuns nem são levados em conta… Coitado de nós, fariseus que somos, estendemos a mão pra apontar pecados e a encolhemos diante do órfão e da viúva. Condenação já existia na lei; cristianismo deve estar longe disso! Todos prestaram conta de SI, e somente Deus dará a sentença. Não podemos esquecer que todos pecaram, TODOS, portanto, destituídos estamos da glória de Deus; mas por intermédio de Cristo, sua graça e seu AMOR, somos chamados de filhos, menina dos olhos, noiva; somos reconstruídos todos os dias, pois dia após dia, caímos nas mais diversas tentações. Como veem, não há nada que façamos pois não há como merecer esse amor de Deus, foi algo conquistado por Cristo na Cruz. Já chega de nos comportarmos como se fôssemos os donos do céu ou de sua chave, como se tivéssemos capacidades de julgar o servo alheio.

  3. Patrícia disse:

    O problema não é “ALGUNS”, mas a “MAIORIA” dos evangélicos é serem, sim, puritanos.

Deixe o seu comentário