Dilma colou um código de barras no Congresso

A administradora Ruth Gomes de Sá (de óculos), 79, agredida em protesto nas galerias do plenário do Congresso Nacional durante a sessão tumultuada desta terça-feira (2), voltou ao Congresso e diz não querer virar "celebridade". Ela tirou fotos com as pessoas que passavam pela entrada da Câmara e deu mais de 15 entrevistas. Ao ser questionada pela reportagem do UOL sobre por que voltou ao Congresso hoje, Ruth respondeu: "vim quebrar o pau aí"

A administradora Ruth Gomes de Sá (de óculos), 79, agredida em protesto nas galerias do plenário do Congresso Nacional durante a sessão tumultuada desta terça-feira (2), voltou ao Congresso e diz não querer virar “celebridade”. Ela tirou fotos com as pessoas que passavam pela entrada da Câmara e deu mais de 15 entrevistas. Ao ser questionada pela reportagem do UOL sobre por que voltou ao Congresso hoje, Ruth respondeu: “vim quebrar o pau aí”

Josias de Souza, no UOL

Numa sessão encerrada às 4h58 da madrugada desta quinta-feira, após 19 horas de embates, o Congresso Nacional aprovou o texto-base do projeto de lei que autoriza o governo a fechar as contas públicas de 2014 no vermelho. Por ausência de quórum, faltou votar uma emenda ao texto principal. Haverá nova sessão na próxima terca-feira. Mais cinco dias para que os adversários e, sobretudo, os aliados do governo tirem mais algumas lascas da imagem de Dilma Rousseff.

Praticamente concluída, a votação desce à crônica do primeiro mandato de Dilma como uma prova da eficiência do governo. Ele fixou a meta de superávit fiscal, ele mesmo descumpriu a meta e ele mesmo se absolveu, arrancando do Congresso uma lei que o desobriga de cumprir a meta.

Para obter do Legislativo a decisão que a livrará de um eventual enquadramento no crime de responsabilidade, Dilma paga um preço. Pelo alto, negocia ministérios com cardeais dos partidos governistas. Na planície, brindou o baixo-clero parlamentar com um decreto liberando R$ 444 milhões em emendas ao Orçamento da União.

Cada deputado e senador passou a dispor de uma mesada de R$ 748 mil para aplicar em obras nos seus redutos eleitorais. Coisa de R$ 11,7 milhões por ano. Tudo isso condicionado à aprovação da manobra fiscal. Foi como se Dilma grudasse no plenário do Congresso um código de barras.

Como se sabe, nem todos os parlamentares estão sujeitos ao suborno. Mas 90% dos quadros do Parlamento dão aos 10% restantes uma péssima reputação. De resto, ao fixar num decreto o valor de cada voto —coisa inédita na história do fisiologismo nacional—, Dilma deixou claro que não faz questão de tirar da nova lei a marca do preço.

Além de rebaixar o teto de um Congresso que não consegue aumentar sua estatura, Dilma ministra um grande ensinamento aos 27 governadores e aos mais de 5 mil prefeitos de todo país: governar é desenhar com borracha. Ficou entendido que a Lei de Responsabilidade Fiscal só vale até certo ponto. O ponto de interrogação. Guiando-se pelo exemplo federal, gestores estaduais e municipais que flertarem com a irresponsabilidade fiscal poderão reivindicar o direito de desfritar um ovo.

Comentários

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for Dilma colou um código de barras no Congresso

Deixe o seu comentário