Indústria gospel afina receita para criar popstar

Thalles Roberto se apresenta na gravação do programa 'Gospel Singer' na Rede Gospel, em São Paulo (foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

Thalles Roberto se apresenta na gravação do programa ‘Gospel Singer’ na Rede Gospel, em São Paulo (foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

Anna Virginia Balloussier, na Folha de S.Paulo

“Vim da doideira, das drogas e sei que preciso de overdose na minha vida. Hoje minha overdose é o Espírito Santo”, diz Thalles Roberto, 36.

Se é de excessos que vive o músico, atual campeão da indústria gospel, seus números não ficam atrás.

Seu novo CD, “IDE – Ao Vivo na Igreja Bola de Neve”, vendeu 35 mil cópias físicas em 30 dias (a tiragem inicial é de 50 mil, a mesma do novo álbum de Maria Rita e metade do de Ivete Sangalo) e chegou ao primeiro lugar em vendas digitais no iTunes.

Ele foi a maior atração da Marcha para Jesus, que reuniu 200 mil pessoas na zona norte paulistana em setembro. O funkeiro Naldo chegou a subir ao palco para um dueto, mas era o nome de Thalles que o povo berrava.

Quem não quer ser Thalles Roberto? É a pergunta que ecoa no estúdio da Rede Gospel, canal de TV da igreja Renascer em Cristo. Aconteceu lá, em 26/10, a final da segunda edição do “Gospel Singer”.

Feito à imagem e semelhança de “American Idol” e “The Voice”, o reality show é composto exclusivamente por evangélicos –do júri ao cinegrafista que tatuou o patriarca bíblico Isaac no antebraço que levanta a câmera.

Thalles estava no “Gospel Singer” para, com mais cinco jurados, escolher o próximo… Thalles.

Ou seja, alguém que concilie a fé e o tino comercial desse ex-backing vocal de Jota Quest e Ivete Sangalo –e que agora nada de braçada num mercado que gera R$ 1,5 bilhão anuais, segundo a gravadora Universal.

Joias, calças justas, jaqueta estilo aviador e óculos escuros. Tal qual um Lenny Kravitz que encontrou Jesus, ele canta, em pegada soul, versos como “o inicio é como o mel, mas o final do adultério amarga/ vai ter que pagar pensão, mó tumulto, meu filho”.

Mó tumulto pode ser também a disputa entre músicos evangélicos, que começam a deixar seus templos para frequentar programas de auditório e trilhas de novelas da TV Globo.

“Cada igreja tem um cantor, e cada cantor quer ser um grande cantor”, diz Thalles.

Guilherme Bueno, vocalista da banda ganhadora do “Gospel Singer”, a Tempo de Adorar, sentiu a pressão.

Fã de Oasis, comemorou a vitória entornando várias Coca-Colas num churrasco. “Tem pastor de igreja grande com artista que não consegue decolar. Aí não apoia quem está dando certo. O único que não tropeçou foi Jesus, né?”, diz.

Para quem chega ao estrelato, o desafio é alcançar seculares (como chamam os de fora da religião) sem desrespeitar os “irmãos”. “Falamos que Deus entra, tira o amargo do coração. É diferente da música me abraça ali que eu chupo aqui'”, comenta Thalles.

“O mercado busca quem tem relacionamento real com as igrejas, pois vem de lá o público”, diz Renata Cenizio, gerente da Universal Music Christian, o braço cristão da gravadora de Thalles Roberto.

“A palavra é credibilidade. Qual igreja frequenta? É ativo nela? É boa mãe ou bom pai?”, diz André Valadão, do elenco gospel da Som Livre.

Ele é vocalista da banda Diante do Trono, uma das mais bem-sucedidas no gênero (3,6 milhões de discos vendidos), mas pouco conhecida fora do gospel. “Quem é de fora acha que falamos de privada, mas é o trono de Deus”, ri.

A banda Tempo de Adorar, vencedora do reality show em 2014 (foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

A banda Tempo de Adorar, vencedora do reality show em 2014 (foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

25 TONS DE CINZA

É verdade que a altura das saias está mais perto dos joelhos que do umbigo, e os colares de ouro sustentam crucifixos em vez de cifrões. Mas, das vestes ao repertório entre pop rock e sertanejo universitário, o gospel escapole do clichê do “crente”.

“É como música clássica, você não vê mulher cantando de maiô ou shortinho. Mas somos contemporâneos. Faço show de All Star e calça rasgada”, diz Valadão.

“É a mesma coisa, só que num tom menor. É como se a gente fosse 25 Tons de Cinza'”, compara um pastor, que prefere não se identificar.

Nesse sentido, “Gospel Singer” é uma versão “light” de programas do gênero.

Ao julgar os cinco finalistas entre 2.357 inscritos, o júri ora gosta “da voz, mas não da gravata rosa” de um, ora acha “pouco comercial” o som “meio Zé Ramalho” do barbudo que lembra Edir Macedo.

Tudo sob a bênção da bispa Sonia Hernandes, diz a apresentadora Camila Campos, 29, vice-campeã do programa em 2013: “A bispa é pauleira e extremamente roqueira”.

OS SETE NÚMEROS DE DEUS
Veja dados do mercado gospel

R$ 1,5 bilhões é o que mercado de música gospel movimenta por ano, segundo a Universal Music

2.357 cantores se inscreveram no ‘Gospel Singer’ em 2014

3,6 milhões de discos já foram vendidos pela banda Diante do Trono, uma das maiores do gênero

50 mil foi a tiragem inicial de “IDE – Ao Vivo na Igreja Bola de Neve”, de Thalles Roberto

O álbum vendeu 35 mil cópias em um mês.

42,3 milhões de brasileiros são evangélicos, segundo o IBGE (22,2% da população)

200 mil pessoas foram à Marcha para Jesus em SP, em setembro, segundo a Polícia Militar

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Indústria gospel afina receita para criar popstar

Deixe o seu comentário